Atualizado 08h41 Quarta, 21 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Deu no papel

Médicos ligados a laboratórios ditam regras de conduta

592 acessos - 0 comentários

Publicado em 03/02/2011 pelo(a) Wiki Repórter BrasilWiki!, São Paulo - SP



DESTAQUES DE JORNAIS BRASILEIROS, QUINTA-FEIRA, 3 DE FEVEREIRO DE 2011.

Jornal do Brasil

Mãos à obra na Serra
Cansados de esperar pelo poder público, moradores de Friburgo se unem em mutirões para reconstruir pontes, praças e tubulações de água. De quebra, ainda cobram mais agilidade dos governos. (Págs. 1 e 3 a 5)
Novo camisa 11 do STF terá pela frente Battisti e Ficha Limpa (Págs. 1, 14 e 15)

Anna Ramalho
Romário a mil por hora em Brasília, a bordo de sua Ferrari. (Págs. 1, 9 e 10)
José Dirceu
O Exército não pode ficar nos morros do Rio. (Págs. 1 e 17)

O Globo

Ditador egípcio resiste e põe adeptos para atacar nas ruas EUA e Europa cobram transição imediata e já falam em fim da Era Mubarak. 

Numa demonstração de resistência do governo, partidários do ditador Hosni Mubarak saíram às ruas montados em camelos e cavalos, armados com facões, chicotes e pedaços de madeira, e atacaram violentamente opositores na Praça Tahrir, palco dos protestos que há dez dias sacodem o Egito. Muitos deles receberam cerca de R$ 56 para participar. O Exército nada fez para conter as cenas de selvageria que culminaram com três mortos e pelo menos 600 feridos, segundo o governo. Este número pode chegar a 1.500, de acordo com médicos que atenderam as vítimas até em emergências improvisadas nas mesquitas. Os EUA pediram antecipação das eleições e exigiram uma transição imediata. Europeus endureceram o tom e já falam em fim da Era Mubarak. No Iêmen, o ditador que está há 32 anos no cargo anunciou que deixará o poder. Mas só em 2013. (Págs. 1, 30 a 33, Merval Pereira, Veríssimo, Demétrio Magnoli e editorial "Egito é uma oportunidade para os EUA")

Repórteres presos e quarto do GLOBO é invadido (Págs. 1 e 30)

Revolta já é comparada a queda do Muro de Berlim (Págs. 1 e 33)
Empresas podem ter 'alívio' de 50 bilhões
Proposta em estudo no governo pode aliviar em R$ 50 bilhões a folha de pagamento das empresas até 2015. Uma das opções é reduzir gradativamente a contribuição do INSS, de 20% para 14%. (Págs. 1 e 23)
Segundo caderno
A restauração de obras de arte no Brasil avança em trabalhos como o dos painéis "Guerra e paz", de Portinari. (Págs. 1 e Segundo Caderno)
Foto legenda: Orai por nós
Um dia após ser eleito presidente da Câmara, Marco Maia (PT) participa de culto evangélico ao lado de Benedita; ele prometeu construir mais um prédio para gabinetes e equiparar os subsídios aos do STF. (Págs. 1 e 4)
Deputado Dudu da Fonte, herdeiro de Severino, corregedor
Eleito pelos colegas para ser o novo corregedor da Câmara, Dudu da Fonte (PP-PE) é cria política de Severino Cavalcanti, ex-presidente e símbolo do baixo clero da Casa, forçado a renunciar ao mandato, em 2005, devido a acusações de corrupção. Dudu não nega o passado e só chama Severino, de quem já foi secretário particular, de "padrinho". (Págs. 1 e 9)

Dilma defende aumento de mínimo, mas a longo prazo (Págs. 1 e 3)

Folha de S. Paulo

Egípcios se enfrentam com pedras, porretes e molotov
Grupo pró-ditador ataca multidão em praça do Cairo; confronto deixa ao menos 3 mortos e 1.500 feridos

Tahrir, a praça-símbolo da revolta no Egito, virou campo de batalha ontem. A cavalo ou camelo, partidários do ditador Hosni Mubarak atacaram manifestantes com porretes e chicotes.

Os rebeldes reagiram quebrando calçadas e lançando as pedras. À noite, os dois lados passaram a atirar coquetéis molotov, e prédios pegaram fogo em torno da praça. O confronto deixou pelo menos três mortos e mais de 1.500 feridos.

Jornalistas estrangeiros foram agredidos pelas forças leais a Mubarak e tiveram seus quartos em hotéis invadidos - inclusive o da reportagem da Folha.

Agentes do governo proibiram fotografias e filmagens do centro do Cairo.

Os EUA aumentaram a pressão, pedindo a saída de Mubarak "para ontem".

O Estado-Maior manifestou preocupação com a segurança do canal de Suez, rota do petróleo. (Págs. 1 e Mundo)

Levantes trazem risco à economia, escreve Nouriel Roubini. (Págs. 1 e Mercado B6)

Foto legenda: Partidários do ditador do Egito, Hosni Mubarak, montando camelos e cavalos, entram em choque com manifestantes contrários na praça Tahrir, no Cairo. (Pág. 1)

Leia mais/Egito

Marcelo Ninio
Efeito dominó faz ditador do Iêmen prometer que vai sair. (Págs. 1 e A15)

Eliane Cantanhede
Brasil silencia, mas avaliação é que Mubarak tem de sair. (Págs. 1 e A14)

Governo decide incluir Correios no trem-bala
Diante do risco de novo fracasso do leilão do trem-bala, o governo decidiu incluir os Correios como sócio de um dos consórcios e como usuário do trans porte de cargas, relatam Leonardo Souza e Andreza Matais.

A entrega entre SP e Rio representa 50% do faturamento da estatal. (Págs. 1 e Mercado B1)
Médicos ligados a laboratórios ditam regras de conduta no país
Médicos que orientam padrões de tratamento para certas doenças têm ligações diretas ou indiretas com a industria farmacêutica, informa Claudia Collucci.

Em 11 diretrizes pesquisadas, ao menos 50% dos profissionais tiveram ajuda ou escreveram textos patrocinados por laboratórios.

Para Conselho Federal de Medicina, situação é conflituosa, mas legal.

Médicos que recebem recursos da indústria farmacêutica ou de equipamentos podem exagerar na prevalência ou na importância de doenças, minimizar os riscos e distorcer dados sobre a eficácia das drogas. É a opinião da médica Adriane Fugh-Berman, professora da Georgetown University Medical Center, em Washington, considerada uma das maiores autoridades mundiais em conflitos éticos entre médicos e a indústria farmacêutica. Em um dos últimos artigos que publicou, em setembro do ano passado, ela mostrou que uma farmacêutica multinacional plantou sistematicamente artigos favoráveis a seus medicamentos em periódicos científicos. Adriane dirige o "PharmedOut", um programa de educação e pesquisa sobre a influência da indústria na prescrição médica.

(Págs. 1 e Saúde C14)

Em 10 anos, evasão universitária vai de 18% a 27% em SP
Levantamento com dados do MEC mostra que a evasão nas faculdades paulistas em 2009 atingiu média de 27%, patamar mais alto desde 2000 (18%). Índice foi maior nas particulares (29%). Segundo o sindicato, escolas estudam como atender aluno carente, e cenário deve melhorar. (Págs. 1 e Cotidiano C1)
Planalto eleva valor de imóveis do 'Minha Casa' (Págs. 1 e Mercado B6)

Editoriais
Leia "Congresso a reboque", sobre a nova legislatura que tomou posse; e "Engenharia a distância", acerca de alternativas para o ensino da profissão. (Págs. 1 e Opinião A2)

O Estado de S. Paulo

Liberação de verbas subiu antes da eleição no Congresso
Partido que mais se beneficiou com os 'restos a pagar' de emendas foi o PMDB, com R$ 12 milhões

Nas vésperas da eleição para as Mesas do Congresso e no momento em que o governo enfrenta a insatisfação de partidos da base aliada, aumentou a liberação de "restos a pagar" de emendas propostas por parlamentares, recursos cujos gastos foram autorizados no Orçamento, mas não efetivamente pagos. Em janeiro, foram liberados R$ 148 milhões, um crescimento de 17% em relação ao mesmo período do ano passado, informa a repórter Julia Duailibi. O PMDB, cuja bancada tem criticado a montagem do governo Dilma Rousseff - chegou a ameaçar veladamente retaliar o Planalto em votações importantes -, foi o partido que mais teve recursos pagos até agora: R$ 12 milhões, segundo levantamento feito no Sistema Integrado de Administração Financeira (Siafi). Em janeiro de 2010, o partido recebeu apenas R$ 1,8 milhão. Em segundo lugar, vieram os restos a pagar de emendas do PT, com R$ 3,3 milhões. Também integrantes da base, PP e PDT receberam R$ 2,5 milhões e R$ 2,4 milhões, respectivamente. Os principais partidos da oposição, PSDB e DEM, tiveram ao todo R$ 3,4 milhões. (Págs. 1 e Nacional A4)

R$ 148 milhões foi o total liberado no mês de janeiro, segundo levantamento no Siafi. (Pág. 1)
No Congresso, Dilma prega reforma política
A presidente Dilma Rousseff entregou sua mensagem ao novo Congresso com a promessa de construir consensos para a retomada da agenda de reforma política, paralisada desde o governo Lula. Na primeira sessão legislativa do ano, Dilma priorizou a reforma tributária e a política de recuperação do salário mínimo, no modelo proposto pelo Planalto. (Págs. 1 e Nacional A15)

Protesto egípcio vira conflito civil
Manifestantes de oposição sofrem ataque de grupo que defende o ditador Mubarak

A crise no Egito dá os primeiros sinais de se transformar em conflito civil. Ontem, na Praça Tahrir (libertação), os manifestantes que querem a saída de Hosni Mubarak foram atacados por supostos simpatizantes do ditador - que incluíam policiais a paisana e manifestantes pagos. Ao menos três pessoas morreram e mais de 630 ficaram feridas. Opositores, porém, afirmam que o número de vítimas foi maior. O governo declarou que a transição não começará "imediatamente", como querem os EUA, e denunciou intervenção externa. Jornalistas estrangeiros, entre os quais o repórter do Estado, foram alvo de violência policial. (Págs. 1 e Internacional A10 a A13)


Análise: Roger Cohen
Fim da vitimização árabe

Os árabes estão passando de uma cultura de vitimização para outra de autodeterminação. (Págs. 1 e Internacional A14)
Novo ministro do STF, Fux define Ficha Limpa (Págs. 1 e Nacional A8)

Desmatamento na Amazônia volta a crescer
Após registrar a menor taxa em 22 anos, o desmatamento da Amazônia teve aumento de 11% entre agosto e dezembro de 2010 ante igual período de 2009. Os números não permitem ainda ver reversão na tendência de queda, mas o governo está em alerta. (Págs. 1 e Vida A18)
Indústria cai e mercado revê previsões
A queda da produção industrial em dezembro (0,7% ante novembro) levou o mercado a rever as projeções para este ano. Algumas consultorias cortaram pela metade suas expectativas, por não acreditarem em melhora do câmbio. (Págs. 1 e Economia B1)
Roberto Macedo
Os encapuzados do Congresso

Para que não caia em esquecimento: o abusivo aumento dos parlamentares lembrou um assalto. A ação veio como numa noite em local mal iluminado. (Págs. 1 e Espaço Aberto A2)
Notas e Informações
Marca do atraso político

A recondução de Sarney é uma marca do atraso político que o Brasil não consegue superar. (Págs. 1 e A3)

Correio Braziliense

Dilma defende pacto em favor do mínimo
Recebida com beija-mão, presidente reafirma que o Estado brasileiro só pode arcar com o valor de R$ 545 e cobra do Congresso o respeito a regras estáveis para o reajuste do piso salarial. Centrais sindicais reivindicam a antecipação parcial dos ganhos previstos para 2012, o que representaria um aumento real neste ano. (Págs. 1, 2 e 3)
Mais dinheiro para a casa própria
Valor para financiamento dos imóveis no DF do programa Minha Casa, Minha Vida, com recursos do FGTS, sobe para R$ 170 mil. (Págs. 1 e 21)
O ditador contra-ataca
Uma batalha nas ruas do Cairo colocou frente a frente manifestantes pró-democracia e simpatizantes do presidente egípcio Hosni Mubarak. Até homens montados em camelos e cavalos participaram do violento confronto, que deixou mortos e feridos. (Págs. 1, 24 e 25)
Segurança: Violência no DF diminui, mas preocupa
Em 2010, a Secretaria de Segurança registrou uma queda na maioria dos crimes cometidos no Distrito Federal. As atenções estão voltadas para os homicídios. A taxa de 24,5 assassinatos por 100 mil habitantes é duas vezes maior do que a média em São Paulo e está muito acima do índice tolerado pela ONU. (Págs. 1 e 33)
Crime contra a saúde pública
TCU identifica desvio de recursos, superfaturamento e favorecimento de empresas na Secretaria de Saúde entre 2008 e 2010. Prejuízo chega a R$ 6,5 milhões. (Págs. 1 e 31)
Contas públicas: Gasto com o funcionalismo está no limite
O sinal de alerta foi aceso no GDF. Em 2010, as despesas com o pagamento de salários e benefícios dos servidores chegaram próximo ao teto da Lei de Responsabilidade Fiscal. Para este ano, o Executivo local terá que controlar a verba, com prejuízo para reajustes e novas contratações. (Págs. 1 e 29)
Maracanã pode ser demolido por problemas na cobertura. Um novo estádio seria construído ao custo de R$ 1,7 bi. (Págs. 1 e Brasília-DF, 8)

Valor Econômico

Desoneração da folha de salários pode ser seletiva
Preocupado com a perda de competitividade do setor produtivo brasileiro provocada pela apreciação da taxa de câmbio, o governo federal estuda desonerar a folha de salários das empresas dos setores da economia mais prejudicados pela concorrência internacional. O objetivo é dar meios a setores como o têxtil e o de brinquedos para enfrentarem a competição de produtos importados da China. Outros setores que poderão ser beneficiados são os de calçados e bens de capital (máquinas e equipamentos). Inicialmente, a ideia do governo era diminuir, de forma linear, a contribuição incidente sobre a folha de pessoal destinada ao financiamento da Previdência em todos os setores da economia. Hoje, as empresas pagam contribuição equivalente a 20% do total da folha salarial. Mas por causa das restrições fiscais no primeiro ano da gestão Dilma Rousseff, o governo deve optar por uma desoneração setorial. (Pág. 1)
UE investiga importação de aço pelo Brasil
A União Europeia foi acionada pela indústria siderúrgica para investigar uma medida aplicada no Brasil - preços de referência - que poderia elevar as tarifas de importação de aço e frear o grande fluxo desses produtos para o país. A Eurofer, organização dos produtores europeus de aço, reclama que Brasília passou a adotar preço de referência que, suspeita, violam as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC). A UE e também os Estados Unidos levantaram a problema no Comitê do Aço da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCOE), em Paris, em dezembro. O Brasil prometeu responder depois: em detalhes. Até agora, Bruxelas não abriu investigação formal contra a prática brasileira. Os europeus acionaram sua missão em Brasília para esclarecer o problema, antes de decidir o que fazer. (Págs. 1 e A2)
Sai caro deter a valorização do real
O Banco Central gastou cerca de US$ 14,G bilhões em intervenções no mercado cambial este ano, as reservas já atingiram US$ 300 bilhões e houve um ganho de 0,12% do dólar frente ao real. Sem a atuação do BC, a cotação, que ontem foi de R$ 1,6680, estaria hoje perto de R$ 1,55, segundo Tony Volpon, chefe da área de pesquisas de mercados emergentes da Nomura Securities.
Um colchão tão elevado de reservas da segurança aos país em tempos de turbulência, mas tem um custo alto: cerca de US$ 30 bilhões ao ano, segundo cálculos do economista Marcio Garcia. Há outros custos, mais difíceis de serem mensurados: inflação, juros e encarecimento da rolagem da dívida mobiliária Volpon faz alguns exercícios e diz que se a cotação do dólar mudasse de R$ 1,75 para R$ 1,70 no cenário de referência usado pelo BC, o IPCA cairia de 4,8% para 3,7%, numa projeção ilustrativa e pouco exata. (Págs. 1, C1 e C12)
Foto legenda: Confronto
Manifestantes pró-governo(abalxo), em menor número, enfrentam os antigovemo na já célebre Praça Tahir, que se tornou o centro das demonstrações populares no Cairo: ontem, mais de 600 pessoas ficaram feridas e uma morreu, segundo as autoridades egípcias. (Págs. 1 e A9)
França se adapta ao agora endinheirado turista 'Bric'
Com a explosão do número de viajantes dos Bric (Brasil, Rússia, Índia e China) na Europa, que hoje são os que mais tem dinheiro para gastar, os diversos setores ligados ao turismo começam a dar atenção especial a eles.
China, Rússia (em terceiro, atrás do Japão) e Brasil (atrás dos EUA) estão entre os cinco principais países de origem da clientela estrangeira na Printemps. Por isso, a loja de departamentos passou a exigir que seus vendedores falem, além do francês e do inglês, uma terceira língua: português, russo, chinês ou árabe. Dos 8,5 milhões de visitantes do Louvre em 2010, 410 mil foram brasileiros. O museu também estuda traduzir o mapa informativo e documentos da área multimídia para o português. (Págs. 1 e B4)
Porto antigo terá licença ambiental
Os problemas criados pela falta de licença ambiental da maioria dos portos públicos do pais, que existem desde muito antes dessa exigência, podem estar perto de acabar. Um dos quatro decretos que devem ser encaminhados pela Secretaria dos Portos a Casa Civil propõe que, num primeiro momento, para não afetar o comércio exterior, todos os portos passem a ser considerados licenciados, tendo então de cumprir uma série de exigências para manter a licença. Do contrário, terão o aval cassado. A informação e do ministro dos Portos, Leônidas Cristino. Outros dois decretos tratam da ampliação das áreas físicas dos portos de Santos (SP) e Suape (PE), e o último cria a Comissão para Assuntos de Praticagem. Todos foram concebidos na gestão anterior, de Pedro Brito, mas por um rito burocrático da troca de comando na pasta precisam do aval do novo ministro, também cearense e igualmente indicado ao cargo pelo clã dos irmãos Cid e Ciro Gomes, do PSB. (Págs. 1 e B7)
Matéria-prima em alta leva Electrolux a aumentar preços
A alta das cotações das matérias-primas, como aço, está levando o grupo sueco Electrolux, que teve um faturamento mundial de US$ 14,75 bilhões no ano passado, a aumentar entre 8% e 10% os preços na América do Norte a partir de abril, estendendo gradualmente os reajustes pára a Europa e, a partir dali, para outros mercados no mundo, disse ontem seu novo presidente, Keith McLoughlin. A empresa estima que seus custos com matérias-primas vão subir entre US$ 230 milhões e US$ 310 milhões neste ano.
No cargo há apenas um mês, Mcloughlin disse ao Valor que o Brasil se transformou no segundo maior mercado do mundo em volume de vendas para o grupo sueco, ficando atrás apenas dos Estados Unidos. (Págs. 1 e B1)
Fatia dos importados nos bens industriais consumidos no Brasil dobra e atinge 20% (Págs. 1 e A3)

Construtoras dos EUA oferecem 'green card' em troca de crédito (Págs. 1 e B9)

Restrição ambiental
A Siderúrgica do Atlântico, sociedade entre a ThyssenKrupp e a Vale, vai investir R$ l00 milhões para reduzir a emissão de poluentes. A usina trabalha abaixo da capacidade por exigência dos órgãos ambientais. (Págs. 1 e B1)
Banda larga eleva busca por redes
Crescimento da demanda por banda larga, fixa e móvel faz crescer o investimento das empresas de infraestrutura de telecomunicações para atender de grandes operadoras a pequenos provedores de serviços. (Págs. 1 e B2)
Brasanitas chega ao Nordeste
A instalação de mais empresas no complexo industrial do porto de Suape e a construção da Refinaria Abreu Lima pela Petrobras levaram a prestadora de serviços Brasanitas a abrir no Recife sua primeira filial na Região Nordeste do país, diz Marcelo Trovati. (Págs. 1 e B4)
'Imigrantes' uruguaias
Desde que passaram a integrar a portfólio premium da Ambev no Brasil, as tradicionais cervejas uruguaias Norteña e Patricia praticamente sumiram de seu próprio país. A Pilsen, também da Ambev, é hoje sinônimo de cerveja no Uruguai. (Págs. 1 e B6)
Boleia vazia
Nem falta de crédito nem estradas ruins. A maior preocupação das transportadoras em 2010 foi a falta de mão de obra qualificada, segundo pesquisa da NTC & Logística. (Págs. 1 e B7)
Novas fronteiras
Alijadas das maiores regiões produtoras pelas gigantes Vale, BHP e Rio Tinto, outras mineradoras de ferro disputam jazidas nas regiões árticas do Canadá. (Págs. 1 e B8)
Inflação dos alimentos
Turbulências políticas em países árabes, disputa trabalhista nos portos argentinos e problemas climáticos nos EUA impulsionaram os preços da soja, milho e trigo as maiores cotações dos últimos 30 meses. (Págs. 1 e B11)
Cargill construirá fábrica
A Cargill vai investir RS 350 milhões na construção de uma nova fábrica no Brasil para a produção de ingredientes a base de milho, como amidos e adoçantes. Três Estados disputam o investimento. (Págs. 1 e B11)
Estévia ganha escala
Aprovação do uso da estévia como adoçante nos EUA abre mercado para o produto e atrai fabricantes para o Brasil, como a Wisdom Natural Brands, que vai montar uma base de produção no país. (Págs. 1 e Bl2)
Parcelamento parcial no Refis
Decisão do Tribunal Federal da 3ª Região (São Paulo e Mato Grosso do Sul) permitiu a uma empresa inscrita no Refis da Crise o parcelamento de apenas parte de sua dívida ativa. (Págs. 1 e E1)
Ideias
Vinícius Carrasco e João P. de Mello

Criação de um mercado secundário de “direitos de ressarcimento" pede ajudar a combater a prática de cartel no Brasil. (Págs. 1 e A10)
Ideias
Alexandre Schwartsman

Não é a alta dos preços internacionais que tem elevado a inflação, mas a inconsistência das políticas monetárias e cambial. (Págs. 1 e A11)

Estado de Minas

Uma promessa que não pode ficar só no papel
Deputados estaduais criam frente pela segurança no Anel Rodoviário

Parlamentares prometem, a exemplo dos deputados federais e dos órgãos responsáveis pela manutenção e fiscalização da via, ações para evitar tragédias como a que matou cinco pessoas sexta-feira. Mas iniciativas semelhantes em relação à BR-381, em 2007, e à BR-040, em 2009, não resultaram em efetiva melhoria das rodovias e redução das mortes. Ontem entraram em vigor as primeiras medidas paliativas. O Dnit começou os estudos para a instalação de seis novos radares fixos e a PM Rodoviária passou a operar quatro equipamentos móveis no trecho mais crítico. (Págs. 1, 9, 21 e 22)

Foto legenda: Policiais rodoviários intensificaram a fiscalização, mas muitos caminhões continuaram trafegando na esquerda junto à mureta de proteção, o que é proibido, e alguns em alta velocidade. (Pág. 1)
Sua chance de pôr a mão na massa
Há 6 mil vagas para padeiros e confeiteiros em Minas. Salário inicial pode chegar a R$ 3 mil. (Págs. 1 e 16)
Produção industrial cresce 10,5%
Alta em 2010 foi a maior desde o Plano Cruzado. Mas houve desaceleração nos últimos seis meses. (Págs. 1 e 14)
Foto legenda: Praça de guerra no Centro do Cairo
Pelo menos três pessoas morreram e 1.500 ficaram feridas em confronto entre opositores e partidários do ditador Hosni Mubarak. Simpatizantes do governo avançaram sobre a multidão com pedras, bombas de gás lacrimogêneo e coquetéis molotov. O Exército interveio com tiros para o alto para evitar mais derramamento de sangue. (Págs. 1 e 18)
Supremo: Novo ministro se diz honrado com a missão
Carioca, 57 anos, Luiz Fux substituirá Eros Grau no STF. Ele agradeceu à presidente Dilma pela escolha. No Diário Oficial, seu nome saiu grafado Pux. (Págs. 1 e 6)
Mau tempo: Nevasca impede 12 mil voos nos EUA e para o país
Mais de 100 milhões de americanos foram afetados pela tempestade de neve. Nova York e Chicago estão entre as cidades mais afetadas. (Págs. 1 e 19)
Sem barganha
Dilma rechaça elevar salário mínimo para mais de R$ 545. (Págs. 1, 3, 4 e Editorial, 12)

Jornal do Commercio (PE)

Abuso policial
Dentro de uma delegacia, presos são obrigados por policiais a se beijarem e trocar declarações de amor. Toda a sessão de humilhações foi filmada e as imagens, colocadas na internet. (Pág. 1)
Foto legenda: Egito
Três mortos e centenas de feridos em praça do Cairo. (Pág. 1)
Ampliado o limite para a compra da casa própria (Pág. 1)

Três jovens indiciados por amarrar e agredir um mendigo (Pág. 1)

Zero Hora (RS)

RS despenca no ranking de doadores
Após duas décadas de liderança, o Estado perdeu cinco posições em cinco anos. (Págs. 1 e 36)
Mais teto: Programa eleva limite para financiar imóvel
Crédito para o Minha Casa, Minha Vida será maior, o que movimentará a construção e o mercado. (Págs. 1 e 16)
Ajuste de preço: Ministro vem anunciar medidas para o arroz (Págs. 1 e 16)

Foto legenda: Praça Tahrir, Egito
“Paus, tacos e pedras foram usados como armas”. Luiz Antônio Araujo Enviado Especial/Cairo. (Págs. 1, 4 e 5)

Fontes: Radiobras – JBWiki!

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
BrasilWiki!
São Paulo - SP



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br