Atualizado 13h19 Sexta, 23 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Economia

A galinha vermelha...

1583 acessos - 3 comentários

Publicado em 01/03/2009 pelo(a) Wiki Repórter Irami.Gonçalves, Guaíra - PR



A galinha produziu alimento sozinha, mas na hora do ’bem bom’ deveria repartir com todos. - Foto: Net/http://organismo.art.br/blog/wp-images/TrigoEspigas21.jpeg

Minha amiga Maria Matilde Capelaro me enviou o texto abaixo. Desconhecendo a autoria, repasso na íntegra para os amigos, que vão, com certeza, avaliar sua importância. Acho interessante e devemos repensar algumas coisas que ocorrem no País na atualidade. Que seja, então, pelo texto enviado pela Matilde.

Ficou mais conhecida quando foi divulgada por Ronald Reagan, nos anos 80, quando era presidente: reduziu a carga tributária e conseguiu aumentar a arrecadação nos EUA. A história da galinha vermelha, que achou alguns grãos de trigo e disse a seus vizinhos: 

- Se plantarmos trigo, teremos pão para comer. Alguém quer me ajudar a plantá-lo?
- Eu não - disse a vaca. 
- Nem eu - emendou o pato. 
- Eu também não - falou o porco. 
- Eu muito menos - completou o ganso.
- Então eu mesma planto - disse a galinha vermelha. 

E assim o fez. O trigo cresceu alto e amadureceu em grãos dourados.

- Quem vai me ajudar a colher o trigo? - quis saber a galinha. 
- Eu não - disse o pato. 
- Não faz parte de minhas funções - disse o porco. 
- Não depois de tantos anos de serviço - exclamou a vaca. 
- Eu me arriscaria a perder o seguro-desemprego - disse o ganso.
- Então eu mesma colho - falou a galinha. E colheu o trigo ela mesma. 

Finalmente, chegou a hora de preparar o pão.
- Quem vai me ajudar a assar o pão? - indagou a galinha vermelha. 
- Só se me pagarem hora extra - falou a vaca.
- Eu não posso por em risco meu auxílio-doença - emendou o pato.
- Eu fugi da escola e nunca aprendi a fazer pão - disse o porco. 
- Caso só eu ajude, é discriminação - resmungou o ganso.
- Então eu mesma faço - exclamou a pequena galinha vermelha.

Ela assou cinco pães, e pôs todos numa cesta para que os vizinhos pudessem ver. De repente, todo mundo queria pão, e exigiu um pedaço.

Mas a galinha simplesmente disse:

- Não, eu vou comer os cinco pães sozinha.
- Lucros excessivos! - gritou a vaca.
- Sanguessuga capitalista! - exclamou o pato.
- Eu exijo direitos iguais! - bradou o ganso.

O porco, esse só grunhiu. Eles pintaram faixas e cartazes onde se lia "Injustiça" e marcharam em protesto contra a galinha, gritando obscenidades. Quando um agente do governo chegou, disse à galinhazinha vermelha:

- Você não pode ser assim egoísta. 
- Mas eu ganhei esse pão com meu próprio suor - defendeu-se a galinha. 
- Exatamente - disse o funcionário do governo. Essa é a beleza da livre empresa. Qualquer um aqui na fazenda pode ganhar o quanto quiser, mas sob nossas regulamentações governamentais, os trabalhadores mais produtivos têm que  dividir o produto de seu trabalho com os que não fazem nada. 

E todos viveram felizes para sempre, inclusive a pequena galinha vermelha, que sorriu e cacarejou:

- Eu estou grata, eu estou grata. 

Mas os vizinhos sempre perguntavam por que a galinha, desde então, nunca mais fez porra nenhuma... Nem mesmo um pão. 
 
Esta ’fábula’ deveria ser distribuída e estudada em todas as escolas brasileiras. Quem sabe, assim, em uma ou duas gerações, sua mensagem central pudesse tomar o lugar de toda essa papagaiada  pseudo-socialista, que insiste em assombrar nosso país e condená-lo à eterna miséria. Qualquer semelhança desses bichos com alguns abaixo é mera coincidência: 

* Sem-terra
* Sem-teto
* Sem Bolsa-Escola
* Puxa-sacos
* Sem vergonha...
* Sem bosta nenhuma...
*E outros bichos mais


Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
Irami.Gonçalves
Guaíra - PR



Comentários
01
Reporte abuso
JSR
Fortaleza 09/03/2009

Uma tolice insosa e sem graça. Dizer que socialismo é defender o não-trabalho. Se são os capitalistas que vivem do trabalho alheio e são estes justamente que se apropriam de maior parte da riqueza. Tenha a santa paciência! Os sem-terra lutam por um direito consagrado na Constituição, eles lutam para trabalhar na terra! Felizmente a ignorância e a mídia nunca foram capazes de derrotar a mobilização social dos trabalhadores rurais ou urbanos.


 
02
Reporte abuso
Irami
Umuarama 03/03/2009

Olha nois é nois - nois, acho que devemos fazer sim, só não sei como!


 
03
Reporte abuso
nois é nois
nois 03/03/2009

Texto livre até para políticos. Qualquer semelhança é mera coincidência, não vamos fazer nada sempre!!


Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br