Atualizado 19h56 Sexta, 16 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Deu no papel

Efeito Palocci

404 acessos - 0 comentários

Publicado em 06/06/2011 pelo(a) Wiki Repórter JBWiki!, Rio de Janeiro - RJ



Aliados do PMDB e do PT cobraram da presidente Dilma Rousseff um desfecho para a situação do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, até quarta-feira, quando o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deve dar seu parecer sobre o caso. Há 22 dias, o ministro está sob ataques da oposição e de setores da base aliada por causa do rápido aumento de patrimônio. OUTROS DESTAQUES - Investimento em imóveis lidera em rentabilidade. Governo paga R$ 4 bilhões ao ano a filhas de militares. Brasileiros devem R$ 59 bilhões a bancos. Réu em 47 processos vira cônsul. Despachantes lucram com dado sigiloso do Detran em São Paulo. O mundo on-line terá 15 bilhões de conexões em 2015. Seis cidades do DF ficam sem energia. Humala vence eleição no Peru, segundo boca de urna. Em Portugal, direita derrota Partido Socialista. 20 palestinos morrem em manifestação.

DESTAQUES DE JORNAIS BRASILEIROS, SEGUNDA-FEIRA, 6 DE JUNHO DE 2011.

O Estado de S. Paulo

Dilma decidirá futuro de Palocci após parecer do procurador-geral
Posição de Roberto Gurgel sobre as suspeitas envolvendo o ministro deve sair na quarta-feira

Em conversa por telefone, a presidente Dilma Rousseff acertou ontem com Antonio Palocci que aguardará o posicionamento da Procuradoria-Geral da República a respeito das suspeitas que pairam sobre o chefe da Casa Civil antes de tomar uma decisão sobre o caso.

Existem duas razões para esperar pela manifestação do procurador-geral Roberto Gurgel – o que pode ocorrer na próxima quarta-feira. Primeiro, caso afaste Palocci de imediato, Dilma corre o risco de depois ser cobrada por uma atitude injusta, se a procuradoria não encontrar motivos para abertura de inquérito. Porém, se Gurgel apontar indícios de irregularidades, o afastamento de Palocci seria facilitado, para que não se atrapalhem as investigações. Há 22 dias, o ministro está sob ataques da oposição e de setores da base aliada por causa do rápido aumento de patrimônio. Nesse fim de semana, houve mais desgaste com a divulgação de que Palocci aluga um apartamento de 640 m², em bairro nobre de São Paulo, de uma empresa que usaria laranjas e endereços falsos. (Págs. 1 e Nacional A4)

Foto legenda: Categoria critica postura de Cabral
Colegas e familiares pedem a soltura dos 439 bombeiros detidos na ocupação do quartel no Rio. Pelo Código Militar, eles podem pegar até 10 anos de prisão. Mas juristas acham a pena improvável: "O processo não acabaria nem em 50 anos", diz o advogado José Carlos Tórtima. (Págs. 1 e Cidades C5)
Humala vence eleição no Peru, diz boca de urna
Segundo pesquisas de boca de urna, divulgadas ontem logo após a votação, o candidato nacionalista Ollanta Humala obteve 52,6% dos votos contra os 47,4% da conservadora Keiko Fujimori, filha do ex-presidente Alberto Fujimori. Quase 20 milhões de peruanos escolheram o sucessor de Alan García, em mais de 100 mil locais de votação. (Págs. 1 e Internacional A10 e A11)

Opinião
Mario Vargas Llosa
Escritor peruano
"Nós nos livramos de uma ditadura que foi corrupta e sangrenta e que queria voltar ao poder"
Portugueses elegem um governo de centro-direita
Pedro Passos Coelho, líder do Partido Social Democrata (PSD), foi eleito com margem surpreendente: 38,6% dos votos válidos, superando em 10 pontos o atual premiê, José Sócrates, que renunciou a liderança do Partido Socialista (PS). (Págs. 1 e Internacional A12)
Obras em rodovias não saem do papel
Levantamento feito pelo Estado mostra que concessionárias de estradas federais só investiram 55% do valor definido em contrato para os três primeiros anos. Projetos que deveriam ser entregues em 2012 só ficarão prontos em 2015. Outros ainda nem têm previsão de início. (Págs. 1 e Economia B1, B3 e B4)
Brasil libera entrada de carros argentinos (Págs. 1 e Economia B11)

Broto é outro suspeito no surto de 'E. coli' (Págs. 1 e Planeta A17)

Denis Lerrer Rosenfield
Código ambiental internacional

A Conferência da ONU sobre o Desenvolvimento Sustentável, em 2012, será uma oportunidade para discutir sem encenações a "economia verde". (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)

Notas & Informações
O nefasto efeito Palocci


Só há uma maneira de colocar um ponto final na crise política provocada pela revelação do prodigioso enriquecimento de Antonio Palocci antes de se tornar o principal ministro da presidente Dilma Rousseff: seu afastamento da chefia da Casa Civil. A exoneração tornou-se iminente a partir do instante em que Palocci desperdiçou a última oportunidade de colocar a situação em pratos limpos, ao não apresentar em sua defesa nenhuma informação nova e relevante nas entrevistas seletivas e tardiamente concedidas na sexta-feira à Rede Globo e à Folha de S.Paulo.
O ministro se limitou a protestar inocência diante das suspeitas de tráfico de influência, negando-se a fornecer qualquer informação ou esclarecimento sobre seus clientes ou sobre a natureza dos serviços a eles prestados. Não fez mais do que deixar no ar um apelo que, nas circunstâncias, soou patético: acreditem em mim. (...)
Mas Palocci frustrou com suas negaças as expectativas de que lançaria alguma luz sobre mais esse escândalo em que se vê envolvido. Tendo comprovadamente mentido uma vez no episódio que provocou sua saída do Ministério da Fazenda, em março de 2006 - sem falar nos nebulosos episódios que marcaram suas duas gestões à frente da Prefeitura de Ribeirão Preto -, é demais esperar que ele possa contar agora com a indulgência de quem quer que acredite que o exercício de funções públicas exige compromisso com a probidade. Chegou, portanto, ao fim da linha em mais esta passagem, desta vez muito breve, pelos altos escalões da República.
Sendo a substituição do titular da Casa Civil um fato que só não se consumará por conta de alguma enorme improbabilidade - por exemplo, Dilma Rousseff assumir, diante do desgaste seu e do governo, um risco que nem mesmo Lula se dispôs a encarar em 2006 -, resta tentar compreender o que esse episódio, qualquer que seja seu desfecho, sinaliza para o futuro político e administrativo do País a curto e médio prazos. (...) O novo escândalo Palocci provavelmente a fará, se já não o fez, se dar conta de que, daqui para a frente, dificilmente se livrará da condição de refém da maneira lulopetista de governar e de sua regra de ouro: pela "governabilidade" paga-se qualquer preço.
Boa parte dos petistas reza por essa cartilha há muito tempo. O mensalão foi apenas o começo. Agora, foram os primeiros a lavar as mãos e até mesmo pedir a saída de Palocci aqueles que perceberam que podiam tirar vantagem disso. E o PMDB de Sarney e companhia, que nunca iludiu ninguém sobre os motivos de sua aliança com Lula, dando um exemplo que foi imediatamente seguido por outras legendas da base aliada, não teve o menor constrangimento de chantagear o Palácio do Planalto em troca de suposto apoio ao fragilizado primeiro-ministro.
É o País que retrocede politicamente, não pela demissão de um ministro, mas por tudo que esse lamentável episódio coloca a nu.
(Págs. 1 e A3)


O Globo

Aliados cobram de Dilma a solução sobre Palocci
Após ser consultado pela presidente, Lula deve voltar a Brasília amanhã

Aliados do PMDB e do PT cobraram da presidente Dilma Rousseff um desfecho para a situação do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, até quarta-feira, quando o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, deve dar seu parecer sobre o caso. A avaliação dos interlocutores do Palácio do Planalto é que a situação de Palocci é insustentável, sob pena de aprofundar a crise e os problemas na relação com o Congresso. Dilma conversou ontem sobre o assunto, por telefone, com o ex-presidente Lula, que é esperado amanhã em Brasília. Uma das alternativas discutidas é a de que Palocci peça licença até o esclarecimento do caso. Deputados admitem que há um grande problema em mexer na composição do governo e criar novas dificuldades com a escolha mal feita do substituto. Dilma teria preferência por uma pessoa com perfil mais técnico, como Graça Foster, diretora da Petrobras, ou a ministra do Planejamento, Miriam Belchior. Mas isso criaria um problema na articulação política. (Págs. 1 e 3)

Ministro diz que imóvel nos Jardins é para investimento

O ministro Palocci disse que comprou o apartamento de R$ 6,6 milhões nos Jardins, região nobre de São Paulo, como investimento. Por isso, o mantém fechado e continua pagando R$ 13.500 mensais de aluguel para morar no apartamento em Moema, que está registrado em nome de empresa de fachada. (Págs. 1 e 5)

Bombeiros de gabinete vão substituir presos
O novo comandante do Corpo de Bombeiros, Sérgio Simões, informou ontem que vai convocar cerca de 39 militares de setores administrativos para substituir os manifestantes que foram presos após invadirem o Quartel Central. O oficial disse que está aberto ao diálogo, mas não teve sucesso em sua primeira iniciativa. Ele disse ter convidado os bombeiros, que estão acampados nas escadarias da Alerj em protesto contra as prisões, para uma reunião em seu gabinete, mas ninguém apareceu. O movimento já afeta os postos da orla, onde ontem o efetivo era reduzido e os salva-vidas trabalhavam sem uniforme. (Págs. 1 e 11 a 13)

Foto legenda: Um PM de cavalaria observa os bombeiros que estão acampados nas escadarias da Alerj em protesto contra a prisão de 439 manifestantes
Projeção dá vitória a nacionalista no Peru
Após uma polarizada campanha, três pesquisas de boca de urna e três contagens rápidas indicaram que o nacionalista Ollanta Humala venceu o segundo turno das eleições presidenciais no Peru, derrotando a filha do ex-ditador Alberto Fujimori, Keiko. Os candidatos mantiveram cautela, à espera do resultado oficial, uma vez que a vitória de Humala teria sido por uma margem de apenas 3 pontos percentuais. (Págs. 1 e 24)
Em Portugal, a derrota socialista
Com um programa de liberalismo e austeridade, tendo à frente o economista Pedro Passos Coelho, os conservadores do Partido Social-Democrata venceram as eleições ontem e vão assumir o governo de Portugal, impondo dura derrota ao Partido Socialista, no poder há seis anos. A abstenção foi recorde. (Págs. 1 e 25)
Réu em 47 processos vira cônsul
Ex-secretário estadual de Defesa Civil, o coronel Paulo Gomes, que responde a 47 processos de improbidade administrativa, foi nomeado cônsul da Guiana no Rio. Outros servidores são mantidos em cargos públicos, apesar de acusações de fraude. (Págs. 1 e 10)
A nuvem da internet
Capaz de guardar quantidade quase infinita de informação (textos, dados, músicas, fotos, vídeos) com acesso via PC ou celular, a nuvem da internet tem potencial de mercado de US$ 1,4 trilhão por ano. O mundo on-line terá 15 bilhões de conexões em 2015. (Págs. 1 e 19)

Folha de S. Paulo

Despachantes lucram com dado sigiloso do Detran
Empresas assediam motoristas sob risco de ter a carteira suspensa e cobram R$ 450 para baixar tempo de punição

Empresas que se dizem "parceiras" do Detran-SP usam informações sigilosas de motoristas para oferecer serviços àqueles que correm o risco de ter a habilitação suspensa por infrações, relata Ricardo Gallo.

Ao telefone, despachantes cobram R$ 450 dos condutores com a promessa de reduzir o tempo de punição e até evitar o curso de reciclagem, o que é irregular. Um deles diz receber a lista de um servidor do órgão.

Nomes dos motoristas não são divulgados pelo departamento de trânsito na notificação pelo “Diário Oficial". Recorrer por conta própria custa R$ 200.

O Detran diz desconhecer o esquema. (Págs. 1 e Cotidiano C1)

Aliados temem estender desgaste com Palocci
Numa operação que sujeita o Planalto a danos adicionais, deputados aliados terão de derrubar amanhã a convocação para que o ministro Antonio Palocci fale na Câmara. A oposição promete recorrer ao Supremo.

Deputados fazem pressão para que o governo evite esse novo desgaste, e os principais ministros acham difícil sustentar Palocci. A presidente ainda deve discutir com Lula o destino do seu ministro. (Págs. 1 e Poder A6)
Análise: Dilma depende mais do PMDB do que gostaria
O PMDB exibe uma coesão que não existia sob FHC nem Lula. Pressionada, Dilma desengaveta pedidos de nomeação do partido, diz Josias de Souza. (Págs. 1 e Poder A8)

Foto legenda: Morte na fronteira
Manifestantes sírios fogem de gás lacrimogêneo lançado por tropas de Israel; confrontos na divisa deixaram 22 mortos e 350 feridos (Págs. 1 e Mundo A12)
Investimento em imóveis lidera em rentabilidade
O investimento em imóveis foi o mais rentável em 2010, em São Paulo, Rio e Belo Horizonte. Na capital paulista, o valor dos lançamentos disparou ate 71%. Na média, os preços saltaram 34,4%. (Págs. 1 e Folhainvest B1)
Pesquisa dá vitória a esquerdista em disputa no Peru
Pesquisas de boca de urna divulgadas no início da noite de ontem indicavam o esquerdista Ollanta Humala como vencedor da eleição presidencial do Peru, informa a enviada Patrícia Campos Mello. (Págs. 1 e Mundo A13)
Em Portugal, direita derrota Partido Socialista
O Partido Socialista português obteve sua pior votação em 20 anos. O ganhador foi o Partido Social Democrata, de direita. O próximo premiê será o economista Pedro Passos Coelho, relata o enviado Vaguinaldo Marinheiro. (Págs. 1 e Mundo A14)
Luiz Felipe Pondé
Em um jantar inteligente, pobre fica só na cozinha (Págs. 1 e Ilustrada E10)
Broto de feijão pode ser a causa das infecções (Págs. 1 e Mundo A15)

Editoriais
Leia "Plebiscito-equivocado", que critica a possível divisão do Pará, e "Vagas cortadas", sobre decisão do MEC de diminuir a oferta em faculdades ruins. (Págs. 1 e Opinião A4)

Correio Braziliense

E vêm aí transtornos...
Pelo menos 180 mil passageiros serão prejudicados diariamente com a decisão da categoria de retirar 30% dos motoristas das ruas nos horários de pico (das 6h às 7h e das 16h às 18h). Resultados: ônibus superlotados, metrô sobrecarregado, atrasos no trabalho, trânsito ainda mais engarrafado. Os profissionais querem 16,69% de aumento salarial. Os donos das empresas só atenderão se o valor das passagens aumentar. Caso a reivindicação não seja atendida, no dia 13 a greve será geral.

Nos ônibus
As paralisações têm afetado 90 mil pessoas por turno — 180 mil ao dia. O intervalo das viagens aumentará. Os coletivos, que já transportam em média 100 passageiros cada, ficarão ainda mais cheios e apertados.

No metrô
Os moradores da região sul (a partir de Ceilândia), que usam o sistema, começaram a enfrentar vagões lotados e mais demora. A empresa aumentou o número de empregados e estendeu o horário de pico, em que são usados 24 trens, para até as 10h, como forma de dar vazão ao excedente.

Nas ruas
A PM avaliou ontem que a quantidade de veículos (850 mil/dia) aumentaria em 10%, piorando os engarrafamentos, e pediu mais paciência e atenção aos motoristas. A previsão é de que o transtorno seja maior nas entradas de Taguatinga e Sobradinho.

No comércio
Com as faltas e os atrasos, os varejistas devem faturar de 30% a 40% menos. (Págs. 1, 17 e 18)
Seis cidades do DF ficam sem energia
Moradores de Ceilândia, Guará, Samambaia, Park Way, Candangolândia e Taguatinga sofreram com a falta de luz durante toda a tarde de ontem. Comerciantes fecharam portas e reclamaram o prejuízo. O motivo do apagão, que começou ao meio-dia, foi uma pane em uma das linhas de transmissão que liga Furnas à estação Brasília Sul-Samambaia II. (Págs. 1 e 22)

Grata, Dilma reluta sobre Antonio Palocci
A presidente fez contatos com Lula para saber se mantém o ministro na Casa Civil. A decisão, no entanto, não depende apenas do antecessor. Integrantes da base aliada lembram a gratidão pelo papel que Palocci desempenhou na campanha. (Págs. 1 e 5)

20 palestinos morrem em manifestação (págs. 1 e 12)

Brasileiros dão calote de R$ 59 bilhões em bancos (págs. 1 e 8)

Valor Econômico

Investidores acham brechas para escapar do IOF maior
Os investidores externos têm encontrado formas para escapar do pagamento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) sobre os recursos aplicados no mercado financeiro brasileiro. Desde outubro, o IOF é de 6% sobre o dinheiro que entra para renda fixa e de 2% para ações.

"O mercado sempre encontra soluções criativas para driblar impostos com tal velocidade que o fisco e os reguladores não conseguem acompanhar", diz Alexandre Tadeu Navarro, sócio da Navarro Advogados. "Dessa vez não tem sido diferente", comenta. "Depois do IOF, novas estruturas para investimento direto têm aparecido", confirma Andrea Bazzo Lauletta, sócia do Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados.

De acordo com Navarro, o investidor externo pode, por exemplo, abrir uma sociedade anônima. Essa empresa então investe em outra companhia que, por sua vez, aplica em outra companhia, que coloca o dinheiro em um fundo de investimento em cotas (FIC) de outros fundos. O FIC Multimercado vai então investir, finalmente, em Fundos de Investimento Financeiro (FIFs), os fundos de renda fixa, ou em fundos de ações. (Págs. 1 e C1)
Aeroportos vão competir nas regiões
A concessão de aeroportos dará às empresas concessionárias liberdade para fixar tarifas e, inclusive, para treinar e empregar seus próprios controladores de tráfego aéreo, atividade hoje subordinada à Aeronáutica. O ministro da recém-criada Secretaria de Aviação Civil, Wagner Bittencourt, disse ao Valor que será adotado o modelo americano, em que cada aeroporto tem uma autoridade máxima. Para estimular a competição entre aeroportos, segundo o ministro, a empresa que ganhar uma concessão numa região não poderá ter outra na mesma área. Quem administrar Guarulhos, por exemplo, não poderá cuidar de Viracopos. Ele revelou que estuda a concessão do Galeão e de Confins. (Págs. 1 e A14)
Foto legenda: Vitória em tempos difíceis
Pedro Passos Coelho, líder do conservador Partido Social Democrata (PSD), deverá chefiar o novo governo português após as eleições legislativas realizadas ontem. (Págs. 1 e A11)
Exploração de gás se aproxima de Abrolhos
O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) concedeu pela primeira vez licença de operação para exploração de gás em região próxima ao santuário ecológico do arquipélago de Abrolhos, na costa da Bahia.

A licença de "perfuração exploratória" de gás, concedida à empresa Queiroz Galvão Exploração e Produção, até 2013, impõe condicionantes inéditas. Pela primeira vez, exigirá o uso de mecanismos para detecção noturna de eventuais vazamentos de petróleo no mar e a presença permanente de duas embarcações tipo navios-tanque equipados para conter e recolher possíveis derramamentos de óleo.

As operações no poço licenciado ocorrerão, segundo o Ibama, a 250 km das cinco ilhas integrantes do Parque Nacional Marinho de Abrolhos, criado em 1983, considerado um santuário para a biodiversidade. Além de tartarugas-marinhas e atobás, a região é considerada um dos melhores lugares para avistar baleias jubarte e uma grande fauna marinha. Os recifes de coral de Abrolhos estão entre os mais exuberantes ecossistemas do mundo. A região possui a principal formação de corais do Atlântico Sul. (Págs. 1 e B7)

Futuro de Palocci na Casa Civil divide governo e PT
Depois de dar vagas explicações públicas sobre o aumento vertiginoso de seu patrimônio, que se multiplicou por 20 em quatro anos, o ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, conta com a divisão existente no governo e nos partidos da base aliada para se manter no cargo.

A presidente Dilma Rousseff teria gostado do fato de Palocci ter procurado distanciar as suspeitas que recaem sobre ele de uma crise de governo. Muitos líderes da base aliada, no entanto, não acham que Palocci foi eficiente, segundo apurou o Valor, porque seu problema desgastou e fragilizou o governo no Congresso.

Palocci deve pedir demissão espontaneamente apenas se o parecer do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, lhe for contrário. (Págs. 1 e A10)

SIG inaugura fábrica e prevê duplicação
A fábrica de embalagens longa vida do grupo suíço SIG Combibloc será inaugurada hoje, em Campo Largo, no Paraná, e começa a operar com 100% da capacidade tomada, levando a empresa a planejar sua duplicação em até dois anos. É a primeira iniciativa na América do Sul, que agora ganha importância nos planos de internacionalização da companhia, segundo seu presidente, Rolf Stangl. Mesmo antes de ter produção própria na região, as vendas na América do Sul já cresciam mais aceleradamente do que a média mundial. Com capacidade de produção inicial de 1 bilhão de embalagens por ano, a unidade atenderá tanto o Brasil quanto a América do Sul, especialmente o Chile. (Págs. 1 e B8)
Participação nos resultados amplia peso na remuneração
As montadoras estão pagando Participação nos Lucros e Resultados (PLR) até 40% superior aos já elevados valores do passado. O teto pago em PLR em 2010 - R$ 10,8 mil concedidos pela Mercedes-Benz em São Bernardo do Campo (SP) - pode virar piso em 2011. Para os 3,2 mil metalúrgicos da Volvo, em Curitiba (PR), o benefício este ano foi igual a 7,5 salários (R$ 15 mil). Benefícios relevantes como esse, entretanto, se restringem a poucas categorias, como a dos metalúrgicos, uma das mais especializadas.

Quando foi criada, em 1994, a PLR era vista pelos sindicatos como "arma de cooptação" dos trabalhadores, que recebiam o bônus condicionado ao cumprimento de metas de produção. "Trata-se de uma política de salários muito interessante para as empresas", diz Christian Mattos, consultor sênior da Towers Watson. "Na indústria, principalmente, onde a folha de pagamentos costuma representar 8% dos custos totais de produção, uma PLR elevada não onera o caixa e amplia a produtividade".

A negociação de bônus é a causa da paralisação de um mês da Volkswagen em São José dos Pinhais (PR), onde o sindicato reivindica o pagamento de R$ 12 mil de PLR a 3,1 mil metalúrgicos, mesmo valor acertado com a Renault. (Págs. 1 e A3)
Ganhos do Citi com a alta renda
A estratégia do Citibank de dar prioridade aos clientes de alta renda nas operações de varejo, retomada há dois anos, ganha mais chances de sucesso com o cenário atual de crescimento da economia e dos salários dos brasileiros. "O Brasil mudou muito desde 2006 e focar nesse nicho é possível porque o mercado cresceu", diz Paula Cardoso, principal responsável pela área no Citi. Ou seja, o banco aposta que é possível crescer e até adquirir certa escala mesmo com o foco restrito. Da base atual de 403 mil clientes, 67% têm renda mensal superior a R$ 4 mil. "O público de alta renda consome quatro vezes mais produtos bancários do que os clientes de baixa renda", lembra Paula. (Págs. 1 e C8)
Governador do Rio, Sergio Cabral, acusa bombeiros (Págs. 1 e A6)

Governo rejeita um novo pedido de salvaguarda contra a China (Págs. 1 e A2)

'Come-cotas' leva R$ 3,4 bilhões dos fundos em maio (Págs. 1 e D4)

Eleições no Peru
Pesquisas de boca-de-urna divulgadas ontem após o segundo turno da eleição presidencial no Peru indicavam a vitória do esquerdista Ollanta Humala sobre a direitista Keiko Fujimori. (Págs. 1 e A11)
Rússia impõe dilema ao Brasil
O Brasil terá que decidir entre o curto e o longo prazo na disputa com a Rússia sobre carnes. As negociações em Genebra deixam claro que, quanta mais concessões tentar obter para o acesso da Rússia na OMC, mais Moscou levantará problemas sanitários. (Págs. 1 e B12)
Voto a distância
O Projeto de Lei 13, originário da Medida Provisória 517, altera a Lei das SA que passa a admitir o voto a distância em assembléia de acionistas. Caberá à CVM regulamentar o texto e determinar a forma de votação, se por meio eletrônico ou pelo correio. (Págs. 1 e D1)
Meio ambiente
Não faz muito tempo, a palavra "negócio" era tabu entre as organizações ambientalistas. Hoje é vista como aliada para salvar o planeta, afirma o biológo Carlos Alberto Scaramuzza, superintendente de conservação do WWF-Brasil. (Págs. 1 e Caderno especial)
CVM aperta regulação a agentes
Instrução 497 da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) determina que os agentes autônomos têm de ser pessoa física e só podem estar vinculados a uma única corretora. (Págs. 1 e D2)
Herança no exterior
O Tribunal de Justiça de São Paulo declarou inconstitucional dispositivo da Lei nº 10.705 que prevê a cobrança do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD) em inventários ou doações realizadas no exterior. (Págs. 1 e E1)
Trabalho aos domingos
Decisão do Tribunal Superior do Trabalho estabelece que o funcionamento de estabelecimentos comerciais aos domingos e feriados depende de previsão em acordo coletivo e na respectiva legislação municipal. (Págs. 1 e E1)
Ideias
Renato Janine Ribeiro

Nunca antes na história deste país tivemos um vice-presidente poderoso como Michel Temer. (Págs. 1 e A6)
Ideias
C. E. Gonçalves e Fabio Kanczuk

Para derrubar a inflação, não há truques: é preciso que a política econômica reduza o crescimento. (Págs. 1 e A12)

Estado de Minas

Governo paga R$ 4 bilhões ao ano a filhas de militares
A Previdência Social concede pensões vitalícias a 87.065 herdeiras de ex-integrantes das Forças Armadas. Em dezembro, por exemplo, saíram dos cofres públicos R$ 327 milhões, que representam 8,3% da folha de pagamento de pessoal ao mês. Uma mulher de 45 anos, de BH, mora com o companheiro há 10 anos e recebe R$ 6 mil mensais. Chegou a casar no religioso, mas não formalizou a união civil para não perder o benefício. Medida provisória editada em 2001 condicionou o pagamento da pensão à contribuição dos militares com 1,5% do soldo. (Págs. 1 e 4)
Brasileiros devem R$ 59 bilhões a bancos
Dívida acima de 90 dias de consumidores e empresas leva bancos a provisionar R$ 98 bilhões para cobrir risco de calote. Vilões da inadimplência são financiamentos de veículos e eletroeletrônicos e gastos com cartões de crédito. Situação pode piorar com a inflação, encarecimento do crédito e crescimento brando da economia, que reduz oferta de empregos e inibe aumento da renda. (Págs. 1 e 12)
Livro didático preocupa estudantes
Publicação do MEC que considera naturais frases como “Nós pega o peixe” provoca questionamento de alunos sobre conteúdo de obras adotadas nas escolas, principalmente quanto ao programa Educação de Jovens Adultos (EJA). (Págs. 1 e 8)
PMDB quer dissolver diretórios ’traidores’ (págs. 1 e 7)

Mulheres conquistam independência
Autoestima elevada, carreira profissional ativa e tempo para academia e curso de idiomas. E elas já não precisam de um companheiro para ser feliz. Segundo o IBGE, há quase 60 mil mulheres a mais do que homens nessa faixa etária em Belo Horizonte. (Págs. 1, 19 e 20)
Mães fazem protesto por amamentação
Mulheres promovem manifestação em BH para garantir direito de amamentar em público. No Brasil, bebês mamam no peito apenas 23 dias, em média. O ideal é dois anos, no mínimo, segundo a Organização Mundial da Saúde. (Págs. 1 e 21)
Risco à saúde
Brasil quer banir agrotóxicos proibidos na Europa e EUA (págs. 1 e 18)
Futebol que mata
Identificar torcedor assassino é maior dificuldade para punição (págs. 1 e 23)

Jornal do Commercio (PE)

Porto e aeroporto novos para o Estado
Governador deve detalhar projeto hoje, mas há previsão de que terminais cargueiros serão construídos na Ilha de Itapipoca, próximo à Praia de Ponta de Pedras, numa parceria público-privada. (Pág. 1)
Governo do Rio isola bombeiros (Pág. 1)

Bactéria alemã matou 22 pessoas e infectou 2.200 (Pág. 1)

CPI de Palocci (Pág. 1)

Zero Hora (RS)

Blitz da Balada Segura flagra quatro vezes mais embriagados
Operação do Detran, da EPTC e da BM na saída de bares da Capital constata crescimento nas autuações de motoristas comparadas à média do ano. (Págs. 1 e 32)
Rafaela, 4 anos, morta por acaso
Com uma boneca nas mãos, garota foi baleada numa lanchonete de Cachoeirinha. (Págs. 1 e 39)
Descontrole de bombeiros acende alerta
Especialistas em segurança avaliam insubordinação e vandalismo. (Págs. 1, 4 e 5)

Brasil Econômico

Mercado de trabalho aquecido eleva o ganho real dos salários
Concentração de negociações trabalhistas em maio aponta para facilidades conquistadas por trabalhadores no momento de discutir benefícios, como participação nos lucros. 9Págs. 1 e P4)

PIB do primeiro trimestre cresce 4,2%, mas tendência é de desaceleração. (Págs. 1 e P10)
“Guerra fiscal entre estados fere a Constituição”
O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, diz que a partir de agora os governadores terão que alinhar benefícios fiscais com o Conselho de Política Fazendária (Confaz). (Págs. 1 e P8)

O ministro da Casa Civil, Antonio Palocci, enfrenta novas denúncias e seu destino no governo deve ser definido nos próximos dias (Págs. 1 e P40)

Brasil e China são primeiros centros de inovação da Tetra Pak fora da Europa (Págs. 1 e P18)

Encarecimento do crédito direto aumenta interesse por emissão de títulos de leasing (Págs. 1 e P30)

Grandes empresas procuram
Levantamento da Ernst & Young Terco indica que um terço das mil maiores empresas globais irá às compras este ano. (págs. 1 e P22)

Fontes: Radiobras – JBWiki!

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
JBWiki!
Rio de Janeiro - RJ



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br