Atualizado 00h56 Terça, 20 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Deu no papel

“O dinheiro que alimentava o valerioduto saía mesmo dos cofres públicos”

789 acessos - 0 comentários

Publicado em 03/04/2011 pelo(a) Wiki Repórter JBWiki!, Rio de Janeiro - RJ



A revista Época revela todas as provas da polícia sobre o maior escândalo do governo Lula. OUTROS DESTAQUES - PT planeja golpe regimental para impor voto de lista. Gasto público no trimestre contraria discurso de Dilma. Quando envelhecer é um castigo. Por que o MST encolheu. Lula cria empresa, a LILS Palestras. China que investir na produção de soja do país

DESTAQUES DE JORNAIS E REVISTAS BRASILEIROS, DOMINGO, 3 DE ABRIL DE 2011.


Época, 6/4/2001 (data de capa).

EXCLUSIVO Mensalão
ÉPOCA revela todas as provas da polícia sobre o maior escândalo do governo Lula

O dinheiro que alimentava o valerioduto saía mesmo dos cofres públicos

Marcos Valério pagou a segurança pessoal de Lula em 2002

O cheque de R$ 247 mi que financiou a campanha do ministro Fernando Pimentel

Os contratos secretos da empresa do banqueiro Daniel Dantas para dar R$ 50 milhões ao PT

As novas acusações contra Romero Jucá, Vicentinho, Benedita da Silva, Pimenta da Veiga...

O Globo


100 dias- Dilma descumpre promessas mas distende o clima e ganha apoios
Presidente dedica esforços a corrigir herança de Lula: inflação alta e gastos sem controle

Eleita na onda da popularidade de Lula, a presidente Dilma Rousseff chegará aos cem dias de governo com o desafio de resolver dois problemas da herança de seu antecessor: inflação em alta e gastos excessivos. Para isso, já descumpriu promessas de campanha, como a de não privatizar e não fazer ajuste fiscal - em fevereiro, anunciou corte de R$ 50 bi no Orçamento. Dilma mudou o estilo no Planalto, com um perfil mais técnico de administrar, mas ainda repete erros como o de lotear cargos entre aliados. Mostrou força na negociação do salário mínimo e ampliou apoios no Congresso, além de distender o clima com a oposição, como se viu nos dois encontros que já teve com o ex-presidente Fernando Henrique. Na política externa, até agora, a guinada foi ainda mais visível.
(Páginas 1, 3 a 15)
Lula cria empresa, a LILS Palestras
O exp-presidente Lula abriu a LILS Palestras, Eventos e Publicações Ltda. Seu sócio é Paulo Okamotto - que, em 2006, admitiu ter pagado dívida de Lula com o PT. O capital da empresa é de R$ 100 mil, menos que o preço da palestra de Lula.
(Páginas 1, 15)
Os sem audiência
Seis dos 37 ministros de Dilma ainda não tiveram audiência individual com a presidente. Quatro são do PMDB. Pedro Novais (Turismo), Garibaldi Alves Filho (Previdência) e Moreira Franco (Assuntos Estratégicos). (Páginas 1, 11)
O teorema de Atnágoras
Com 39 anos, Atnágoras Lopes saiu dos canteiros da construção civil do Pará para ser uma terceira via no sindicalismo, aproveitando-se do comprometimento da CUT com o governo. Filiado ao PSTU,, lidera a Conlutas e defende a independência das centrais. (Páginas 1, 43)
Abuso no paraíso
A pousada Ilha do Breu, numa área de preservação ambiental na Baía de Paraty, com quiosques avançando pelo mar, não poderia nem existir, mas cobra R$ 810 de diária, tem restaurante e loja. Diagnóstico do Instituto Chico Mendes da Bioversidade - órgão do Ibama - mostra que abusos semelhantes acontecem em 25 das 63 ilhas que fazem parte da APA do Cabuçu, em Paraty. (Páginas 1, 19)
Ancelmo Gois
Remessas de multinacionais chegaram a US$ 33,8 bi, um trem-bala e meio. (Páginas 1, 32 e 33)

Folha de S. Paulo


China que investir na produção de soja do país
Maior importador mundial do produto prevê gastar, só em Goiás, R$ 12 bilhões.

A China, maior importador mundial de soja, está promovendo uma ofensiva em várias frentes e vários Estados no Brasil visando aumentar a presença na cadeia produtiva da cultura do país, informam Fabiano Maisonnave e Estelita Hass Carazzai.

A estratégia será concretizada por meio de acordos de exportação com os agricultores, investimentos em indústrias e compra de terras.

Levantamento da Folha mostra que empresários chineses estão em contato com cooperativas e governos de pelo menos seis Estados.

Chineses da Província de Hebei em campo de pesquisa agrícola em Goiás com o secretário Alécio Maróstica (Agricultura)
(Páginas 1, Mercado B1)
Duplicação da BR-101 tem suspeita de fraude
A Polícia Federal e o TCU investigam a duplicação da rodovia BR-101. Pelo menos três lotes da obra têm indícios de fraude, pagamento de propina ou má execução, informam Flávio Ferreira e Bernardo Mello Franco.

O projeto do PAC se arrasta desde 2005 e deve custar R$ 2,5 bilhões. Os seus 398 km cortam os Estados do RN, da PB e de PE. Procuradas, as construtoras negaram irregularidades ou não se pronunciaram. (Páginas 1, Poder A4)
Elio Gaspari
PT planeja golpe regimental para impor voto de lista. O PT quer aprovar a lista sem ter os votos.

O COMISSARIADO PETISTA planeja um golpe regimental para impor ao país um sistema eleitoral pelo qual os cidadãos perderão o direito de votar nominalmente em seus candidatos para a Câmara.
Com o apoio do DEM, o PT conseguiu que a comissão do Senado encarregada de estudar a reforma política recomendasse a instituição do voto de lista. Nele, as direções partidárias enumeram seus candidatos, deixando à patuleia apenas o direito de escolher uma sigla.
O resultado dessa votação quer dizer pouca coisa. O golpe está noutro lugar, escondido.
Imagine-se a seguinte situação: chega-se ao mês de setembro e os plenários da Câmara e do Senado apreciarão as propostas de emendas constitucionais necessárias para que se aprove a reforma.
Uma quer o distritão, outra, o distrital puro e uma terceira sugere um sistema misto. Para ser aprovada, qualquer emenda precisa de três quintos dos votos de cada Casa. Ou seja, o apoio de 308 dos 513 deputados e de 49 dos 81 senadores. Cada emenda vai a voto e nenhuma consegue passar.
Nessa hora aparece um sábio pedindo que se passe à votação dos projetos de lei existentes na Casa. Há um, instituindo o voto de lista. Já foi rebarbado duas vezes, mas não custa apreciá-lo de novo. Como se trata de lei ordinária, não demanda três quintos. Basta a maioria simples. No caso da Câmara, uma reforma política travada pela falta de 308 votos poderá ser aprovada por apenas 129 deputados, numa sessão de frequência mínima. Admitindo-se que o plenário esteja lotado, a mudança passa se tiver 257 votos.
Os defensores da lista querem criar a figura do deputado sem eleitor. Tudo bem, mas devem se submeter aos três quintos exigidos pela Constituição. Senão, trata-se de uma tunga regimental para alavancar outra, cassando o direito dos brasileiros de escolher seus deputados pelo voto nominal e direto. (Páginas 1, Poder A4)
Editoriais
Leia "Agora a China", sobre a visita de Dilma Rousseff ao país asiático, e "O preço do álcool", acerca da escalada do custo do etanol em bombas. (Página 1)

O Estado de S. Paulo

Gasto público no trimestre contraria discurso de Dilma
Foram R$ 13,2 bi a mais em gastos em relação a 2010. Já os investimentos tiveram queda de R$ 300 mi

Marta Salomon/ Brasília

Encerrado o primeiro trimestre do mandato de Dilma Rousseff, o retrato das contas públicas contraria seu discurso na campanha. Gastos com investimentos caíram. As despesas com salários, custeio da máquina pública e da rotina do governo subiram. Com pessoal e custeio, o governo gastou R$ 10 bilhões a mais no primeiro trimestre em comparação ao mesmo período de 2010. Incluindo gastos com juros, a soma chega a R$ 13,2 bilhões. Já em investimentos, a redução foi de pouco mais de R$ 300 milhões. Os dados foram lançados no Sistema Integrado de Administração Financeira e pesquisados pela ONG Contas Abertas. O governo, entretanto, discorda: "Nós estamos cortando o custeio administrativo, não estamos cortando os investimentos", disse Dilma em março, na Bahia, em inauguração de obra do PAC. (Páginas 1, Economia B1)
Política externa mudou, diz Garcia
O assessor para assuntos internacionais do Planalto, Marco Aurélio Garcia, admitiu a Roberto Simon que o governo Dilma mudou a política externa. Segundo ele, diferentemente do presidente Lula, Dilma tem uma percepção do mundo voltada aos direitos humanos: "Ela enfatiza questões ligadas a seu passado de presa política". Garcia, porém, nega que Lula tenha tido simpatia por autocratas. (Páginas 1, Internacional A18)
Aliás, um inimigo persistente
O caso Alencar traz perguntas: por que o câncer ainda é tão letal? Quando virá a terapia perfeita? (Página 1, Domingo)
Inflação em alta assusta o mundo
População vai às ruas de Portugal protestar contra a crise; a inflação voltou ao radar das autoridades econômicas em todo o mundo, mesmo nos países ricos, onde há poucos meses o grande fantasma econômico era o da deflação. O petróleo é um dos vilões. (Páginas 1, Economia B12)
Bastidores: Como Agnelli foi derrubado
Os desentendimentos de Roger Agnelli com o Planalto foram significativos, mas o que selou sua queda da presidência da Vale foram os interesses empresariais do Bradesco no governo, em associação com o Banco do Brasil. Depois que essa aliança foi fechada, líderes petistas passaram a chamar Agnelli de "tucano", e o executivo entrou em rota de colisão. (Páginas 1, Economia B6)
Notas e Informações
Desatinos contra a Vale

O novo presidente terá um mau começo se aceitar previamente a interferência do governo. (Páginas 1, A3)

Correio Braziliense

Quando envelhecer é um castigo
O brasileiro vive cada vez mais. Porém, ao contrário do que se imagina, a notícia nem sempre é boa para ... quem envelhece. Atualmente, para cada 100 crianças de até 14 anos no país, há 24 idosos. Em 2050, serão 172. Na série que o Correio publica de hoje a quarta-feira, a repórter Renata Mariz traça o retrato de um país que não sabe lidar com essa questão. e mostra como o descaso do estado e da sociedade, muitas vezes da própria família, transformam em um inferno a vida de quem deveria estar desfrutando da longevidade. O caso do viúvo Heleno Mendes da silva (camiseta branca), 88 anos, é emblemático. Ele nunca tinha pensado que um dia sairia de casa Mas denúncias de que sofria maus-tratos fizeram com que fosse parar num asilo onde afirma se sentir melhor do que na companhia dos familiares. "Pelo menos aqui zelam por mim", resigna-se. (Páginas 1, 8 a 12)
Tucanos vão para o ataque
Ao lado de oito governadores do PSDB, o senador Aécio Neves avisa que o partido vai agir com firmeza contra os "desmandos" do Planalto. (Páginas 1 e 3)

Jornal do Commercio (PE)

Timbú vence... Leão e Santa Festejam

Relatório confirma que houve mensalão.

Zero Hora (RS)

Por que o MST encolheu
Crescimento do país, alternativas de renda e decisões judiciais reduzem contingente de sem-terra acampados (Páginas 1, 32 e 33)
Como estão 18 obras a 1.161 dias da Copa
ZH estreia nesta edição quadro que avalia estágio dos principais projetos previstos para o RS. (Páginas 1, 4 e 5)
A cultura da lentidão atrasa o Brasil
(Páginas 1, 8 e 9)

REVISTAS SEMANAIS – DATAS DE CAPA

Veja, 6/4/2001.

A rede do terror no Brasil
VEJA teve acesso a documentos da CIA, FBI, Tesouro americano, Interpol e Polícia Federal que mostram que extremistas islâmicos usam o país como base de operações e aqui aliciam militantes. Encontramos e fotografamos cinco deles

Khaled Hussein Ali, um dos chefes de propaganda da Al Qaeda, de Osama bin Laden: ele mora em São Paulo.

ISTOÉ, 6/4/2001.

José Alencar 1931-2011
As lições de um brasileiro
O político - O empresário - O ser humano

ISTOÉ Dinheiro, 6/4/2001.

EXCLUSIVO: Richard Branson aterrissa no Brasil
O excêntrico bilionário britânico conta à DINHEIRO como prepara a chegada da companhia aérea Virgin ao País e fala, pela primeira vez, sobre seu plano de competir também em telefonia celular

Richard Branson, presidente do grupo Virgin: "Tenho inveja do David Neeleman (dono da Azul), que chegou antes ao Brasil"
José Alencar
Por que ele fez a diferença no mundo empresarial

CartaCapital, 6/4/2001.

O fantasma fardado
* Militares insistem em comemorar o golpe de 1964. Vale até insubordinação

* Exclusivo: Documentos inéditos mostram aquilo que o inglês não viu

* Comissão da Verdade: O apoio civil à repressão não será ignorado, dia a ministra Maria do Rosário
José Alencar
O vice-presidente corajoso que virou unanimidade
Estreia
O ex-chanceler Celso Amorim, nosso novo colunista
EXAME, 6/4/2001 (Quinzenal)
Procuram-se 8 milhoes de profissionais
Este é o número de pessoas qualificadas que o Brasil precisará nos próximos cinco anos - se quiser continuar a crescer. Entre as empresas, a disputa por gente nunca foi tão grande
E os 4 milhões de acionistas?
A agonia de Roger Agnelli na presidência da Vale mostra que quase ninguém se lembra que eles existem


Fontes: Radiobras-JBWiki!

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
JBWiki!
Rio de Janeiro - RJ



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br