Atualizado 00h56 Terça, 20 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Deu no papel

Justiça censura e impede ’Caras’ de publicar carta de atriz suicida

835 acessos - 1 comentários

Publicado em 30/03/2011 pelo(a) Wiki Repórter BrasilWiki!, São Paulo - SP



DESTAQUES DE JORNAIS BRASILEIROS, QUARTA-FEIRA, 30 DE MARÇO DE 2011.

O Estado de S. Paulo

Coalizão articula dar armas aos rebeldes contra Kadafi
Objetivo declarado é derrubar o ditador; para Washington, a medida não extrapolaria resolução da ONU

Chanceleres de mais de 40 países, reunidos ontem, em Londres, discutiram formas de armar os rebeldes líbios para que eles possam derrubar o regime de Muamar Kadafi - agora, um dos objetivos declarados da coalizão. A discussão, ainda travada nos bastidores, foi admitida por representantes dos EUA e da França, dois países líderes da operação militar iniciada no dia 19. Segundo americanos e franceses, os insurgentes provavelmente não conseguirão derrubar o ditador líbio por conta própria. Para Washington, o fornecimento de armas não extrapola a resolução da ONU que autorizou a operação militar. O enviado especial à Líbia, Lourival Sant'Anna, relata que as tropas leais a Kadafi conseguiram retomar duas cidades em poder dos rebeldes. (Pàgs. 1 e Internacional A13 a A16)

Sob pressão, gabinete sírio se demite

O gabinete ministerial da Síria apresentou ontem a sua renúncia ao presidente Bashar Assad. Buscando conter a crise após protestos de opositores, o líder sírio deve dar mais um passo hoje ao anunciar o fim do estado de emergência em discurso para a nação. Assad deve oferecer “significantes concessões políticas", segundo autoridades do país. (Págs. 1 e Internacional A17)
José Alencar: Morre um lutador
A longa guerra de José Alencar contra o câncer terminou ontem. O ex-vice-presidente morreu aos 79 anos, após sensibilizar o País por sua resistência, sempre com bom humor. Empresário, Alencar foi fiador da aliança que elegeu Lula em 2002. (Págs. 1 e Nacional A10 a A12)

Crítico dos juros, vice foi um aliado fiel no governo (Págs. 1 e Nacional A12)


Lula, ex-presidente da República
"Eu acho que o Brasil perde um homem de dimensão excepcional. É muito fácil a gente falar das pessoas depois que morrem, porque todo mundo fica bom depois que morre, mas o José Alencar era bom em vida".(Pág. 1)
Parlamentares criticam juízes após desafio ao Congresso
Parlamentares consideraram fora de propósito a tentativa de juízes de aumentar os próprios salários à revelia do Congresso - os magistrados entraram no Supremo Tribunal Federal acusando o Legislativo de omissão por não ter aprovado ainda o reajuste da categoria. “Não cabe fazer nenhum tipo de comentário. A Constituição é clara em relação às prerrogativas de cada Poder", afirmou o presidente da Comissão de Constituição e Justiça do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE). (Págs. 1 e Nacional A4)
Deputado ataca negros e gays na TV
O deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) declarou em entrevista à TV que seria “promiscuidade" se um filho seu se apaixonasse por uma negra. Ele também atacou as cotas raciais e os homossexuais. A cantora Preta Gil, que participou do programa, prometeu processá-lo. A OAB-RJ anunciou pedido de processo na Câmara por quebra de decoro. (Págs. 1 e Nacional A8)
Corte emperra Minha Casa, Minha Vida
Bandeira de campanha, o programa Minha Casa, Minha Vida está parcialmente estagnado desde o início do ano. Nenhum projeto voltado para famílias que recebem até três salários mínimos foi assinado com a Caixa - reflexo do contingenciamento de gastos imposto pelo governo. “Faltou dinheiro", diz Paulo Simão, da Câmara Brasileira da Indústria da Construção. (Págs. 1 e Economia B1 e B3)
Juiz põe alunos do 2º grau na faculdade (Págs. 1 e Vida A22)

Justiça impede 'Caras' de publicar carta. 
Revista ''Caras'' chega às bancas sob censura prévia
A edição da revista Caras que chega hoje às bancas é publicada com tarjas pretas nas páginas em que relata o caso da modelo e atriz Cibele Dorsa, que morreu no sábado, aos 36 anos, após se atirar da janela do prédio onde morava, em São Paulo.
As tarjas pretas foram a forma que a editora encontrou para cumprir às pressas uma ordem judicial recebida por volta das 21h30 de anteontem, quando parte da revista já estava na gráfica, proibindo a menção do nome do cavaleiro Álvaro Affonso de Miranda Neto, o Doda, de 38 anos, em carta que a atriz teria enviado à editora antes de morrer.
O documento seria publicado na íntegra. Na carta, entre outras declarações, a atriz criticava Doda, seu ex-companheiro e pai de sua filha Viviane, de 8 anos. A menina e o outro filho de Cibele, Fernando, de 13, moram com Doda na Bélgica.
"Fomos pegos de surpresa, no fechamento da revista, quando recebemos a carta da juíza nos proibindo de citar o nome do cavaleiro. Por conta do horário, só tivemos tempo de cobrir o nome e o rosto dele com tarjas pretas", diz Luís Fernando Cyrillo Maluf, diretor corporativo da revista.
Para Maluf, a ordem judicial é uma forma de censura prévia. "O engraçado é que todos os outros sites publicaram a carta na íntegra. Por que só a Caras foi prejudicada?" Maluf disse que foi a primeira vez que a Caras recebeu uma decisão judicial nesse sentido. Segundo ele, parte da edição que já estava impressa foi perdida. Agora a editora vai calcular o prejuízo de entregar para o leitor uma matéria incompleta. "Vamos entrar com todos os recursos cabíveis", afirmou.
Ricardo Pedreira, diretor executivo da Associação Nacional de Jornais (ANJ), concorda que houve censura. "A associação não entra no mérito do caso em si. Não importa quais são as razões que levaram à proibição. Mas o que a Justiça fez foi censura. Não se pode determinar previamente o que um veículo pode ou não publicar", afirmou.
A mesma opinião é compartilhada por Roberto Muylaert, presidente da Associação Nacional dos Editores de Revistas (Aner). "Ordem judicial não pode estabelecer nenhuma restrição. A liberdade de imprensa é garantida pela Constituição, independentemente do que seja. Os jornalistas e a editora são responsáveis por aquilo que publicam e devem arcar com eventuais consequências", diz Muylaert.
Antônio Carlos Mendes, advogado da família de Doda, diz que a ação judicial foi fundamentada no direito de família para proteger a imagem dos filhos de Cibele, e não a de Doda. "Não é questão de censura. Mas é um absurdo a revista se aproveitar de uma situação dessas. Como uma pessoa que vai tirar a própria vida pode estar em estado normal para deixar uma carta?"
Mendes também disse que Doda pagou um serviço de home care que mantinha duas enfermeiras com Cibele 24 horas por dia. E afirmou que Cibele assinou há menos de 15 dias a renovação de autorização para que os filhos continuassem por mais dois anos na Europa. (Fernanda Bassette - O Estado de S.Paulo) (Págs. 1 e Vida A24)


Notas & Informações
O teste diplomático de Dilma

A presidente vai à China, país muito mais lúcido que o Brasil na defesa de seus interesses nacionais. (Págs. 1 e A3)

O Globo

Combustíveis sobem mais e pressionam a inflação
Gasolina já passa de R$ 3 nas bombas; álcool subiu 13% no ano

Só este ano, o preço do álcool nas bombas já subiu 13,42%. Numa diferença que nunca foi tão apertada, chega a custar 93% do valor da gasolina, num mesmo posto do Rio. Em vários bairros da cidade, o consumidor também está pagando mais de R$ 3 pelo litro da gasolina. Segundo especialistas, o impacto dessa disparada nos combustíveis já afeta os índices de inflação e pode puxar outras altas de preços. Para tentar controlar a situação, o governo anunciou na semana passada a importação de gasolina e de álcool, mas os distribuidores e produtores não dão sinal de que haverá trégua nos preços. Nem com a entrada da safra da cana em abril. (Págs. 1 e 25)
O descanso do guerreiro
Ex-vice-presidente José Alencar morre depois de 13 anos de luta contra o câncer

O ex-vice-presidente da República José Alencar morreu ontem em São Paulo, aos 79 anos, em decorrência de um câncer de abdômen. A presidente Dilma Rousseff soube da notícia em Portugal, ao lado do ex-presidente Lula, e decretou luto de sete dias. Alencar será velado no Planalto, com honras de chefe de Estado. Lula e Dilma choraram ao lembrar Alencar - um Silva que nasceu pobre, tornou-se empresário bem-sucedido e, na política, aliado fiel do governo do PT, apesar de crítico da política de juros altos. Para o país, virou símbolo da luta contra o câncer. (Págs. 1, 3 a 12, Merval Pereira e Miriam Leitão)
Coalizão acena com o exílio para Kadafi
Reunião em Londres exige saída de ditador para encerrar bombardeio; EUA podem armar rebeldes

Reunidos em Londres, representantes de mais de 40 países e organizações internacionais foram categóricos na exigência de que Muamar Kadafi renuncie, se quiser por fim ao bombardeio da Líbia. Mas a conferência deixou aberta a porta para que o ditador siga rumo ao exílio, possibilidade mencionada pelos chanceleres de Reino Unido e Itália. A secretária Hillary Clinton disse que os EUA podem armar os rebeldes. (Págs. 1, 33 e 34 e editorial "Flexibilidade e marca da doutrina Obama")
Japão estuda remover mais 130 mil pessoas
Duramente criticado no Parlamento pela reação à crise nuclear - tachada de fraca - o premier japonês, Naoto Kan, disse que pode ampliar a zona de retirada obrigatória, perto da usina de Fukushima, de um raio de 20 para 30 quilômetros. Mais 130 mil pessoas seriam removidas. (Págs. 1, 35 e Roberto DaMatta)
Escola de surdos é ameaçada de fechar
Berço da Língua Brasileira de Sinais, com 154 anos de história, o Instituto Nacional de Educação para Surdos, em Laranjeiras, está ameaçado de fechar seu colégio de aplicação, que tem 500 alunos e por onde já passaram gerações de deficientes auditivos. O MEC nega qualquer decisão oficial, apesar de a diretora do Ines já ter sido informada sobre o fechamento ainda este ano. (Págs. 1 e 18)
Maçarico causou incêndio na UFRJ
O uso de um maçarico para solda, por operários que trabalhavam em obras de reforma da capela, foi a causa do incêndio que destruiu anteontem parte do prédio tombado da UFRJ, na Praia Vermelha. A informação foi dada pela reitoria, que vai processar a empresa que fazia a obra, se houver indício de negligência. A reforma custaria mais de R$ 1,12 milhão. (Págs. 1 e 22)
No Rio, média sobe para 34 casos de dengue por hora (Págs. 1 e 20)

Elio Gaspari
No BC de Meirelles, uma autonomia made in USA (Págs. 1 e 6)
CBF acusa Blatter de fazer jogo político ao criticar obras (Págs. 1 e Caderno Esportes)

Folha de S. Paulo

Crédito cresce, apesar de medidas do governo
Expansão chega a 21% em 12 meses; BC quer baixar nível para 13% ao ano

Apesar das medidas tomadas pelo governo federal desde o fim do ano passado - como o aumento da taxa de juros e restrições no financiamento de veículos -, o crédito no país cresceu 21% nos 12 meses encerrados em fevereiro, segundo dados do Banco Central.

Ao favorecer o consumo, essa expansão preocupa, pois contribui para alimentar a inflação. O governo espera que a decisão de taxar em 6% empréstimos com prazo inferior a um ano tomados fora do país ajude a limitar o avanço do crédito a apenas 13% neste ano. (Págs. 1 e Poder A11)
José Alencar morre aos 79 anos em SP
O ex-vice-presidente da República José Alencar Gomes da Silva, 79, morreu ontem em São Paulo, vítima de câncer. Ele lutava contra a doença desde 1997. Passou por 17 cirurgias em 15 anos.

O corpo será velado hoje em Brasília e amanhã em Belo Horizonte. A presidente Dilma Rousseff e seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva, anteciparam a volta de Portugal. Lula chorou ao saber da notícia. Foi decretado luto oficial de sete dias. (Págs. 1 e Poder A8 e A9)

Fernando Rodrigues: Vice divergia em público, mas sem causar crise

Nos oito anos com Lula, José Alencar divergia em público, mas sem provocar crises. Colaborou ao empregar um caráter mais maduro ao cargo que ocupou. Se as pessoas têm opiniões, por que não expressá-las? (Págs. 1 e Opinião A2)

Fernando de Barros e Silva: Foi uma espécie de grilo falante contra os juros

José Alencar era um tipo bonachão, sorridente e contador de "causos". Dava a impressão de estar sempre confraternizando com as pessoas. E foi uma espécie de grilo falante, protestando contra os juros. (Págs. 1 e Opinião A2)

Foto legenda: o ex-vice-presidente José Alencar, durante cerimônia do Dia do Aviador na Base Aérea de Brasília em outubro de 2009
Avós maternos terão de pagar pensão de neto, decide o STJ
O STJ (Superior Tribunal de Justiça) decidiu, pela primeira vez, que avós maternos também podem ser incluídos como responsáveis pelo pagamento de pensão alimentícia para os netos.

A decisão abre precedente para que outros tribunais apliquem o mesmo entendimento quando pais não pagarem pensão. (Págs. 1 e Cotidiano C4)
Executivo Tito Martins será o presidente da Vale
O economista Tito Martins, dirigente da Inco, subsidiária da Vale no Canadá, vai substituir Roger Agnelli na presidência da empresa.

Pesou na escolha a habilidade de Martins para lidar com o governo e com situações de crise, apurou a Folha. O executivo está no Rio desde sábado, em viagem não planejada. (Págs. 1 e Mercado B1)
Brasil vai monitorar radiação em alimentos vindos do Japão (Págs. 1 e Mundo A18)

Na TV, Bolsonaro associa negros a promiscuidade
Declarações do deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ) a Preta Gil causaram reações no Congresso e entre ativistas negros e gays. Ele associou namoro com uma negra à promiscuidade. (Págs. 1 e Cotidiano C1)
Coalizão quer dar a rebelde dinheiro ligado a Gaddafi (Págs. 1 e Mundo A14)

Editoriais
Leia "Barreira elevada", sobre a decisão do governo de aumentar o IOF, e "Agressão ao 'Clarín'“, acerca da intimidação contra a mídia na Argentina. (Págs. 1 e Opinião A2)

Correio Braziliense

Alencar, um brasileiro
Durante 13 anos, José Alencar travou uma luta obstinada contra o câncer.“Não tenho medo da morte”, disse certa vez. E não tinha mesmo. Passou por 17 cirurgias sem que ninguém nunca o tivesse visto perder o bom humor. O Brasil acompanhou comovido essa batalha que chegou ao fim às 14h41 de ontem quando o Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, informou que ele havia morrido. Em Portugal, ao saber da notícia, a presidente Dilma e Lula caíram em prantos. Imediatamente, decidiram interromper a viagem e voltar ao Brasil. Empresário bem-sucedido, Alencar tinha 79 anos. Ele escreveu o nome na história política brasileira ao aceitar ser vice de Lula para quebrar resistências da elite econômica do país ao ex-metalúrgico. O corpo chega às 9h15 de hoje a Brasília para ser velado com honras de chefe de Estado no Palácio do Planalto. Amanhã, segue para funeral em Belo Horizonte. (Págs. 1, 2, 3, Visão do Correio, 14 e Caderno Especial)
Guerra na Líbia
ONU só suspende ataques se Kadafi deixar o poder. (Págs. 1 e 16)
Consumo sem freio
Brasileiros vão às compras e pegam R$ 69 bi em crédito. (Págs. 1 e 8 a 10)
Cerco a Jaqueline
Advogados iniciam defesa da deputada na Câmara (Págs. 1 e 21)
Devagar
Ministro do Esporte demora para rebater crítica da Fifa. (Págs. 1 e Super Esportes, 2 e 3)

Valor Econômico

Crédito terá aperto com IOF maior para dinheiro de fora
Com dinheiro farto e barato no exterior, as empresas brasileiras resolveram usar crédito de fora para financiar operações corriqueiras, como capital de giro, ou para dar crédito a seus fornecedores. Os bancos captaram recursos a baixo custo para emprestar em suas linhas mais caras. Com isso, o excesso de liquidez externa deu um incentivo adicional ao crédito interno - que dificulta o combate à inflação -, o endividamento de curto prazo em dólar disparou e o ingresso abundante de divisas pressionou o dólar para baixo. A resposta do governo veio ontem na forma do aumento do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) de 6% em captações externas de até 360 dias, como antecipou o Valor.

O encarecimento do crédito externo pretende conter a excessiva apreciação do real e representa mais um torniquete na política de controle da inflação, na avaliação do governo. Ele vai provocar redução no crédito em reais para empresas e até para pessoas físicas, segundo especialistas, mas seu impacto sobre o câmbio não deve ser significativo.(Págs. 1 e C1 a C3)
Após uma luta heróica, câncer mata Alencar
O ex-vice-presidente da República e empresário José Alencar morreu ontem às 14h41, depois de lutar 14 anos contra o câncer. Ele será velado hoje com honras de chefe de Estado no Palácio do Planalto, em Brasília. Seu enterro será amanhã, em Belo Horizonte.

Alencar foi o industrial brasileiro que mais próximo esteve da Presidência da República e também o primeiro, entre os presidentes e vices, que não tinha diploma universitário, assim como Lula.

Empresário e político, uma de suas maiores batalhas foi contra os juros altos. Não viu o Brasil com os "juros civilizados" que reivindicava. (Págs. 1, A10 e A11)
Bancos mais competitivos na captação externa
O Brasil aumentou em 53,5% a captação de recursos externos no ano passado, chegando ao recorde de US$ 62,8 bilhões. No cenário de ampla liquidez externa que foi direcionada para o país, os bancos que lideraram as operações de captação internacional em 2009 - HSBC, Santander e J.P. Morgan - repetiram a performance em 2010 e mantiveram-se à frente no "Ranking Valor de Captações Externas".

Mas a competição aumentou entre os bancos e a diferença entre eles ficou mais apertada. A movimentação no ranking foi maior da quarta posição para baixo. A começar pelo Deutsche Bank, que teve crescimento de mais de 200%, encostou no terceiro colocado e desbancou o Citi, que caiu da quarta para a 12ª posição. O quinto colocado, o BNP Paribas, surpreendeu por ter sido a instituição financeira que mais cresceu, em valores, nos empréstimos e títulos liderados. (Págs. 1 e Caderno Captações Externas)
Parque das Emas luta pela sobrevivência
Com 132 mil hectares no Estado de Goiás, o Parque Nacional das Emas é uma das maiores unidades de conservação do Cerrado, mas corre o risco de ver o ecossistema local entrar em colapso com o avanço agressivo de plantas exóticas. Para contê-lo, lançará mão de uma solução radical e ambientalmente heterodoxa: o uso de agrotóxicos.

O administrador do parque, Marcos Cunha, e sua equipe já tentaram todos os métodos tradicionais para combater a invasão da braquiária, que já comprometeu 10% da área, e quatro outros tipos de gramíneas de rápida expansão. O insucesso o levou a procurar a Monsanto, que, em parceria inédita com o parque e os produtores rurais do entorno, distribuirá gratuitamente seu herbicida glifosato. (Págs. 1 e B16)
Eletrobras deve comprar 10% da EDP
A Eletrobras está em negociações avançadas para adquirir participação minoritária relevante na estatal Energias de Portugal (EDP). A empresa contratou o Citibank para fazer uma "due dilligence" nos números da companhia portuguesa e a estimativa é que o negócio fique perto de € 600 milhões, cerca de R$ 1,3 bilhão. O governo português detém 25% das ações da elétrica e deve vender 40% desse total à estatal brasileira - ou 10% do capital, o que colocaria a Eletrobras como a segunda maior acionista individual. Ela passaria a ter papel de decisão relevante nos negócios da companhia. No Brasil, a EDP é dona da Escelsa (ES) e da Bandeirante (SP). (Págs. 1 e D5)
Custos adicionais também complicam obras de Jirau
A solução de questões trabalhistas não vai acabar com os problemas da Camargo Corrêa na construção da hidrelétrica de Jirau, em Rondônia. Uma disputa interna no consórcio Energia Sustentável do Brasil (ESBR), liderado pela GDF Suez, ainda vai exigir muitas discussões sobre custos adicionais na obra.

A Camargo Corrêa reclama de R$ 1,2 bilhão por serviços adicionais de escavações, concretagens e desvios feitos no rio Madeira para abrigar mais duas turbinas na hidrelétrica de 3.450 megawatts. A discussão inclui ainda reajustes de custos de mão de obra, aumentos salariais, encargos tributários e despesas de escritório da construtora. Consultada, a Camargo não quis comentar o assunto.(Págs. 1 e B1)
Bancos perdem disputa sobre CSLL no TRF-SP
Os bancos estão sendo derrotados no Tribunal Regional Federal de São Paulo em ações contra o aumento da alíquota da Contribuição Sobre o Lucro Líquido (CSLL) de 9% para 15%, adotada em 2008. Na quinta-feira, o Santander teve seu recurso rejeitado pelo tribunal. A instituição financeira fez um provisionamento em seu balanço de cerca de R$ 800 milhões. O Banco Daycoval foi o primeiro a ter seu pedido negado no mesmo TRF, em abril, e agora aguarda a ida de seu processo para os tribunais superiores. Mais de dez instituições financeiras travam a mesma disputa na Justiça Federal em São Paulo, segundo a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. (Págs. 1 e E1)
União tenta melhorar governança nas estatais federais (Págs. 1 e A3)

Em Lisboa, Lula recebe prêmio Norte-Sul do Conselho da Europa (Págs. 1 e A9)

Alemães miram porto de Santos
De olho em projetos para melhorias da infraestrutura do porto de Santos, o governo alemão, por meio do banco KfW, vai financiar estudo listando as obras necessárias, entre elas o túnel entre Santos e Guarujá. (Págs. 1 e A4)
Crise portuguesa
Em visita a Portugal, a presidente Dilma Rousseff condicionou a compra de títulos públicos do país pelo Brasil a garantias reais. Ontem, a S&P rebaixou pela segunda vez o rating português. (Págs. 1 e A5)
Aneel pune atraso da Bertin
A Aneel rejeitou pedido da Bertin para prorrogar a entrada em operação de seis termelétricas. Com a decisão, a empresa terá de pagar RS 33 milhões à Câmara de Comercialização de Energia Elétrica. (Págs. 1 e B12)
Colheita perdulária
Levantamento da Agroconsult mostra que quase 3 milhões de toneladas de soja se perdem apenas no processo de colheita no Brasil, o equivalente a 4% da produção nacional do grão. (Págs. 1 e B15)
Formador de mercado
Estudo mostra que o fim dos contratos para formação de mercado, além de diminuir a liquidez das ações, reduz em 1,75% o retorno esperado no dia seguinte ao anúncio da interrupção. (Págs. 1 e D1)
Ideias
Cristiano Romero

BC acredita que está sendo conservador quanto ao impacto das medidas macroprudenciais sobre o crédito e a inflação. (Págs. 1 e A2)
Ideias
Martin Wolf

Líderes não fizeram o suficiente até agora para colocar a região do euro sobre uma base econômica sólida. (Págs. 1 e A15)

Estado de Minas

Adeus, guerreiro
'Eu não tenho medo da morte. Da desonra, sempre tive'

Na longa e penosa batalha contra o câncer, José Alencar repetidas vezes recuperou no vocabulário da política brasileira o esquecido valor da honra. Com admiração, o Brasil acompanhou a coragem com que o ex-vice-presidente enfrentou a doença durante mais de 13 anos.

Foram 17 cirurgias. Ontem, o organismo não agüentou mais. E o país parou em luto pela sua morte, por falência múltipla de órgãos.

A emoção

Lula chora, e Dilma exalta o privilégio de ter convivido com Alencar.

A despedida

Velório será nos Palácios do Planalto, em Brasília, e da Liberdade, em BH.

A homenagem

Suplemento conta toda a trajetória do empresário que virou político. (Págs. 1, 3 a 5, Caderno Especial e o Editorial, ’Alencar, um brasileiro’, 10)
Financiamento: Consumidores encaram juro alto
Brasileiros fizeram mais compras a prazo em fevereiro, apesar do aperto ao crédito feito pelo BC. (Págs. 1 e 12)
Líbia
Coalizão estuda fornecer armamento aos rebeldes (Págs. 1 e 26)
Jornal do Commercio (PE)

Governo reage e vai contratar legistas
Após anúncio de nova operação-padrão no IML, Estado anunciou realização de seleção para contratação emergencial de 100 médicos e tenta decretar a ilegalidade do movimento. Cremepe não vai tolerar retenção de corpos no órgão. (Pág. 1)
Morre o guerreiro José Alencar
Acabou ontem, após 13 anos, a luta do ex-vice-presidente contra o câncer. Empresários, políticos, aliados e adversários lamentaram a perda. (Pág. 1)
Justiça decreta que greve nas obras da refinaria é ilegal (Pág. 1)

Japoneses admitem as falhas de seu plano de segurança (Pág. 1)

Dengue tipo 4 (Pág.1)

Preconceito (Pág. 1)

Zero Hora (RS)

Após escândalo, Estado anuncia devassa no Daer
Força-tarefa terá de analisar contratos, convênios e licitações no departamento sob descrédito. (Págs. 1, 14 e Rosane de Oliveira, 12)
A República chora por Alencar
Em Portugal, Lula e Dilma se emocionam ao falar da morte do ex-vice-presidente, que ontem encerrou 13 anos e meio de luta contra o câncer e deixou exemplo de otimismo. (Págs. 1, 6, 7, 10, 12 e Editorial, 16)
Anfitriões de 2014
As lições para bem receber na Copa. (Págs. 1 e 26)
Em expansão: Anunciado investimento para o Polo
Para produção de borracha sintética, Braskem injetará mais R$ 300 milhões em Triunfo. (Págs. 1 e 18)

Fontes: Radiobras – JBWiki!

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
BrasilWiki!
São Paulo - SP



Comentários
01
Reporte abuso
nois é
nois-sp 30/03/2011

"Xiiiiiiiiiii a "justicia foi dormir e acordou agora"?? vou grifar para não haver engano "JUSTICIA SIM SENHOR" ontem sapeando pelo programa da Rede (TV) a Sonia Abrão só não divulgou o momento do suicidio da jovem--as cartas foram lidas relidas bem a estilo da apresentadora--e agora manè?? vão desmanchar o cerebro de quem ouviu??-j"justicia e lei de mãonzinhas dadas!


Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br