Atualizado 23h22 Quarta, 21 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Deu no papel

Brasil é líder mundial em apagões

1323 acessos - 0 comentários

Publicado em 28/02/2011 pelo(a) Wiki Repórter BrasilWiki!, São Paulo - SP



DESTAQUES DE JORNAIS BRASILEIROS, SEGUNDA-FEIRA, 28 DE FEVEREIRO DE 2011.

O Estado de S. Paulo

Rebeldes fecham cerco a Trípoli
Insurgentes planejam tentativa de tomada da cidade, último bastião de Kadafi, nos próximos dias

Os rebeldes líbios nas cidades próximas a Trípoli, como Al-Zawiyah, preparam a tomada da capital. “Não temos medo, não temos fome, não temos sede, não temos cansaço. Por muitos anos tivemos nossas cabeças na alça de mira de Muamar Kadafi. Agora chegou a hora da liberdade”, disse ao Estado um dos insurgentes, em referência ao ditador do país. Reunidos às centenas em cada vilarejo, armados de fuzis AK-47 e espingardas de caça e comunicando-se por meio de rádios e celulares, os revoltosos coordenam as ações para o que chamam de “Batalha de Trípoli”, o assalto simultâneo da capital previsto para os próximos dias. Entre os insurgentes, uma palavra de ordem é repetida à exaustão: revolução. (pág. 1 e Internacional, págs. A10 a A15)

Oposição já organiza governo

Os líderes do levante contra Kadafi,concentrados em Benghazi, anunciaram ontem a formação de um conselho nacional para administrar as cidades que estão sob seu controle. Um porta-voz do grupo disse que eventual ajuda externa será rejeitada. (pág. 1 e Internacional, pág. A12)

Entrevista: Amós Oz, escritor israelense

“Fico entusiasmado (com os rebeldes árabes), mas não com os que querem trocar uma opressão por outra”. (pág. 1 e Direto da Fonte, pág. D2)
Em duas horas, SP tem chuva de quase 1 mês
Em pouco mais de duas horas, a chuva forte que caiu em São Paulo deixou parte da cidade debaixo d’água ontem à tarde. Na região com mais transtornos, a oeste, choveu quase o acumulado do mês de fevereiro. (pág. 1 e Cidades, pág. C1)
Aluno da FGV foi morto por freguês do bar
A polícia prendeu o homem que matou um aluno da FGV e feriu outro. O assassino esteve no mesmo bar que os estudantes e, por achar que eles mexeram com sua namorada, voltou e, junto com o irmão, cometeu o crime. (pág. 1 e Cidades, pág. C4)

Brasil é líder mundial em apagões
Dos seis maiores blecautes registrados no mundo desde 1965, três ocorreram no País. Foram 14 só neste ano, incluindo um que deixou o Nordeste sem luz por cinco horas. Desta vez, a crise não está na falta de luz e sim na dificuldade de fazer a energia chegar até o consumidor final. (pág. 1 e Economia, pág. B1)
Dez anos depois de mergulhar no maior racionamento da história, o Brasil volta a conviver com problemas no setor elétrico. Mas, desta vez, a crise não está na falta de energia, como ocorreu em 2001, mas na dificuldade de fazer o produto chegar até o consumidor final. Nos últimos meses, uma série de apagões e blecautes regionais causaram transtornos e prejuízos aos brasileiros.
Só neste ano, até o dia 22, foram 14 grandes ocorrências, conforme relatório do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). A maior delas deixou o Nordeste sem luz por até cinco horas. O incidente - ainda sem explicações precisas - garantiu ao Brasil o título de país com o maior número de blecautes de grandes proporções. Das seis maiores ocorrências registradas no mundo desde 1965, três são do Brasil: em 1999 (97 milhões de pessoas), 2009 (60 milhões) e 2011 (53 milhões), segundo a consultoria PSR. O maior ocorreu na Indonésia, em 2005, atingindo 100 milhões de pessoas.
Além dos grandes apagões, que normalmente ocorrem por falhas no sistema de transmissão, a população também tem convivido com uma série de desligamentos na rede de distribuição, de responsabilidade das concessionárias. Nesses casos, os cortes estão limitados às áreas de concessões das empresas, cidades ou bairros. As companhias alegam que a culpa é de São Pedro e que as redes não têm suportado as fortes chuvas.
Os constantes blecautes estão traduzidos na piora do indicador de qualidade do fornecimento de eletricidade, medido pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Nos últimos três anos, o tempo médio que o brasileiro ficou sem luz subiu quatro horas. "Hoje temos energia e não conseguimos entregá-la com a qualidade necessária. O problema é que o governo nunca explica o real motivo dos apagões", afirma o diretor-presidente da Associação Nacional dos Consumidores de Energia (Anace), Carlos Faria.
Para especialistas, a origem dos apagões está em investimentos menores que a necessidade da rede de transmissão e distribuição. "Houve um descompasso entre os investimentos da geração e transmissão", afirma o presidente da Compass Energia, Marcelo Parodi. Mas o problema não é a falta de novos empreendimentos, já que a Aneel tem feito leilões contínuos de linhas de transmissão e as distribuidoras, ampliado o número de clientes.
O problema está nos equipamentos antigos, que nem sempre recebem a manutenção adequada, especialmente diante do forte aumento do consumo. De 2000 pra cá, o uso de energia pelo brasileiro subiu 36%, apesar do racionamento, que derrubou em 8% o consumo em 2001.
"Se uma empresa não está investindo o suficiente agora, o problema só vai ocorrer anos mais tarde", afirma o presidente da PSR Mário Veiga. Ou seja, os apagões de hoje podem ser resultado de anos sem investimentos adequados. (Renée Pereira, de O Estado de S. Paulo).


País realiza primeiro transplante de artéria (pág. 1 e Vida, pág. A16)

Patrimônio de deputados de SP dobra em 4 anos (pág. 1 e Nacional, pág. A4)

Máquina de Vendas quer agora atuar em seguros (pág. 1 e Negócios)

Notas e informações: O mapa da violência no País
A criminalidade está se expandindo do Sudeste para a periferia das capitais nordestinas. (pág. 1 e A3)

O Globo
Comunidade internacional se une para isolar Kadafi
Hillary Clinton viaja à Europa para coordenar resposta conjunta à crise líbia

Armada com a resolução aprovada por unanimidade pelo Conselho de Segurança da ONU contra o regime do ditador Muamar Kadafi, a secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, foi ontem para a Europa a fim de coordenar uma ação com aliados europeus, asiáticos e africanos em resposta à crise líbia. A secretária discursará hoje na 16ª sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, em Genebra, onde a ministra brasileira da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, também falará, frisando que as ditaduras do Oriente Médio são uma ameaça para a democracia e os direitos humanos. No Reino Unido, o governo congelou bens da família Kadafi e cassou a imunidade diplomática do ditador e de dois de seus filhos. Itália e Alemanha também pediram a saída de Kadafi.

Para compensar as perdas da Líbia, a Arábia Saudita anunciou o aumento de sua produção de petróleo em 500 mil a 600 mil barris, para 9 milhões de barris por dia. (págs. 1, 5, 21 e 25 a 27)

Na França, chanceler cai por escândalo tunisiano

Criticada por passar o Natal na Tunísia, para onde viajou no jatinho de um empresário ligado ao ditador Ben Ali, e pela fraca resposta à crise que levou à queda de regime, a chanceler Michele Alliot-Marie se demitiu ontem. (págs. 1 e 28)
BNDES: país terá R$ 3,3 trilhões de investimentos
Levantamento do BNDES mostra que, nos próximos quatro anos, os investimentos no Brasil somarão R$ 3,3 trilhões. Com isso, o país pode crescer até 40% acima da média global. (págs. 1 e 22)

Folha de S. Paulo

Oposição na Líbia decide criar conselho de transição
Secretária de Estado dos EUA promete ajuda a manifestantes; Gaddafi reafirma que fica no cargo

Rebeldes em Benghazi, leste da Líbia, criaram um conselho de transição que pretende ser o embrião de um governo pós-Gaddafi. O ditador voltou a afirmar que não vai abandonar o poder.

Depois de 13 dias de revolta, cresce o número de cidades em poder da oposição. (pág. 1 e Mundo, pág. A10)

Análise: A ideia de ação militar ocidental na Líbia é polêmica, escreve Claudia Antunes. (pág. 1 e Mundo, pág. A11)
Grupo brasileiro chega a Atenas e relata ’horror’
Os 148 brasileiros que ficaram trancados uma semana em Benghazi por causa dos conflitos relataram terem vivido “dias de horror”.

Após dois dias em navio, o grupo de funcionários da Queiroz Galvão e familiares chegou a Atenas. (pág. 1 e Mundo, pág. A12)
País deixa para trás timidez em direitos humanos
A posição do governo brasileiro sobre violações aos direitos humanos teve, no fim de semana, uma inflexão no Conselho de Direitos Humanos da ONU. Em vez da timidez da gestão Lula, iniciativas pela condenação da ditadura líbia. (pág. 1 e Mundo, pág. A14)
Call centers levam multas, mas empresas não pagam nenhuma (pág. 1 e Mercado, págs. B1 e B11)

Tempestade trava cidade e causa morte na Grande SP
Chuva de três horas voltou a travar São Paulo. O rio Pinheiros transbordou. Na marginal, um helicóptero da PM resgatou uma mulher em trabalho de parto.

Com 59 pontos de alagamento, o trânsito parou. A zona oeste foi a mais atingida. Em Carapicuíba, houve uma morte. (pág. 1 e Cotidiano, pág. C1)
Acidente com trio elétrico mata 17 em Minas Gerais (pág. 1 e Cotidiano, pág. C5)

Escritor gaúcho Moacyr Scliar, membro da ABL, morre aos 73
O escritor e colunista da Folha Moacyr Scliar, 73, morreu ontem em Porto Alegre (RS) em razão de falência múltipla dos órgãos.

Membro da ABL, ele havia sofrido um acidente vascular cerebral em janeiro, quando estava no hospital após cirurgia. (pág. 1 e Ilustrada, pág. E5)

Moacyr Scliar: Lágrimas e testosterona

Ele vivia furioso com a mulher. Cada vez, porém, que queria repreendê-la, ela começava a chorar. E aí, pronto: ele simplesmente derretia. Por que o pranto da mulher o comovia? (pág. 1 e Cotidiano, pág. C2)

Moacyr Scliar era colunista de Cotidiano; este texto, inédito, foi enviado pelo escritor ao jornal no dia 11 de janeiro.
Mercado
Mercado publicitário cresce 18% e movimenta R$ 36 bilhões (págs. 1 e B12)
Editoriais
Leia “Agressão hospitalar”, sobre pesquisa que revelou maus-tratos a gestantes; e “A hora da entrega”, acerca de lei que disciplina o serviço. (pág. 1 e Opinião, pág. A2)

Correio Braziliense

Rebeldes avançam na Líbia e ganham o apoio dos EUA
Oposição armada conquista cidade a 50 km da capital, Trípoli, e cria conselho para transição de poder, deixando o ditador Muamar Kadafi cada vez mais isolado.

Em Washington, o governo Barack Obama anunciou ajuda a qualquer iniciativa contra o regime. Brasileiros que trabalhavam em Benghazi chegam hoje a Recife. (págs. 1, 18 e 19)
Moacyr Scliar (1937 - 2011)
Hospitalizado desde 17 de janeiro, quando foi acometido por um AVC, o escritor gaúcho morreu na madrugada de sábado para domingo, em Porto Alegre. Médico por formação, Scliar levou à literatura a preocupação humanista que marcou sua atividade na medicina. Cronista do Correio desde 2003, deixa extensa obra, formada por contos, romances, novelas, ensaios e livros infanto-juvenis. (pág. 1 e Diversão & Arte, capa e pág. 3)
Brasil busca vantagem na corrida mundial por comida
Para enfrentar a crescente demanda externa por alimentos, o setor agrícola nacional espera aumentar a produção em 40% nos próximos anos. Imagem do país como celeiro do mundo é cada vez mais real. (págs. 1 e 10)
Imposto de Renda: Como evitar a malha filha
Receita Federal recebe declaração do IR de amanhã a 29 de abril. No Correio, especialistas mostrarão que erros podem levar o contribuinte às garras do Leão. (págs. 1 e 15)
Polêmica: Reforma de código divide opiniões na magistratura
Elaborado há 70 anos, Código de Processo Penal volta a ser discutido na Câmara dos Deputados, mas as modificações propostas em dois projetos de lei provocam divergências entre juristas e advogados. (págs. 1 e 2)
Energia: CEB luta contra dívida milionária e apagões
Ao mesmo tempo em que busca ampliar o prazo para pagamento de
compromissos que chegam a R$ 800 milhões, empresa precisa investir com urgência para evitar interrupções no fornecimento de energia. (págs. 1 e 23)

Valor Econômico

Desaceleração começa, mas dimensão é incerta
O ritmo de atividade da economia brasileira desacelerou, mas o tamanho da inflexão é incerto. Entre os indicadores de atividade já conhecidos há altos e baixos - na comparação entre janeiro e dezembro com ajuste sazonal caiu a fabricação de automóveis, a expedição de papelão ondulado e a movimentação de cargas nas estradas, mas cresceu a produção de aço, as encomendas de calçados e o emprego.

Grande parte dos economistas que acompanham o ritmo de atividade está convencida que a desaceleração já está forte. Para o Bradesco, o Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre terá crescimento nulo ou até queda em relação ao fim de 2010, e nas contas da LCA Consultores, a produção industrial caiu 1,5% em janeiro na comparação com dezembro. Para eles, a desaceleração justifica um corte de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros, e não maior que isso. (págs. 1 e A2 a A5)
Salário de servidor tem ’teto variável’
A Constituição diz que nenhum servidor público pode ganhar mais do que o subsídio de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), que hoje está fixado em R$ 26.723,13. Mas como esse dispositivo constitucional nunca foi regulamentado, cada um dos três Poderes segue um entendimento diferente sobre como calcular o valor do teto e, assim, o limite de remuneração, na prática, não existe. As regras adotadas atualmente mostram que é possível ganhar mais que o teto no Executivo, no Judiciário e no Legislativo. O entendimento do Executivo sobre o teto é, no entanto, mais rigoroso que o dos outros dois Poderes. Ministros e funcionários do Executivo podem ter seus rendimentos aumentados se participarem de conselhos de administração ou fiscal de empresas estatais. Mas essa é a única exceção de rendimento permanente no cálculo do teto salarial no caso do Poder Executivo. (págs. 1 e A8)
Seguros de grandes riscos custam menos
Os preços dos seguros que cobrem os grandes riscos, como as obras de aeroportos, portos, rodovias e propriedades industriais, estão em queda no Brasil. Quase três anos após a crise de 2008, quando os preços dessas apólices tiveram alta de até 20%, o setor convive hoje com preços em baixa e excesso de oferta. Os grandes riscos movimentam em prêmios no país cerca de R$ 9 bilhões a cada ano. Os preços em 2010 tiveram queda no país de 10%, em média. De acordo com levantamento feira pelo Valor em grandes seguradoras que atuam no segmento. E nada indica uma mudança no cenário em 2011, já que as empresas estão capitalizadas e com mais capacidade de absorver riscos. (págs. 1, C1 e C4)
Foto-legenda: Recrutas do PAC
O recruta Djalma Raimundo Gonçalves trabalha na duplicação da BR 101, em Goiana (PE): obras do PAC tocadas pela engenharia do Exército já atingem 30 projetos de alto calibre, que absorvem 2,6 mil jovens trabalhadores por ano em rodovias, refinarias e aeroportos. (págs. 1 e A14)
TRF de SP julga ações esquecidas
Há 33 anos, Zeno Moser, 84 anos, aguarda o desfecho de um processo trabalhista que definiria sua situação como empregado da Caixa Econômica Federal (CEF). A ação do ex-bancário, hoje aposentado pelo INSS, será julgada até o fim de março graças a uma correição realizada no Tribunal Regional Federal (TRF) de São Paulo pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que descobriu esse e outros 369 processos “esquecidos” há mais de uma década. No caso de Moser, a ação estava parada há 15 anos no tribunal.

O motivo de tal esquecimento foi um acordo feito entre a Justiça do Trabalho e a Justiça Federal em razão de uma mudança promovida pela Constituição Federal. A norma definiu, em 1988, ser da área trabalhista - e não mais da federal - a competência para julgar processos envolvendo funcionários públicos. Por já terem sentenças proferidas na época, esses casos acabaram ficando na Justiça Federal. (págs. 1 e E1)
Factoring dá prejuízo a executivos
Um esquema semelhante ao de pirâmide estourou na sexta-feira no coração financeiro de São Paulo, deixando prejuízos a um grupo seleto de investidores. A empresa de factoring conhecida como Porto Forte Fomento Mercantil, uma sociedade anônima de capital fechado que faz empréstimos para pequenas e médias empresas, suspendeu o resgate de suas ações depois que parte de sua diretoria descobriu a existência de um rombo patrimonial em suas contas.

Banqueiros de investimentos, analistas de ações, gestores de carteiras e advogados compõem o quadro de acionistas da Porto Forte, cerca de 450 pessoas. Entre esses, está José Roberto Ermírio de Moraes Filho, da quarta geração da família que controla o grupo Votorantim, dono da gestora de recursos Perfin. (págs. 1 e C14)
Unimed reage para não perder cliente
A seguradora Unimed está criando uma operadora de planos odontológicos. Comprou 51% do capital do plano dental da Unimed Federação Minas e a rebatizou de Unimed Odonto.

A Unimed Vitória já faz parte da nova empresa e há negociações para absorver os clientes das Unimeds de Belo Horizonte e do Rio de Janeiro. (págs. 1 e B1)
Instabilidade no Oriente Médio pode ajudar o etanol (págs. 1 e A10)

Carnaval importado
Os desfiles deste ano terão fantasias e carros alegóricos feitos com 60% a 70% de materiais importados, principalmente da Ásia. Com isso, lojas como a Palácio das Plumas, da hoje empresária Pínah, destaque da Beija Flor nos anos 80, oferecem preços mais baixos e variedade maior. (pág. 1 e Caderno Especial/Pequenas e Médias Empresas)
Liquigás investe em aerossol
Até o fim do ano, a Liquigás espera ampliar sua fatia no mercado brasileiro de gases propelentes para aerossóis dos atuais 20% para 30%. A capacidade de produção na unidade da empresa em Mauá (SP) foi ampliada de 20 mil para 50 mil toneladas/ano. (págs. 1 e B11)
Soja transgênica
Basf e Embrapa adiaram para a safra 2012/13 a oferta da semente de soja transgênica desenvolvida pela parceria. Antes, querem a aprovação em mercados externos importantes, como Europa, EUA e China. (págs. 1 e B15)
Efeito multiplicador
Empresas transformam redes sociais em ferramenta para soluções socioambientais. “É preciso ser proativo, porque as mídias sociais têm alto poder de engajamento e mobilização, mas o simples oportunismo pode ser um tiro pela culatra”, diz Luiz Carlos Dutra, da Unilever. (pág. 1 e Caderno Especial/Negócios Sustentáveis)
Novos balanços já dão resultado
Estudo mostra que migração para o padrão internacional de contabilidade melhorou a qualidade das demonstrações financeiras das empresas e também a associação entre os resultados e o preço das ações negociadas na bolsa. (págs. 1 e D1)
Outdoor tem de pagar ICMS
O Tribunal de Impostos e Taxas do Estado de São Paulo decidiu que as empresas de outdoor devem pagar ICMS e que a multa é de 50% sobre o valor não recolhido pelo contribuinte. Agora, a decisão só poderá ser revertida no Judiciário. (págs. 1 e E1)
Ideias: Sergio Leo
Governo aguarda o melhor momento para apresentar as novas normas aplicáveis à radiodifusão. (págs. 1 e A2)
Ideias: Luiz Werneck Vianna
O que ocorreu com o salário mínimo é apenas um dos aspectos da emergência da judicialização da política. (págs. 1 e A5)

Estado de Minas

Tragédia com trio elétrico mata 16 foliões em Minas
Fios da rede elétrica se rompem e acabam com pré-carnaval de Bandeira do Sul, no Sul do estado

Dezenas de pessoas foram atingidas por descarga elétrica na tarde de ontem, durante desfile promovido pela prefeitura da cidade. Dançarinos e foliões que estavam sobre o carro de som caíram em chamas de uma altura de três metros. Quem se divertia no chão, próximo ao veículo, também se machucou. Segundo o Corpo de Bombeiros, pelo menos 16 pessoas morreram e 50 ficaram feridas. O acidente deixou Bandeira do Sul sem luz, e o hospital teve dificuldade em atender as vítimas. Muitas foram levadas para cidades próximas, como Poços de Caldas. Há três versões para a causa do curto-circuito: o trio elétrico teria batido em um poste, um rojão atingido a rede ou um objeto atirado sobre a fiação. (págs. 1 e 19)
Aglomerado da Serra
Policiais acusados de executar dois moradores no dia 19 prestam novo depoimento hoje na Corregedoria da PM. (págs. 1 e 20)
Perigo que ainda ronda o Anel
Um mês depois do acidente que matou cinco pessoas e feriu outras 12 no Anel Rodoviário, em Belo Horizonte, a via continua insegura. Acompanhada por especialista em transporte e trânsito, equipe do Estado de Minas percorreu os 26,5 quilômetros do corredor e constatou que o risco de novas tragédias permanece alto. Pior: algumas intervenções feitas pelo Dnit trouxeram mais ameaças aos motoristas. A reportagem conversou com parentes das vítimas, que tentam se recuperar do trauma. Petrarka Gibosky, mãe de Ana Flávia, de 2 anos, falou pela primeira vez sobre a perda da filha: “Estou tentando acordar de um pesadelo”. (págs. 1, 17 e 18)
Ciência: Da Grande BH para o mundo
Obras do maior centro integrado de tecidos biológicos da América Latina, o Cetebio, começarão este ano em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. (págs. 1 e 16)
Foto-legenda: Longe da tensão
Opositores de Muamar Kadafi criaram um Conselho Nacional na Líbia, que descreveram como “o rosto da revolução”. Mais de 100 mil pessoas já partiram do país. Entre elas, 148 brasileiros, que chegaram ontem a porto em Atenas, Grécia, e seguem hoje para o Brasil. (págs. 1, 14 e 15)
Previdência: Viúvas jovens são problema
Pagamento de pensões por morte entrará nas discussões da reforma
previdenciária. Desde a década de 1990, tempo médio de recebimento do benefício saltou de 17 para 35 anos. (págs. 1 e 10)

Jornal do Commercio (PE)

Timbu e Leão felizes
Time alvirrubro goleou a Cabense por 4x1 e, com a derrota do Santos no sábado, está na liderança do Pernambuco. Já os rubro-negros venceram o Ypiranga por 2x1 e, finalmente, depois de dez rodadas, chegaram ao G-4. (pág. 1)
Ação policial deixa dez bandidos mortos na Bahia (pág. 1)

Volta ao Brasil (pág. 1)

Vagas no Senai (pág. 1)

Zero Hora (RS)

Justiça fará mutirão para aliviar cadeias
Iniciativa do Conselho Nacional de Justiça analisará situação de 31 mil presidiários no Estado para ver quem tem direito a benefícios. (págs. 1 e 35)
Moacyr Scliar (1937-2011): Adeus a um imortal
Membro da Academia Brasileira de Letras, o escritor gaúcho e cronista de ZH morreu à 1h de ontem em Porto Alegre, aos 73 anos, legando uma obra que soma mais de 70 livros. (págs. 1, 2, 4, 5, Editorial, pág. 12, Sant'Ana, pág. 39 e Segundo Caderno)
Líbia dividida
Mais baixas enfraquecem ditador Kadafi (págs. 1 e 20 a 23)

Fontes: Radiobras-BrasilWiki!

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
BrasilWiki!
São Paulo - SP



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br