Atualizado 00h56 Terça, 20 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Deu no papel

Pânico no Japão. Brasil observa política nuclear.

776 acessos - 0 comentários

Publicado em 16/03/2011 pelo(a) Wiki Repórter BrasilWiki!, São Paulo - SP



DESTAQUES DE JORNAIS BRASILEIROS, QUARTA-FEIRA, 16 DE MARÇO DE 2011.

Folha de S. Paulo

'50 de Fukushima' tentam impedir que usina derreta
Radiação faz governo desocupar a planta de Fukushima 1; 50 técnicos assumem tarefa de resfriar reatores


A tarefa de evitar o derretimento dos reatores da usina de Fukushima 1 está nas mãos de um grupo de 50 técnicos. A ameaça de colapso da planta nuclear levou o governo japonês a ordenar que os outros 750 empregados abandonassem o local.

Sob sério risco de contaminação, "os 50 de Fukushima", como estão sendo identificados, assumiram a tarefa de resfriar os reatores.
Ontem, o nível de radiação recuou, mas novos incêndios atingiram reatores.

A chegada dos primeiros indícios de radioatividade em Tóquio, que fica a 250 km, levou seus moradores a estocar produtos, provocando desabastecimento.

A radioatividade na capital registrou nível de 10 a 20 vezes maior que o normal, mas não oferece perigo.

Segundo a contagem oficial, o tsunami deixou pelo menos 3.676 mortos. Cerca de 7.500 pessoas são consideradas desaparecidas. Outras 450 mil tiveram de deixar suas casas. (Págs. 1 e Mundo)

Escalada da crise eleva êxodo

Aumentou o êxodo de pessoas da região da usina de Fukushima 1. Famílias estão deixando até áreas que o próprio governo japonês considera seguras.
Takeiuki Sato, carpinteiro, mora a 7 km da usina e já se mudou duas vezes.
Em Koriyama, a 70 km de Fukushima, há inspeção de radioatividade. Os repórteres da Folha passaram no teste. (Págs. 1 e Mundo A16 )

Europa quer fazer testes de estresse em 147 usinas. (Págs. 1 e Mundo A18)

Sem receber notícias, familiares no Brasil se desesperam. (Págs. 1 e Mundo A19)

Foto legenda: Sobreviventes do tsunami esquentam água em abrigo em Kesennuma (região de Miyagi).

INTERNET – FOLHA.COM., DIA 16, 8H22M - Os 50 técnicos que tentam evitar o derretimento dos reatores da central nuclear de Fukushima 1 voltaram ao trabalho após terem sido retirados do local temporariamente por ordem do governo. O aumento do nível de radioatividade e o anúncio de um possível rompimento do vaso de confinamento do reator 3 provocaram a retirada dos profissionais da área. Segundo o porta-voz do governo japonês, Yukio Edano, os níveis de radiação caíram na usina, possibilitando o retorno seguro dos funcionários. A retirada dos 50 técnicos ocorreu após o governo anunciar que o vaso de confinamento do reator 3 se encontra "parcialmente danificado", enquanto a TV japonesa mostrava uma nuvem de fumaça branca sobre o complexo. (...)

Confronto no Bahrein mata 3; Irã critica EUA
Após três mortos em confrontos no Bahrein, o Irã alertou os EUA e a Arábia Saudita para as "perigosas consequências" na região e chamou de "inaceitável" a situação no emirado.

Ocupado por tropas sauditas, o Bahrein decretou estado de exceção por três meses, limitando liberdades civis em meio à repressão a protestos da maioria xiita contra sunitas. (Págs. 1 e Mundo A19)
Conselho de Ética defende abrir processo contra Jaqueline Roriz (Págs. 1 e Poder A9)
Empresas aéreas emperram obra na pista de Cumbica
Por pressão das companhias aéreas, o governo federal desistiu de fechar para obras neste ano a maior pista do aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (SP), o mais movimentado do país.

Mas a pista será reduzida em 30% por quatro meses, e grandes aviões voarão com menos pessoas. (Págs. 1 e Cotidiano C4)
Senado engaveta MP que punia servidor por violação de sigilo (Págs. 1 e Poder A11)

ELIO GASPARI - Querem fritar Guido Mantega

Sinais de fumaça partidos do Planalto informam que o ministro da Fazenda, Guido Mantega, entrou na lista dos ministros bisonhos, na terrível companhia de Fernando Haddad, da Educação, e Ana de Hollanda, da Cultura. Não há indicação de que a malvadeza tenha partido da doutora Dilma Rousseff. No entanto, num breve episódio ocorrido durante a reunião que teve com sindicalistas (supostos representantes dos trabalhadores), ela indicou uma ponta de insatisfação com o desempenho de seu ministro. Falava-se do repique da inflação, e a presidente reclamou da maneira como Guido Mantega discute publicamente o assunto: "Fica dando explicação para porteiro de prédio".
"Porteiro de prédio" é sinônimo de patuleia, essa choldra que segurou a popularidade de seu antecessor, responsável pela sua eleição. Falando para os "porteiros de prédios", Lula conjurou parte dos efeitos da crise mundial de 2008/2009. (...) Desde que assumiu a Presidência, Dilma Rousseff mostrou-se zelosa com a disciplina de sua equipe. Ainda não completou cem dias de mandato e está diante de uma oportunidade para mostrar que fala sério. No caso de Mantega, entende-se que ela não pode conter as maledicências palacianas, pois começaram com d. Pedro 1º. Pode, contudo, impedir que elas sejam potencializadas por seus comentários infelizes e inoportunos a respeito dos colaboradores.

Editorial
Leia "Forças desarmadas", sobre a capacidade militar do Brasil, e
"Alerta na USP", que discute o aumento na desistência de aprovados no vestibular. (Págs. 1 e Opinião A2)

O Globo

Radiação chega a Tóquio e mergulha cidade no medo
Moradores se fecham em casa, empresas se mudam e estrangeiros fogem


A confirmação da presença de radiação no coração da capital japonesa, somada ao racionamento de energia e a crise de abastecimento, deixou Tóquio em estado de choque e levou a população, com medo, a se confinar em casa ou a planejar rotas de fuga. Estrangeiros já começaram a deixar o país, que vive uma tragédia com desdobramentos inimagináveis, relata Claudia Sarmento. Aeroportos ficaram lotados, ruas e gôndolas de supermercados, vazias. De manhã, os índices de radiação, trazida pelos ventos do complexo nuclear de Fukushima, estavam 20 vezes acima do normal. No bairro de Setagaya, uma pequena quantidade de iodo e césio foi detectada. O governo insistia que os níveis eram baixos e não representavam ameaça. Multinacionais deslocaram funcionários para Osaka, no Sul. Dezenas de voos para Tóquio foram alterados ou cancelados porque companhias aéreas refizeram suas rotas para evitar a cidade. (Págs. 1 e Caderno Especial)

A um passo de Chernobyl

Diante da dramática situação no complexo de Fukushima, onde já houve explosões e incêndios em quatro usinas, e dos riscos de avarias no núcleo dos reatores, a agência nuclear francesa aumentou para seis o índice de gravidade do acidente. Com isso, a crise japonesa fica a um nível da tragédia de Chernobyl, na escala de eventos nucleares. A radiação perto do complexo, que: "agora conta com apenas 50 funcionários, caiu, mas o superaquecimento mantém elevado a risco de fusão. Ontem houve nova explosão no reator 4. (Págs. 1 e Caderno especial e editorial "Segurança nuclear em revisão")

Hiroshima na memória

O alerta nuclear despertou os piores pesadelos em Takashi Morita, sobrevivente da bomba de Hiroshima. Ele acompanha em São Paulo o que acontece em seu pais natal e se preocupa com a neto, que está no Japão. (Págs. 1 e Caderno especial e Zuenir Ventura )

Mercados perdem US$ 1 tri

Desde sexta-feira, quando o Japão foi abalado pela tragédia, as principais bolsas de EUA, Europa, Ásia e América Latina perderam US$ 1 trilhão em valor de mercado. Ontem, a Bolsa de Tóquio despencou 10,5%; a Bovespa caiu 0,24%. (Págs. 1 e Economia, 21)

Foto legenda:
Um bebé é submetido a medição na área do complexo de Fukushima: radiação aafeta mais as crianças

Foto legenda: Prateleiras vazias em supermercado em Tóquio: crise de abastecimento também faz estrangeiros deixarem capital

INTERNET – GLOBO.COM – DIA 16, 8H30 - Dilma não fará mudanças na política nuclear brasileira BRASÍLIA - O governo brasileiro anunciou nesta terça-feira a criação de um grupo interministerial para acompanhar diariamente a evolução da situação das usinas nucleares no Japão. O ministro de Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, informou que o governo brasileiro seguirá todas as determinações que forem feitas por organismos internacionais a partir dos estudos sobre o que ocorreu nas usinas em território japonês. O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, disse que a presidente Dilma Rousseff está preocupada com a crise no Japão e seus impactos na política nuclear brasileira. Mas, ao contrário de países como Alemanha e Suíça, o Brasil não pretende mudá-la agora. (...) Além de uma terceira unidade em Angra, o Brasil tem planos de instalar mais quatro usinas nucleares nos próximos anos. “Estamos observando. Não se sabe ainda a extensão da questão japonesa e só depois de ter uma análise mais profunda se pode pensar nas influências que o evento japonês tem sobre nossa política nuclear”.
(Evandro Éboli e Fábio Fabrini) Tremor no Japão deixou quase 12 mil vítimas, entre mortos e desaparecidos - O Japão aumentou nesta quarta-feira para 3.771 o número de mortos e para 8.181 o de desaparecidos devido ao terremoto de magnitude 9 e o posterior tsunami que atingiram o nordeste do país na última sexta-feira (11), de acordo com o último balanço policial. (...) (EFE)

Palocci vai coordenar política climática
Para tentar acabar com as divergências internas, o chefe da Casa Civil, ministro Antonio Palocci, assumiu o comando das ações para combater as mudanças climáticas. O Ministério do Meio Ambiente, favorável a metas ousadas de redução dos gases causadores do efeito estufa, não se entende com outros setores do governo federal. (Págs. 1 e 3)

Elio Gaspari
Querem fritar o ministro Guido Mantega, caminho mais rápido para bagunçar a economia. (Págs. 1 e 7)

Alerta para furacão inédito perto do Rio
O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) emitiu ontem alerta para um inédito furacão na costa do Sudeste do Brasil. Batizado de Arani (tempo furioso em tupi), ele deve causar ressaca no Rio. Segundo o Inmet, não há risco de Arani chegar à terra. (Págs. 1 e 28)

Obama fará pré-compra do pré-sal
Na visita ao Brasil, Obama deve fechar importante acordo de antecipação de compra de petróleo do pré-sal, informa Merval Pereira. A Casa Branca confirmou interesse em diversificar seus fornecedores de petróleo. A Ceilândia está sendo lavada para receber Obama. (Págs. 1 e 4 a 10)

O Estado de S. Paulo

Radiação nuclear e desabastecimento levam pânico ao Japão
Estrangeiros deixam Tóquio; faltam alimentos e combustível em cidades afetadas


Ainda sob o choque da múltipla tragédia do Japão desde sexta-feira, quando o país foi atingido por um terremoto e um tsunami, milhares de japoneses enfrentam agora o desabastecimento em supermercados e nos postos de gasolina. O uso de aquecimento nas casas foi reduzido em razão da falta de energia e combustível. Em Tóquio, o nível de radiação estava 20 vezes superior ao normal, por causa do vazamento nas usinas de Fukushima. O pânico causado pelo risco de uma catástrofe nuclear levou estrangeiros a abandonar em massa a cidade. (Págs. 1 e Internacional A11 e A12)

Empresário ajuda a retirar brasileiros

A doação permitiu que diplomatas alugassem veículos para retirar os brasileiros que vivem na região da usina. (Págs. 1 e Internacional Al7)

Nível de radiação leva pânico a Tóquio - Índice 20 vezes superior ao normal causa filas nos aeroportos e faz a população da maior metrópole do mundo estocar água e alimentos - O nível de radiação subiu ontem a um patamar 20 vezes superior ao normal em Tóquio, a mais populosa região metropolitana do mundo, com 32 milhões de habitantes. Esse grau de radioatividade ainda não causa danos à saúde, mas o pânico causado pelo risco de uma catástrofe nuclear derrubou a bolsa de valores, levou estrangeiros a abandonar em massa a cidade e agravou a angústia dos japoneses, que ainda estão sob o impacto do terremoto seguido de tsunami que devastou o nordeste do país na sexta-feira. O governo ressaltou que a radiação encontrada na capital está longe de afetar a saúde humana, mas a sucessão de desastres nas duas usinas nucleares localizadas a 240 quilômetros ao norte da cidade provoca incerteza em relação ao desfecho da crise. O aumento da ansiedade dos habitantes de Tóquio ficou evidente no movimento de estocagem de alimentos e água. Pessoas que estão na capital disseram por telefone ao Estado que há prateleiras vazias nos supermercados. A tensão aumentou ainda mais na tarde de ontem, quando um tremor de 6 graus na escala Richter atingiu o leste do país. Cláudia Trevisan - O Estado de S.Paulo


Brecha para estrangeiro obter terras é fechada
O governo decidiu bloquear compras e fusões, por estrangeiros, de empresas brasileiras que detenham imóveis rurais no País. Esse tipo de negócio estaria ocorrendo para burlar restrições à compra e arrendamento de terras por investidores de outros paises. Operações de mudança do controle acionário de empresas proprietárias de áreas rurais envolvendo estrangeiros não poderão ser formalizadas. A partir do aviso, negócios fechados poderão ser suspensos na Justiça. (Págs. 1 e Nacional A7 )
Processo liga presidente da Assembleia de SP a empresa
O deputado José Antonio Barros Munhoz (PSDB), reeleito ontem presidente da Assembleia de São Paulo, é réu em ação civil pública por improbidade administrativa sob acusação de ter favorecido a Brinquedos Estrela quando era prefeito de Itapira. (Págs. 1 e Nacional A4)

Subvenção econômica
R$ 11,8 milhões foi o repasse autorizado por Munhoz para construção de galpão da Estrela. (Pág. 1)
Comitiva de Obama anima empresários
Na visita ao Brasil no fim de semana, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, trará seus secretários de Comércio e de Energia, além do representante para o Comércio e do presidente do Export-Import Bank. Como os presidentes americanos raramente levam secretários nas viagens, a comitiva aumenta a expectativa do meio empresarial em relação à visita. (Págs. 1 e Nacional A10 )
Economia: Efeito Japão derruba bolsas no mundo
As bolsas de valores no mundo caíram ontem diante da possibilidade de uma catástrofe nuclear no Japão. Além disso, os danos provocados pelo terremoto interromperam a produção de automóveis, chips de computador e outras bens no pais, e poderão levar ao fechamento prolongado de fábricas, criando ponto de estrangulamento na economia global. (Págs. 1 e Economia B1 e B3)
Análise: Paul Krugman
Catástrofe pode gerar crescimento no país

Se isso parece loucura, bem, lembre-se: a Segunda Guerra pôs fim à Grande Depressão. (Págs. 1 e Economia B3 )
Forças leais a Kadafi lançam a maior ofensiva (Págs. 1 e Internacional Al8)

Dora Kramer
Inversão de culpa

O PT prepara o terreno para pôr sob suspeita o julgamento do mensalão no Supremo, remarcado para 2012, ano eleitoral. (Págs. 1 e Nacional A6)
Notas & Informações
Esperando Obama

O dia em que visita do gênero não for importante por si mesma, o mundo será irreconhecível. (Págs. 1 e A3)

Correio Braziliense

O esquema milionário do marido de Jaqueline
Manoel Neto empregou uma filha, três enteadas e dois genros no gabinete de Jaqueline Roriz quando ela era distrital. Corregedor da Câmara abre hoje processo contra a deputada federal (Págs. 1 e 23 a 25)

Pesadelo nuclear
Seis dias após o terremoto de magnitude devastadora, o Japão se aproxima de uma catástrofe nuclear. Os seguidos incêndios na usina de Fukushima Daichii provocaram um aumento de radiação, que chegou aos arredores de Tóquio e espalhou uma onda de pânico no país. O governo retirou pelo menos 180 mil moradores de um raio de 30km do complexo atômico danificado. As medidas de segurança tornaram mais dramática a situação de japoneses, abalados pela morte de familiares vítimas do tsunami e do terremoto da semana passada. Na avaliação da União Europeia, o incidente em Fukushima pode ser descrito como “apocalipse”, com risco iminente de reproduzir o acidente de Chernobyl, em 1986. (Págs. 1 e 14 a 16)

Gasolina e álcool sobem outra vez (Págs. 1 e 35)

Imposto de renda: Leão sai à caça de 102 mil contribuintes
A Receita Federal vai investigar pessoas suspeitas de irregularidades nos últimos anos. Num chat promovido ontem pelo site do Correio, especialista tirou dúvidas sobre como fazer corretamente a declaração. (Págs. 1, 8 e 9)

Sigilo na segurança de Obama no Brasil
O Exército Brasileiro e o Serviço Secreto da Casa Branca coordenarão o esquema de proteção ao presidente dos EUA na visita ao país, a partir de sábado. Nem os trajetos da comitiva foram revelados. Ontem, agentes do FBI vistoriaram o Palácio do Planalto (foto). (Págs. 1, 17 e 18)
Mais dinheiro para habitação
BRB abrirá linha de crédito de R$ 400 milhões para imóveis. O banco também participará do Minha Casa, Minha Vida. (Págs. 1 e 34)

Valor Econômico

Risco nuclear assusta mercados
A possibilidade real de um desastre nuclear de grandes proporções no Japão levou os investidores a uma jornada de pânico nos mercados globais, enquanto companhias estrangeiras retiravam seus funcionários do país e companhias aéreas suspendiam seus voos. Explosões em outros reatores da usina nuclear em Fukushima derrubaram em mais de 14% o índice da bolsa japonesa logo em sua abertura - no fim do dia, a perda recuou para impressionantes 10,55%. A ocorrência de um fato absolutamente esperado, como o anúncio de manutenção dos juros pelo Federal Reserve americano e a continuidade de seu programa de relaxamento monetário, serviu de ponto de sustentação para redução de expectativas muito pessimistas sobre o Japão. A ausência de notícias ruins sobre as emissões de radiação fez o resto, diminuindo a clima de nervosismo entre os investidores.
Em vários setores produtivos, a interrupção da parte japonesa da cadeia global de suprimentos mostrou seus impactos, que serão tanto maiores quanta mais tempo o país não normalizar sua oferta de energia. O Japão é o quarto maior exportador mundial, respondendo por cerca de 14% das exportações de produtos automotivos e 60% das de silício, usado na fabricação de microchips semicondutores, informa o "The Wall Street Journal". Segundo o jornal, os preços de algumas peças de computador subiram até 10% ontem, diante da onda de estocagem das peças disponíveis gerada pelas preocupações dos fabricantes. (Págs. 1, A11, A12, C1, C2 e C3)

DEM aposta em fusão com PSDB e PPS
O Democratas elegeu ontem como seu presidente o senador José Agripino Maia (RN), no que pode ter sido uma das últimas convenções nacionais do partido, cujas origens remontam à antiga Arena do regime militar. A data-chave do DEM é a eleição municipal de 2012, após a qual a oposição deve abrir uma discussão sobre a fusão dos três partidos - além do Democratas, PSDB e PPS já conversam discretamente sobre o assunto. O que se espera, entre os demistas, é que o senador tucano Aécio Neves (MG), o mais provável candidato do PSDB em 2014, assuma comando dessas articulações.
Um dos recursos políticos mais valorizados pelos partidos, o tempo da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV está entre os maiores nós da criação de uma nova legenda pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM). Dos 75 prefeitos que o partido elegeu em São Paulo, por exemplo, avalia-se que 70% deixarão de seguir Kassab por essa razão. (Págs. 1 e A11)

BMW estuda abrir fábrica no Brasil
Ao divulgar ontem os resultados financeiros da empresa, em Munique, o presidente mundial da BMW, Norbelt Reithofer, informou que considera a possibilidade de abrir uma fábrica na América do Sul. Ele não se referiu especificamente ao Brasil, mas fontes próximas à companhia acreditam que a melhor opção para instalar um projeto desse tipo seria o maior mercado da região. A proposta em análise pela BMW rompe com a ideia de que o Brasil não pode ter fábricas de carros de luxo, um conceito que se formou a partir do fracasso dos projetos da Audi e da Mercedes, que investiram no país em meados da década de 90. (Págs. 1 e B13 )
Operações de 'stock options' na mira da Receita Federal
A Receita Federal vai identificar as companhias de capital aberto que disfarçam parte da remuneração paga a funcionários em cargos de confiança por meio de opções de ações (mais conhecidas pelo termo inglês, "stock oplions"). O alvo do Fisco são empresas e altos executivos que usam esses mecanismos de planejamento tributário para evitar o recolhimento do Imposto de Renda. Nessas operações, a companhia ’vende' ao executivo ações por valor inferior ao preço de mercado. O executivo revende o ativo pelo preço real sem que tenha que declarar ganho como proveniente de renda. A Receita classifica essa manobra como planejamento tributário abusivo.
Entre a segunda quinzena de março e o mês de abril, a fiscalização recairá sobre as empresas que remuneram seus funcionários sob a forma de planos de previdência privada e também sobre os contribuintes que operam no mercado de renda variável. (Págs. 1 e A2)
Bolsa instável anima aluguel de ações
As operações de empréstimo de ações nos dois primeiros meses do ano cresceram 9l1% e chegaram a R$ 107,4 milhões. Nesses negócios, o detentor do ativo a1uguel seus papéis temporariamente para investidores que precisam cobrir posições vendidas a descoberto (sem a ação em mãos) ou compor estratégias de arbitragem. Além de não perder seus direitos sobre as ações - como os dividendos - o locador recebe uma remuneração. O crescimento do aluguel de ações acompanha a própria evolução do mercado de capitais, com mais ações para serem negociadas e aumento da liquidez, mas a instabilidade da bolsa é outro fator importante, abrindo oportunidades para arbitragens. (Págs. 1 e D1)
Empresas esbarram na falta de executivos para crescer na América Latina (Págs. 1 e B6 )

Novas fronteiras
Para fugir dos preços altos e da saturação do mercado em endereços consagradas de São Paulo, como as avenidas Paulista, Faria Lima e Berrini, construtoras e incorporadoras buscam novas áreas para seus prédios de escritórios, como Alphaville e Santa Amaro. (Págs. 1 e B1)
Siemens estuda fábrica em SC
A multinacional alemã Siemens negocia com o governo de Santa Catarina a instalação de uma fábrica de equipamentos médicos em Joinville. (Págs. 1 e B1)
Houston constrói fábrica
A fabricante piauiense de bicicletas Houston investe R$ 40 milhões na construção de uma segunda fábrica, em Manaus (AM). A unidade deve entrar em operação no segundo semestre de 2012. (Págs. 1 e B5)
Fundo do Qatar na Iberdrola
O Fundo Soberano do Qatar comprou 6,16% da Iberdrola, por US$ 2,7 bilhões. O investimento ajudará a empresa a completar os recursos para seus planos de investimento no Brasil, onde adquiriu a Elektro. (Págs. 1 e B12)
Parceria em Itaguaí
A Petrobras negocia com CSN e Gerdau um projeto de ocupação de área no porto de Itaguaí (RJ) para suas operações de apoio marítimo ao pré-sal. (Págs. 1 e B12)
Alstom no trem-bala
A francesa Alstom negocia com construtoras brasileiras sua participação no leilão do trem-bala, previsto para abril. A empresa também analisa parceria com fabricantes chineses de equipamentos. (Págs. 1 e B12)
BNP criará corretora
O BNP Paribas desistiu de comprar uma corretora de valores no Brasil e vai montar sua própria operação. O pedido ao Banco Central deve ser apresentado ainda neste semestre, para inicio de operação em 2012. (Págs. 1 e Cl2)
Ideias
Martin Wolf

Impacto da catástrofe no Japão será bem menor para o país que o da crise financeira mundial, que derrubou o PIB em 10%. (Págs. 1 e Al5)
Ideias
Yoshiaki Nakano

Banco Central adota medidas, amplamente usadas no passado, que se tornaram heresias para a nova ortodoxia. (Págs. 1 e A15)

Estado de Minas

Angústia atômica
Depois de explosões e incêndios em quatro reatores nucleares da usina de Fukushima e da confirmação de níveis elevados de radiação na região e em outras partes do país, o medo agora é de contaminação radioativa. O raio de isolamento em torno da usina subiu de 20 para 30 quilômetros. O pânico chegou a Tóquio, onde muita gente estoca alimentos e há no aeroporto da cidade grandes filas de pessoas tentando deixar o Japão. O número de mortos subiu para 3,3 mil, mas deve triplicar.


Temor da crise agrava situação da economia

Com a produção parada, bolsa de Tóquio registra a terceira maior queda e desce ao índice mais baixo desde abril de 2009. Apesar de tudo, governo japonês aposta em rápida normalização.

Operação tira brasileiros da área de risco

Operação coordenada pelo Itamaraty, com ajuda de um empresário, resgata pelo menos 100 brasileiros da região de Fukushima. Eles foram levados para abrigos. (Págs. 1 e 27 a 30)

Foto legenda: Bebê passa por teste de radiação na região de Fukushima.

Foto legenda: Mulher se protege com máscara e chora morte de parentes.
Vem aí Savassi exclusiva para pedestres
Quadrilátero formado pelas ruas Alagoas, Tomé de Souza, Paraíba e Fernandes Tourinho será transformado, em oito meses, em ponto de encontro com jardins, fontes, calçadas mais largas e quarteirões fechados. (Págs. 1 e 33)
Política externa: Sigilo envolve operação para proteger Obama
Esquema de segurança reúne as Forças Armadas, PF e secretarias de Segurança do Rio e do DF, em sintonia com o serviço secreto americano. Presidente visitará Brasília e Rio no fim de semana. (Págs. 1 e 31)
Prefeitos cercam Dilma em Minas
Ela assina em Uberaba protocolos de gasoduto e fábrica de amônia. Mas eles querem mais. (Págs. 1 e 4)

Jornal do Commercio (PE)

Cremepe interdita IML
Decisão se apoia em fotos de dentro do Instituto, que de tão estarrecedoras não serão publicadas nesta Capa. Os corpos das vítimas da violência serão liberados sem perícia, dificultando processos. Governo investirá R$ 2 milhões no órgão. (Pág. 1)
Radiação é confirmada em Tóquio e usina nuclear sofre novos danos (Pág. 1)

Chinês é morto em tentativa de assalto no Centro do Recife (Pág. 1)

Obama no Rio (Pág. 1)

Zero Hora

O “apocalipse” de Fukushima
Ao avaliar a série de incêndios em usina nuclear no Japão, comissário europeu de energia define o quadro na região como apocalíptico.


Enviado de ZH descreve a fuga de Tóquio

Centenas de moradores da capital japonesa preferiram se mudar temporariamente para a casa de parentes, mais ao sul do país.

Entenda os efeitos de um desastre nuclear.

Foto legenda: Moradores evacuados passam por detector de radiação em Koriyama, na província de Fukushima, onde usina nuclear sofre explosões. (Págs. 1, 4 a 10 e Editorial, 16)
Rodovias desfalcadas
Escândalo adia a reativação de pardais. (Págs. 1 e 28)
Teste na Assembleia
Vacilo deixa para hoje votação do pacote de Tarso (Págs. 1 e 12)

Fontes: Radiobras – JBWiki!

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
BrasilWiki!
São Paulo - SP



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br