Atualizado 19h56 Sexta, 16 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Deu no papel

Caso Palocci tira destaque de programa contra a miséria

406 acessos - 0 comentários

Publicado em 03/06/2011 pelo(a) Wiki Repórter JBWiki!, Rio de Janeiro - RJ



Não sou refém, diz a presidente Dilma Rousseff; Antonio Palocci (Casa Civil), já sem apoio do PT, promete respostas sobre seu patrimônio. Questionado se a situação de Palocci é “delicada”, o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, respondeu: “Mas continua firme”. Promessa de campanha de Dilma Rousseff, o programa de erradicação da pobreza extrema foi lançado ontem para atingir 16,2 milhões de pessoas. OUTROS DESTAQUES - Na TV, PMDB exalta Lula e só cita a presidente. Anatel abre mercado de TV a cabo a teles. Pouco mudou na Região Serrana do Rio afetada pela tragédia de janeiro. Novas tecnologias e internet revolucionam o mundo da TV. ’NYT’ tem pela 1ª vez mulher no comando. Rússia ameaça com embargo 85 frigoríficos brasileiros.

DESTAQUES DE JORNAIS BRASILEIROS, SEXTA-FEIRA, 3 DE JUNHO DE 2011.

Correio Braziliense

Fim do incentivo fiscal ameaça economia do DF
O cancelamento do programa do GDF que financiava 70% do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para empresas que se instalassem no Distrito Federal, decidido pelos ministros do Supremo Tribunal Federal na última quarta-feira terá forte impacto no setor produtivo local. Mais de 4 mil empresários foram beneficiados, e o fim do incentivo pode provocar um êxodo para outros estados, como Goiás. Além disso, as empresas temem ter que ressarcir os cofres públicos pelo imposto não recolhido ao longo dos anos – o STF não definiu se a medida terá impacto retroativo. A decisão da Corte também deve fortalecer as mais de 600 ações judiciais em que o Ministério Público requer a devolução dos valores ao Fisco. (Págs. 1 e 27)

Fotolegenda: Brasil, da miséria à gorjeta ostensiva

Promessa de campanha de Dilma Rousseff, o programa de erradicação da pobreza extrema foi lançado ontem para atingir 16,2 milhões de pessoas. Gente como Francinete, Maria e Luzineide, que moram em uma invasão na UnB e vivem com menos de R$ 70 por mês. Valor que não faz falta para o deputado Tiririca (PR-SP), dono de um salário de R$ 26 mil e que premia o barbeiro da Câmara com R$ 75.  

(...) No lançamento do Brasil sem Miséria, Dilma ressalta a necessidade de integrar as esferas federal, estadual e municipal para encontrar os 16,2 milhões de brasileiros que vivem com até R$ 70 mensais. O programa também vai beneficiar famílias de agricultores.
Cinco meses após subir a rampa do Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff iniciou ontem ações para cumprir a principal promessa da campanha eleitoral do ano passado: erradicar a extrema pobreza no país. O plano Brasil sem Miséria é uma megaoperação que reúne os principais programas sociais do governo, com iniciativas de transferência de renda, melhorias em infraestrutura e oferecimento de serviços básicos para famílias que vivem em condições precárias. O objetivo é ousado e prevê, em quatro anos, a ascensão social de 16,2 milhões de pessoas que ganham até R$ 70 por mês.

Para o especialista da Fundação Getulio Vargas Marcelo Neri, a conta para erradicar a miséria é bem mais alta, pois consiste também em conceder aos brasileiros as condições mínimas de existência, como vestuário e alimentação. Na avaliação do especialista, o investimento de R$ 0,10 por dia é o mínimo necessário para que uma pessoa deixe de ser miserável e para permitir que esses brasileiros usufruam de condições básicas de vida.

Neste caso, seria necessário investimento superior a R$ 20 bilhões por ano.
“Trabalhamos com índices mais altos do que os que estão sendo considerados pelo governo federal. Na nossa conta, eles vão investir no primeiro momento pouco menos de R$ 7 bilhões para atingir os mais pobres dentre os pobres. É um bom começo e acho que pode ser o pontapé para atingirmos outros referenciais”, opina. Segundo o professor da FGV, para que uma família deixe de ser considerada miserável, ela deve receber pelo menos R$ 120 por mês. Um valor abaixo das expectativas previstas no Plano, mas possível de ser atingida. “É uma meta possível, se for bem administrada. Ainda mais considerando que os muito pobres serão beneficiados neste primeiro momento e que atualmente o governo já gasta por ano cerca de R$ 13 bilhões com os beneficiários do programa Bolsa Família. Acho que é o caminho certo”, avalia Neri.

(...) O Bolsa Família, por exemplo, que atendeu quase 13 milhões de pessoas durante os oito anos de governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, deverá integrar mais 800 mil famílias.

(...) O plano lançado ontem vai tentar beneficiar 16,2 milhões de pessoas. “Um número que supera a marca dos miseráveis extremos, mas que fica inferior a quem precisa de condições melhores de vida. Nesse ritmo, pode ser que em 10 anos tenhamos um quadro com menos pobreza”, diz o especialista da FGV Marcelo Neri. Apesar dos números incluídos no programa ainda serem inferiores à quantidade de pobres do país, a situação melhorou de uma forma geral nos últimos anos. Para se ter uma ideia, o combate à miséria custava R$ 23 por dia em 1993 por cada brasileiro. Em 1995, depois da implantação do Plano Real, o custo caiu para R$ 17. Agora, os estudos mostram que o investimento de R$ 0,10 por dia por brasileiro pode reduzir ainda mais os índices de miseráveis. (Izabelle Torres Igor Silveira, Leandro Kleber e Alana Rizzo) (Págs. 1, 2, 3 e 20)

Fotolegenda: Revolta no ponto de ônibus
Não bastassem os ônibus velhos e a tarifa altíssima, quem depende do transporte coletivo no DF convive há uma semana com o caos provocado por paralisações relâmpago de motoristas e cobradores. No fim da tarde de ontem, revoltados com o locaute que deixou sem transporte moradores de Sobradinho e Planaltina, centenas de passageiros protestaram com barricadas que impediram o trânsito na Rodoviária e na Asa Norte. Em todo o país, uma onda de greves já preocupa o governo federal. (Págs. 1, 13 e 30)
Começa a faltar carro importado nas revendas (Págs. 1 e 15)
Mortes no campo: Depois da execução, o Exército
Governo decide colocar as Forças Armadas à disposição dos estados onde ocorrem conflitos agrários. Ontem, outro trabalhador foi assassinado. (Págs. 1 e 11)

O Globo

Já sem apoio do PT, Palocci promete explicação pública
Dirigentes do partido pedem saída do ministro e articulam substituição

Reunida ontem, a Executiva Nacional do PT não deu qualquer declaração de apoio ao ministro Antonio Palocci (Casa Civil) e decidiu esperar uma explicação pública dele sobre o aumento de seu patrimônio quando era deputado federal e coordenador da campanha presidencial de Dilma Rousseff. Dirigentes chegaram a anunciar que o PT divulgaria resolução deixando claro que a crise que envolvia Palocci é uma questão do governo, e não do partido. Mas o Palácio do Planalto interveio, evitando o documento. A operação do Planalto não conseguiu impedir, porém, que quatro dirigentes do PT defendessem a saída imediata do ministro. O secretário-geral da Presidência, Gilberto Carvalho, admitiu que a situação é delicada e eu Dilma pediu explicações ao ministro, o que pode ocorrer hoje. Reservadamente, petistas já falam em nomes para substituir Palocci. (Págs. 1, 3 e 4)

PMDB exibe Lula, não Dilma
Em meio à primeira grande crise política do governo Dilma Rousseff, o programa do PMDB na TV, exibido ontem à noite, teve o ex-presidente Lula como estrela. Segundo o partido, ele aceitou gravar uma participação, mas Dilma teria recusado o convite, alegando empecilhos jurídicos. (Págs. 1 e 9)
Mais um morto, de novo em Eldorado do Carajás
O agricultor Marcos Gomes da Silva foi executado a tiros numa emboscada, ontem, em Eldorado do Carajás, palco do massacre de 19 sem-terra no Sudeste do Pará, em 1996. Marcos é a quinta vítima da onda de assassinatos no campo. Apesar de a polícia descartar ligação com a questão agrária, a Pastoral da Terra diz que é cedo para conclusões. O governo decidiu usar as Forças Armadas nas áreas de conflito. (Págs. 1, 12 e 13)
Na Serra, parece que foi ontem
Pouco mudou na região afetada pela tragédia de janeiro

Cinco meses após a tragédia que deixou 916 mortos na Região Serrana, o tempo não passou. O Globo revisitou as regiões mais atingidas e encontrou os mesmos cenários de destruição, ainda com pedras, escombros e carros retorcidos, além de moradores vivendo em casas soterradas até a metade. Muitos dizem não ter recebido qualquer ajuda do poder pública. (Págs. 1, 17 e 18)
Belo Monte: técnicos deram alerta ao Ibama
Onze das 40 exigências do Ibama para conceder a licença de Belo Monte não foram cumpridas, alertaram técnicos do órgão. Anteontem, a direção do Ibama deu sinal verde à usina. (Págs. 1, 29 e 30)
’NYT’ tem pela 1ª vez mulher no comando
Jil Abramson, de 57 anos, será a nova chefe do “New York Times”, no lugar de Bill Keller, de 62 anos. Ela terá a missão de fazer o jornal avançar num mundo em que crescem a internet e as redes sociais. (Págs. 1 e 34)

Folha de S. Paulo

Não sou refém, diz Dilma; Palocci promete respostas
’Desafios não me imobilizam’, afirma presidente, em discurso em meio à crise

A presidente Dilma Rousseff afirmou ontem, em meio à crise em torno do ministro da Casa Civil Antonio Palocci, que ela não vai ser
“refém” de dificuldades.

No lançamento do programa Brasil sem Miséria, que prevê R$ 20 bilhões anuais para beneficiar 16,2 milhões de pessoas até 2014, ela disse: “Os desafios não me imobilizam, os desafios não me tornam refém”.

Questionado se a situação de Palocci é “delicada”, o ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência, respondeu: “Mas continua firme”.

Sob a ameaça de ser abandonado pelo PT e pressionado por Dilma e pelo ex-presidente Lula a dar satisfações sobre a evolução de seu patrimônio – revelada pela Folha -, Palocci se comprometeu a falar publicamente sobre as atividades da sua empresa de consultoria, a Projeto. (Págs. 1 e Poder)

Anatel abre mercado de TV a cabo a teles
O conselho diretor da Anatel aprovou a abertura do mercado de TV a cabo para operadoras de telefonia, eu poderão vender o serviço sem ter de passar por licitação. A nova regra vai ficar em consulta pública por 40 dias e poderá vigorar a partir de outubro.

Na mesma reunião, o órgão decidiu limitar a publicidade nos canais pagos a 15 minutos por hora, o mesmo tempo da TV aberta.

A Anatel também passará a monitorar o cumprimento dos níveis de conteúdo nacional nos canais de programação livre. (Págs. 1, A13 e Poder)
Na TV, PMDB exalta Lula e só cita a presidente
Em propaganda partidária transmitida ontem à noite em rede de rádio e TV, o PMDB exaltou o ex-presidente Lula e apenas citou a presidente Dilma Rousseff, sem mostrar sua imagem.

Lula agradeceu aos peemedebistas pelo apoio dado ao seu governo. (Págs. 1, A7 e Poder)
Bactéria que mata europeus é uma mutação ’supertóxica’
A Organização Mundial da Saúde informou que o surto infeccioso que já matou 19 pessoas e fez quase 2.000 doentes na Europa está sendo provocado por variedade inédita e “supertóxica” da bactéria E.coli.

Foi detectada mutação de duas formas distintas da bactéria, com genes letais e resistentes a antibióticos. O Reino Unido confirmou sete infectados. (Págs. 1, A14 e Mundo)
Greve prejudica 2,4 milhões de pessoas em SP
Greve na CPTM deixou 2,4 milhões de pessoas sem condução ontem. A paralisação foi suspensa e, no metrô, também foi descartada.

Usuários na região do ABC continuam sem ônibus intermunicipais. Assembléia hoje vai decidir se a greve continua. (Págs. 1, C4 e Cotidiano)

Foto legenda: Sem a alternativa dos trens metropolitanos, multidão forma fila na estação Corinthians-Itaquera, na zona leste de SP (Págs. 1)

Foto legenda: ligação de CPTM e metrô em Pinheiros, vazia dada a greve. (Pág. 1)
Governo russo barra carnes de PR e MT
A Rússia vetou as carnes do PR, do RS e de MT, afetando grandes frigoríficos, como JBS e Brasil Foods. Em 2010, 15% dos embarques do setor foram para o país.

O governo avaliou o caso com “estranheza”. A Rússia apontou questões sanitárias para a decisão. (Págs. 1, B1 e Mercado)
Cotidiano: STF revê sentença definitiva em ação sobre paternidade (Págs. 1 e C7)

Editoriais
Leia “Aeroportos liberados”, sobre plano federal de privatização em Guarulhos Viracopos e Brasília, e “Males do Celular”, acerca de pesquisa da OMS. (Págs. 1 e A2)

O Estado de S. Paulo

Dilma pressiona e Palocci planeja dar explicações
Ministro estuda ir à TV se pronunciar sobre o crescimento de seu patrimônio; petistas lavam as mãos

Pressionado pela presidente Dilma Rousseff a dar explicações sobre o crescimento de seu patrimônio, e sem o apoio do PT, o ministro Antonio Palocci (Casa Civil) tentará hoje contornar a crise com uma manifestação pública – a ideia era que ele falasse ao Jornal Nacional, da TV Globo. A situação é considerada grave tanto pelo Planalto como por petistas, e sua sobrevivência no cargo depende dos esclarecimentos. A Executiva Nacional do PT lavou as mãos em relação a Palocci. “Nós não entramos no mérito dessa questão”, afirmou o presidente do PT, Rui Falcão. “O assunto Palocci é do governo, não do PT”, afirmou o secretário de Comunicação do partido, deputado André Vargas (PR). O ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência) admitiu que a crise é delicada. O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), deverá anular a votação da convocação do ministro. Os partidos de oposição se preparam para recorrer da decisão no Supremo Tribunal Federal. (Págs. 1 e Nacional A6 e A7)


Colunista
Dora Kramer
Origens da crise

Avaliação de aliados de peso: se Dilma não revisar seus métodos e se o PT não resolver suas disputas internas, o projeto de poder idealizado por Lula pode não ter vida longa. (Págs. 1 e Nacional A6)
Mais um agricultor é assassinado no Pará
O agricultor Marcos Gomes da Silva, 33 anos, foi morto a tiros, diante da mulher e de outras testemunhas, por dois homens encapuzados em Eldorado dos Carajás (PA). Silva teve a orelha decepada após o crime, da mesma forma que o líder extrativista José Cláudio Ribeiro da Silva, morto há duas semanas com a mulher, Maria do Espírito Santo. A polícia informou que Gomes da Silva não era líder local e suspeita que o crime tenha sido cometido para dificultar a investigação do anterior. (Págs. 1 e Nacional A4)

Brasil sem Miséria
O governo lançou o plano para 16,2 milhões de pessoas que vivem na miséria. Ministros tiveram dificuldade para explicar vários pontos. (Págs. 1 e Nacional A8)

Prova da Fuvest será mais difícil e concorrida
O Conselho de Graduação da USP aprovou modificações que tornarão mais difícil o exame da Fuvest. Entre as mudanças, ficou decidido que a nota da primeira fase valerá na nota final, a nota mínima de corte subirá de 22 para 27 pontos e serão aprovados para a segunda fase de dois a três candidatos por vaga e não mais três, como hoje. (Págs. 1 e Vida A18)

Anatel abre mercado de TV a cabo para as teles. (Págs. 1 e Economia B14)

Câmara de SP pode abrir processo contra Netinho. (Págs. 1 e Cidades C4)

Fotolegenda: Greve de trens tumultua
Passageiros na estação Itaquera do Metrô, cujo movimento cresceu em razão da greve dos ferroviários da CPTM; a categoria decidiu suspender a paralisação, depois de afetar 100% da malha e 2,5 milhões de usuários. (Págs. 1 e Cidades C1)

Notas & Informações
Situação-Limite

Em todos os lados, as reservas de boa vontade com Antonio Palocci parecem esgotadas. (Págs. 1 e A3)

Valor Econômico

Emprego reforça tendência de novos apertos nos juros
O desaquecimento da economia estampado nas estatísticas sobre a produção industrial de abril e a queda da inflação em maio não devem alterar a determinação do Banco Central de promover mais um aumento da taxa básica de juros na reunião do Copom de quarta-feira. Há unanimidade no mercado a respeito disso. Todos os 33 economistas consultados ontem pelo Valor já trabalham com Selic de 12,25% em junho, prevendo, portanto, aumento de 0,25 ponto percentual.

Em Brasília, os sinais vindos da autoridade monetária também indicam que o Copom não se deixará influenciar pelos dados sobre a queda da produção e da inflação. O Banco Central considera que precisa ainda dobrar as expectativas dos agentes econômicos em relação à inflação de 2012, prevista em 5,1%, acima dos 4,5% do centro da meta.(Págs. 1, A2 e C1)
Três fundos compram 47% da Unidas
Três fundos de investimento em participações em empresas, das gestoras Gávea, Vinci e Kinea, fecharam ontem a compra de 47% da locadora de veículos Unidas, que estava em dificuldades financeiras desde a crise de 2008. Cada um dos fundos aportará R$ 100 milhões, totalizando investimento de R$ 300 milhões em aumento de capital. O grupo português SAG manterá parcela majoritária na empresa. Os fundos querem fazer da Unidas uma consolidadora nesse mercado que ainda é muito pulverizado no país. A empresa ocupa a segunda posição, atrás da Localiza. (Págs. 1 e B4)
Embargo a carne é retaliação russa
O embargo da Rússia à carne produzida por 85 frigoríficos brasileiros em três Estados é uma resposta de Moscou ao corpo mole do governo brasileiro em defesa da entrada do parceiro na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Fontes do governo informam que autoridades russas, sobretudo o primeiro-ministro Vladimir Putin, já tinham "deixado clara" ao vice-presidente, Michel Temer, no encontro dos dois em maio, a disposição de retaliação de Moscou às dificuldades impostas pelo Brasil nas negociações para a OMC. A reação desmedida dos russos deve provocar uma ofensiva diplomática brasileira. A Rússia é o maior comprador de carne bovina e suína do país. (Págs. 1 e B12)
Greve torna incerto futuro da Volks no PR
Uma greve que já dura um mês torna incerto o futuro da fábrica da Volkswagen no Paraná. Das 16 unidades da indústria automobilística no país, ela foi é a única a ficar de fora dos vultosos programas de investimentos do setor. Os motivos para isso não foram revelados.

Poucas vezes a indústria automotiva mostrou-se incapaz de reverter um movimento grevista em épocas de mercado aquecido. A direção da montadora queixa-se de intransigência do Sindicato dos Metalúrgicos de Curitiba e região, em disputa sobre o valor da participação nos resultados. A fábrica enfrenta problemas desde 1999, quando foi inaugurada para abrigar a produção do Audi A3, depois interrompida, e do Golf, que usavam a mesma plataforma. Hoje, ela também produz a linha Fox. (Págs. 1 e B9)

Petra aposta no gás de Minas Gerais
Empresa novata surgida no rastro da busca por petróleo brasileiro em terra, a Petra Energia prepara para julho o início da exploração na bacia do rio São Francisco, em Minas Gerais, com a aposta firme de obter gás. Controlada pelo empresário pernambucano Roberto Viana, com participação de 9% do BTG Pactual, a Petra tem a concessão para explorar 24 blocos no Estado. Ela é dona da maior área de exploração em bacias terrestres do país e, em Minas, tem área maior que todas as concorrentes. O Estado também é o único local onde a empresa não abriu espaço para sócios. A Petra prevê investimentos de R$ 970 milhões até 2013. (Págs. 1 e B9)

Novas tecnologias e internet revolucionam o mundo da TV
Embalada pelo aumento do número de conexões em banda larga no país, a venda de televisores com acesso à internet deslanchou. Em 2009, quando os primeiros modelos chegaram, elas foram de apenas 5,8 mil aparelhos. Em 2010, somaram 403 mil unidades, ou 7,3% do mercado, segundo a consultoria GfK. Para 2011, a expectativa é de 1,6 milhão, estima Rafael Cintra, gerente sênior da área de TVs da Samsung. O preço caiu acentuadamente.

Assistir a um filme, ao episódio de uma série ou mesmo eventos ao vivo já não exige mais o ritual de sentar-se à frente da TV em horário predeterminado. Basta entrar em um site e baixar um aplicativo no smartphone ou tablet para ter acesso a programas a qualquer hora. (Págs. 1 e B3)
Altamira já vive explosão inflacionária
A explosão inflacionária na região de Altamira, como efeito colateral da construção da usina de Belo Monte, pode ser medida pela valorização dos imóveis. O aluguel de um apartamento próximo ao centro da cidade está já próximo ao de imóveis em Brasília, Rio ou São Paulo. Uma quitinete chega a custar até R$ 2,7 mil por mês.

O aumento de preços dificulta os planos do consórcio Norte Energia antes do início da obra. O projeto prevê a construção de 3 mil casas que seriam espalhadas para evitar a formação de vilas isoladas. A escalada imobiliária, porém, tem feito com que a empresa procure alternativas mais afastadas. (Págs. 1 e B1)
Aviação emergente
O Brasil e a Índia foram os mercados que registraram o maior crescimento de passageiros nos vôos domésticos em abril. A alta foi de 23,8% no Brasil e 25,6% na Índia, ante média mundial de 4,7%. (Págs. 1 e B4)

Resistência à compra on-line
Pesquisa divulgada pelo Ipea mostra que somente 19% dos internautas brasileiros usam a rede de computadores para comprar produtos e serviços. O hábito é maior entre as classes mais altas. (Págs. 1 e B4)
CSA tenta deixar poeira para trás
A CSA vai investir R$ 100 milhões em um novo sistema de despoeiramento para solucionar todas as pendências ambientais da siderúrgica fluminense até o primeiro trimestre de 2012, diz Hans Fischer, presidente da Thyssen-Krupp Steel Américas. (Págs. 1 e B8)
Cargill une-se à Usina S. João
Cargill e o Grupo USJ anunciaram a criação de uma joint venture no segmento de açúcar, etanol e bioeletricidade. O negócio, de valor não divulgado, inclui duas usinas da USJ em Goiás, uma delas em construção no município de Cachoeira Dourada. (Págs. 1 e B12)

Alento na bolsa
Após três meses de vendas superiores às compras, o investidor externo voltou com força à bolsa brasileira, deixando um saldo líquido de R$ 2,9 bilhões em maio, resultado mais alto desde setembro. (Págs. 1 e D1)
Brasileiro busca imóvel em Miami
Após se transformar em símbolo dos excessos da bolha imobiliária, o centro de Miami começa a renascer das cinzas com a ajuda de compradores latino-americanos, principalmente brasileiros. (Págs. 1 e D3)
Encontro de contas em precatórios
Começa a se tornar mais comum na Justiça o desconto de dívidas tributárias no pagamento de precatórios contra a União. Essa possibilidade, pouco utilizada até recentemente, está prevista desde 2009, na Emenda Constitucional nº 62. (Págs. 1 e E1)

Idéias
Maria Cristina Fernandes

A privatização dos aeroportos cumpre o papel de dissipar a ideia de que as convicções da presidente carecem de tutela. (Págs. 1 e A6)

Ideias
Armando Castelar Pinheiro

Para o bem e para o mal, desde a crise nossa política monetária é
parcialmente decidida em Washington. (Págs. 1 e A11)

Estado de Minas

O Ministério da Fazenda adverte: Beber faz bem à inflação
A cervejinha com tira-gosto nos botecos de BH está engordando o dragão. Segundo a Fundação Getulio Vargas, a alta de preço nos bares da capital em maio foi de 1,44%.

Quase o triplo da inflação do país, de 0,51%. Em 12 meses, o botequim ficou 14% mais caro. Conhecida pelo grande número de estabelecimentos. Belo Horizonte registrou Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de 1,04% na última semana do mês passado, o mais alto do Brasil. (Págs. 1 e 16)
MEC fecha vagas em cursos de direito
Medida corta quase 11 mil cadeiras em 136 faculdades no país, 20 delas em Minas

No estado a redução de vagas será de 1.314. A medida cautelar é válida a partir do próximo processo seletivo para cursos com notas baixas em indicador de qualidade. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) aprovou a determinação.

A avaliação do Ministério da Educação é de que os cursos que estão sofrendo a punição não têm estrutura para atender ao número de alunos autorizado até agora. Mas os estudantes já matriculados não sofrerão qualquer prejuízo. (Págs. 1, 25 e 26)

Plano prioriza 16,2 milhões de miseráveis
Presidente Dilma Rousseff reúne ministros e governadores para defender ações contra pobreza na agenda do Executivo. Programa tem três eixos: transferência de renda, inclusão produtiva e acesso a serviços públicos. (Págs. 1 e 3)

Sob pressão Palocci dará explicação pública sobre patrimônio (Págs. 1 e 4)

Jornal do Commercio (PE)

Caixa para de financiar imóveis em Pernambuco (Págs. 1)

Dilma abre guerra contra miséria (Pág. 1)

Greve provoca suspensão de cirurgias eletivas (Pág. 1)

MEC fecha 580 vagas de direito no Estado por mau desempenho (Pág. 1)

Outro líder rural é assassinado na Região Norte do País (Pág. 1)

Pressionado pela presidente, Palocci vai se pronunciar (Pág 1)

Zero Hora (RS)

Falta de investimento vai reprisar inverno de emergências lotadas
Levantamento de ZH mostra que pouco mudou na estrutura de atendimento desde a estação do frio passada e pacientes já sofrem nos corredores. (Págs. 1, 4 e 5)

Embargo russo: Frigoríficos do RS terão perda mensal de R$ 72 milhões
Barreira comercial a partir do dia 15 vai prejudicar 35 estabelecimentos em 25 cidades. (Págs. 1 e 18)
Em cartaz: A controvérsia da maconha chega às telas
ZH assistiu ao filme conduzido por FH que propõe a liberação da droga. (Págs. 1 e 32)

Na defesa: Pressionado, Palocci vai à TV se explicar (Págs. 1 e 12)

IBGE: A população nos 496 municípios do Estado (Págs. 1 e 37)

Assembléia: O depoimento de um símbolo do descontrole (Págs. 1 e 8)

Brasil Econômico

Estados Unidos podem disparar segunda fase da crise financeira
Nível de endividamento, pressão política e fim de programa de liquidez ameaçam economia e bancos voltam à berlinda.

O término do programa de liquidez promovido pelo Federal Reserve (banco central americano) neste mês e a proximidade do prazo para que o Tesouro consiga convencer os congressistas a aumentar o limite de endividamento do país, de US$ 14,3 trilhões, colocam pressão sobre a economia dos EUA. A nota de risco soberano está sob revisão, o que significa que o BCs como o brasileiro não poderão manter títulos americanos nas reservas em caso de rebaixamento. (Págs. 1 e 30)


EUA não preenchem sustentação de bom devedor, diz Paulo Rabello de Castro (Págs. 1 e 2)

Argentina e Brasil fecham acordo para agilizar licenças
A ministra argentina Débora Giorgi e o brasileiro Fernando Pimentel negaram uma guerra comercial e informaram que o BNDES poderá financiar caminhões argentinos exportados ao Brasil. (Págs. 1 e 36)
Rússia ameaça com embargo 85 frigoríficos brasileiros
Todas as fábricas de MT, PR e RS serão impedidas de exportar a partir do dia 15, incluindo 17 da Brasil Foods, nove do Marfrig e cinco do JBS. A medida radical foi vista como ultimato para o governo responder às demandas sanitárias de Moscou. (Págs. 1 e 22)
Economia aquecida faz salário subir acima da produtividade (Págs. 1 e 10)

Lupatech se reestrutura para reduzir dívida de R$ 165 milhões (Págs. 1 e 18)

Centro-direita deve vencer eleições em Portugal neste domingo (Págs. 1 e 4)

LG lança tablet Optimus Tab em três meses e prepara fábrica de Taubaté para competir com Apple, Samsung e Motorola (Págs. 1 e 26)

Avianca contrata Tarcísio Gargioni, ex-executivo da Gol, para assumir vice-presidência comercial da companhia (Págs. 1 e 24)

Fontes: Radiobras – JBWiki!

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
JBWiki!
Rio de Janeiro - RJ



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br