Atualizado 14h17 Quarta, 21 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Deu no papel

LG e Samsung mostram protótipos de telas dobráveis com cores vivas

641 acessos - 0 comentários

Publicado em 01/12/2010 pelo(a) Wiki Repórter dilmamentiras, Içara - SC





RIO - Se estamos vivendo hoje a era dos tablets, num futuro não muito distante podem aparecer os tablets flexíveis. É o que demonstrou uma exposição de telas finas (flat panels) que aconteceu recentemente em Chiba, no Japão. A propósito, que não se pense que a tecnologia de telas flexíveis é voltada apenas para o consumo direto. Segundo o professor Marco Cremona, do Departamento de Física da PUC-Rio, o interesse veio primeiro dos militares, pois tais telas seriam úteis em operações de campo.

- Vi na televisão as operações dos policiais na Vila Cruzeiro e reparei que um deles recebia informações sobre os traficantes num aparelho bem incômodo de carregar - comenta Marco. - Uma tela flexível certamente facilitaria o trabalho dos agentes no futuro. A Nasa também está de olho nessa tecnologia.

No evento no Japão, os destaques foram as telas flexíveis apresentadas pelas sul-coreanas LG e Samsung. A LG mostrou uma tecnologia mais simples, baseada em papel eletrônico dobrável. Seu estande exibia um aparelho flexível de 19 polegadas com páginas de jornal. Um sistema automático dobrava devagar o papel, mostrando que o conteúdo não era afetado pelo movimento.

OLED, o segredo para a flexibilidade

Já a Samsung levou protótipos flexíveis feitos com tecnologia OLED - que usa materiais orgânicos para emitir luz quando induzidos por uma corrente elétrica. Eles estavam em recipientes de vidro curvos e exibiam fotos em boa resolução que não perdiam a qualidade mesmo em suas esdrúxulas posições.

A meta da Samsung é dotar de telas assim os futuros gadgets e computadores (já imaginou um dia poder dobrar um tablet e botar na bolsa?). A OLED, nesse ponto, leva vantagem sobre o atual LCD, pois este é composto por duas telas (uma emite luz por trás da principal). Já a tecnologia rival, dos OLEDS, exige apenas uma tela, que pode ser bem fina.

- Os cristais líquidos do LCD precisam dessa luz auxiliar e não se prestam a materiais flexíveis - explica Marco Cremona. - Já os OLEDs emitem a própria luz e podem ser usados em plásticos e até em roupas.

Segundo Marco, essa propensão à flexibilidade é uma das principais vantagens dos OLEDs e AMOLEDs (os mais usados), além das cores, mais naturais que as dos LCDs.

Um mercado potencial de US$ 12 bilhões

Outra empresa que trabalha nessa área é a Sony, que já apresentou um protótipo de tela eletrônica tão fina que podia ser enrolada num lápis sem que a imagem ficasse distorcida. Ela tinha apenas 80 micrômetros de espessura (a mesma de um fio de cabelo).

" As empresas asiáticas são as mais versadas no uso da tecnologia, mas no Brasil temos know-how para nos aproveitarmos dos OLEDs "

- As empresas asiáticas são as mais versadas no uso da tecnologia, mas no Brasil temos know-how para nos aproveitarmos dos OLEDs, inclusive em painéis de iluminação em ambientes que poderiam mudar de cor conforme o gosto do freguês - diz Cremona. - E essa tecnologia consome menos energia.

O professor lembra que já existem telas em OLED nos atuais smartphones da Samsung, como o Galaxy.

- Nesse tamanho de smartphone, a tecnologia ainda não acarreta alto custo de produção. Já para aparecer em telas maiores, como as de e-readers e tablets, o processo pode levar alguns anos. É preciso achar o material certo para a produção em escala.

E é justamente nisso que dois pesos pesados estão trabalhando com afinco. O Instituto de Pesquisa em Tecnologia de Taiwan e a taiwanesa AU Optronics se uniram para desenvolver um processo de fabricação e industrialização dessa telas, algumas com 30 micra de espessura.

Segundo os especialistas do instituto taiwanês, à medida que as propriedades do papel eletrônico amadurecerem, ele passará do preto-e-branco visto hoje na maioria dos e-readers a um material colorido, capaz de ser curvado, dobrado ou enrolado. Para o executivo, o mercado potencial dos e-readers policrômicos e flexíveis pode chegar a US$ 12 bilhões.

Fonte: O Globo - Digital & Midia

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
dilmamentiras
Içara - SC



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br