Atualizado 20h26 Quinta, 08 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Cotidiano

O DOUTOR E O PACIENTE

638 acessos - 1 comentários

Publicado em 27/02/2012 pelo(a) Wiki Repórter Dourovale, Carapicuíba - SP



Não sou lá muito de cuidar de mim. Confio que, por nascer num domingo com o céu junino repleto de balões, mesmo às 14:05, a sorte sempre está ao meu lado, embora algumas vezes me pareça o contrário. Mas você sabe como é! Depois dos 35 é melhor ver como anda este corpo meu que me enlouquece, que me dá raiva, que me dá alegrias, que me traz desapontamentos, que me faz ficar admirado comigo mesmo, que me faz vivo.
Não escolhi o médico por indicação ou sugestão de ninguém. Era o que tinha horário mais próximo da data em que eu estava. Esse negócio de carnaval complica qualquer agenda.
Ir ao médico não é uma coisa muito comum pra mim. São meses de preparação até eu aceitar marcar. No dia, fico indeciso com qual roupa ir, se devo usar meias, cueca nova ou pentear o cabelo. Não sei se o leitor já chegou a perceber, mas eu não sou nenhum Adônis. Depois de arrumado me olhei no espelho e pensei no que minha mãe diria se me visse assim.
“Bonitinho!” foi essa palavra que me veio à mente.
Lá fui eu.
Consultório muito bem decorado. Quadros. Lembranças de viagens distantes. Um coração de plástico sobre a mesa. As canetas no lugar das canetas. Os papéis onde devem ficar os papéis. Não havia farelo de bolacha sobre o teclado. No monitor uma paisagem de uma casa com flores e poucos ícones. As cadeiras do paciente e do acompanhante milimetricamente paralelas. A do médico estava virada para a mesa na distância certa para ele se posicionar e puxá-la para que ficasse próximo à mesa. Um circulador de ar esterelizadamente limpo e silencioso. Toda essa organização me fez ver que eu fiz bem em não cursar medicina.
O médico me mandou entrar na frente e eu fiquei com medo de mexer na posição das cadeiras. Só sentei após ele insistir muito e me ameaçar com os olhos. Tudo bem! Tudo bem! Alterei o mínimo possível à posição da cadeira. Ele olhou pra cadeira do acompanhante e perguntou se eu estava só. Confirmei com a cabeça. Talvez eu tenha imaginado, mas acho que o médico leve e brevemente sorrio.
E fomos ao interrogatório. Eu já estava quase me declarando culpado, pois cada resposta minha ele fazia um ar de desaprovação. Acho que eu não devo ser um bom exemplo de vida saudável! Cabisbaixo perguntou com quantas pessoas eu morava. Disse que vivo só. Ele levantou os olhos e sorriu... Sim dessa vez eu tenho certeza que era um sorriso.
Findo o questionário! (puxa, lembrei agora dos cadernos de questionários que as meninas do ginásio faziam e nós, meninos, ficávamos doidos para ver o que de tão especial havia escrito lá. Nunca li um caderno desses. Se alguém ainda tiver algum, por favor, me empreste e deixe-me matar essa curiosidade) Fomos para o exame em si. (antes que as mentes sacanas pensem bobagens, ele não é proctologista, é clínico geral).
O doutor pediu que sentasse na maca e verificou minha pressão. Foi para a mesa anotar e me mandou tirar a camisa e me deitar. Voltou para perto da maca. Já me incomodou essa coisa de um homem me mandar deitar e vir pra minha direção. Sem falar nada, abriu o botão e o zíper da minha calça. Caramba!!!!! Fiquei assustado!
Estetoscópio aqui. Estetoscópio acolá. Foi mexer na minha sensível barriga e disse pra eu relaxar. Fiquei mais tenso ainda. Aí ele veio me olhando nos olhos e falando manso que estava tudo bem, que eu poderia confiar nele e relaxar, senão não poderia fazer o que devia.
O que é que ele achava que ele devia fazer?
Pedi proteção pra Deus e cedi. Relaxei!
As mãos dele são macias e não sei o que ele procurava, nem sei se ele achou, mas revirou bastante ali. Usei toda minha concentração para desviar os pensamentos turvos e indignos. Mantive os olhos bem abertos.
Ele largou a minha barriga e voltou pra minha cabeça, que está sobre os ombros, levantou as sobrancelhas e me pediu para que eu olhasse de lado. Olhei, com os olhos, pro lado da parede. Ele disse um “não assim” reprovando sem ser repressor, pôs as mãos em torno do meu pescoço e virou minha cabeça. Eu olhava pra parede e senti algo, que eu torcia para que fosse o estetoscópio, pressionar meu pescoço. Ficamos um tempo assim. Então ele falou “agora vira pra mim”. Eu, assustado com tudo que acontecia, virei a cabeça pro lado dele e me senti tranquilo em confirmar que era realmente o estetoscópio o instrumento que ele usava.
Às vezes a gente precisa tomar umas decisões sem pensar muito nas consequências. Nem sempre dá pra ser racional, o instinto é o que nos garante vivos e íntegros. Pensei comigo que se ele pedisse pra eu virar de bruços eu, terminantemente, me recusaria e acabaria aquela consulta ali. Fechei um pouco a cara. Ele me olhou estranhando minha expressão, mas acho que entendeu o recado. Voltou para mesa e disse que eu poderia me vestir.
Ele disse que meu ritmo cardíaco estava um pouco alterado, mas, falando sarcasticamente, isso poderia ser só tensão da consulta. Para que não restasse dúvida alguma, eu neguei e disse que era alterado mesmo, que eu não senti nada, nada, nadinha de nada na consulta e balancei a cabeça como confirmando minha falta de sentimentos durante o exame.
Achei que ele ficou meio chateado!
Passou uns exames para eu fazer. Indicou um remédio. Sorriu de um jeito estranho e disse para eu não demorar e voltar logo.
Não sei se devo voltar!

DOUROVALE (DORIVAL CARDOSO VALENTE)

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
Dourovale
Carapicuíba - SP



Comentários
01
Reporte abuso
Maurício Andrade
Sampa 28/02/2012

Tá de birncadera, sô ?!?!?!?! rsrsrs
Nem pegou o telefone do médico ... ? rs
Abração, meu caro amigo Dorival ... rs


Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br