Atualizado 16h22 Sexta, 30 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Cotidiano

Estudo gayzista diz que “pais” gays são melhores

370 acessos - 0 comentários

Publicado em 09/10/2011 pelo(a) Wiki Repórter Jefferson Nóbrega, Brasília - DF



Escrito por Orlando Braga | 07 Outubro 2011 - Mídia Sem Máscara

Este tipo de notícia que aparece, a espaços, no Destak e nos me®dia em geral, surgem sem contraditório e são pura propaganda política e ideológica gayzista. Aquilo que está lá escrito não é verdade, pelas razões que enunciarei a seguir.

O movimento político gayzista defende a adopção de crianças por duplas de gays assentando a sua argumentação em três categorias básicas: o argumento “sócio-demográfico” (de que trata este postal), o argumento da “bissexualidade”, e o argumento da “pluriparentalidade”. Vou deixar fora deste postal a refutação dos dois últimos argumentos, porque não dizem respeito especificamente ao enviesamento e à manipulação dos “estudos” da conhecida activista gayzista Charlotte Patterson.

1- Este tipo de “estudos” ou inquéritos tem como objectivo primeiro impôr um argumento de autoridade que cala toda a gente que o lê, porque toda a gente que o lê não tem uma noção do que se está a falar.

2- O número de questionários é restrito, e muitas vezes é realizado com crianças educadas por militantes do próprio movimento político gayzista.

3- A idade dos indivíduos (as crianças) tratados é inferior à idade da adolescência, ou seja, estes “estudos” não abordam adolescentes e muito menos adultos educados em um ambiente homossexual.

4- Os estudos são empíricos. Qualquer pessoa que tenha uma noção mínima de epistemologia sabe qual é o problema do empirismo puro.

5- Os critérios expressamente escolhidos para o inquérito têm como base o behaviourismo (comportamentalista e funcionalista).

6- O estudo ou inquérito beneficia as capacidades adaptativas (utilitarismo pragmático) e não vai para além das representações conscientes. O inconsciente e o subconsciente são simplesmente ignorados.

7- O funcional é explicitamente colocado em oposição ao estrutural, ao se afirmar que “a qualidade das relações de família” tem primazia sobre a estrutura da família.

8- Caráter absolutamente unilateral dos “estudos”, mandando às malvas o princípio da falsicabilidade de Karl Popper. Todos os resultados, sem excepção, vão no sentido da tese gayzista, sem nenhum contra-exemplo e sem nenhuma reserva.

9- Se a situação das crianças estudadas é tão banal, os resultados do estudo deveriam distribuir-se segundo a curva de Gauss, como deve acontecer se se der o caso de a população estudada ser diferente.

10- Finalmente, a adulteração do sentido das palavras e a tentativa de dissociação, por parte do indivíduo que lê o “estudo”, do real. Já falei deste fenômeno totalitário, aqui.

As representações da realidade do “pai” e da “mãe” não são só e apenas um fenômeno biológico: remetem-nos para o lugar da doação originária da vida. É essencialmente na relação com o ato gerador que se define a identidade sexuada. Paternidade e maternidade são carnais e não apenas biológicos. Do ponto de vista da criança, nascer de uma união na dualidade — uma relação heterossexuada — é constitutivo da sua própria identidade e da sua consciência de si como terceiro e como sujeito.

Fica evidente, para a criança, a própria realidade das coisas, quando ela vê com uma nitidez irrecusável que a relação com o ato gerador não é a mesma na mulher e no homem: ser mulher é ter nascido dum corpo do mesmo sexo que o seu, e ser homem é nascer dum corpo de sexo diferente. Para a criança, nascer do encontro dum homem e duma mulher é constitutivo da sua consciência humana e da descoberta da sua finitude.

O que o estudo da Charlotte Patterson revela é a negação radical e perigosa do ontológico — é um “estudo” manipulado e enviesado que faz parte de uma ideologia política totalitária que urge combater.

Adendo: arquivo PDF

Adendo 2: o mesmo artigo no semanário “SOL”

http://espectivas.wordpress.com/

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
Jefferson Nóbrega
Brasília - DF



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br