Atualizado 23h16 Segunda, 19 de agosto de 2013   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Deu no papel

Aeroportos - Antes que o vexame se repita

806 acessos - 0 comentários

Publicado em 23/11/2010 pelo(a) Wiki Repórter BrasilWiki!, São Paulo - SP



DESTAQUES DE JORNAIS BRASILEIROS, TERÇA-FEIRA, 23 DE NOVEMBRO DE 2010.

Jornal do Brasil

Terror foi tramado no Alemão
Polícia não vai ao complexo, e petista diz que já esperava ataques

Não há mais como negar. Depois dos últimos arrastões e de nova queima de carros nas ruas do Rio, o governador Sérgio Cabral finalmente admitiu que a onda de terror é represálias às Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), como o JB antecipou na edição do último dia 12. O presidente do PT no Rio, deputado, Luiz Sérgio foi mais além e afirmou que a revolta dos bandidos já era esperada. Enquanto isso, no complexo do Alemão, líderes da facção criminosa responsável pela onda de terror e expulsos de seus morros pelas UPPs tramam ações sem a ameaça da polícia, que não vai lá há dois anos. (Págs. 1 e País, 2 e 3, e Rio, 8 e 9)

Fiesp pede investimento de R$ 2 trilhões até 2022 (Págs. 1 e Economia, 19 e 20)

O Globo

Após ataques do tráfico, PM retomará ações em favelas
Cabral admite que série de arrastões, com incêndios, é reação a UPPs

Após mais um ataque do tráfico, ontem, numa série de arrastões e um total de seis carros incendiados nas ruas do Rio desde o fim de semana, o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, anunciou que a polícia voltará a fazer operações em favelas, em busca dos autores, e vai reforçar o patrulhamento em áreas mais vulneráveis da cidade. Pela primeira vez em dois anos, desde o início da implantação das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), o tráfico amplia a reação orquestrada ao projeto de pacificação de favelas. "É uma tentativa de intimidação. Mas não vamos retroceder, continuaremos reconquistando territórios e levando a paz às comunidades", afirmou o governador Sérgio Cabral. (Págs. 1, 16 a 18 e editorial "Violência requer resposta coordenada")

Sociedade quer resposta firme

Os especialistas em segurança pública também acreditam, como Cabral, que os episódios de violência no Rio são uma reação dos criminosos à política de pacificação de favelas. Mas, em comum com líderes de vários segmentos, todos esperam uma resposta contundente do governo do estado. (Págs. 1 e 18)

Medidas contra caos aéreo no fim de ano
Empresas ficam proibidas de vender mais bilhetes do que o número de assentos no voo
As empresas aéreas estão proibidas de praticar o overbooking entre 17 de dezembro e 3 de janeiro. A decisão, que impede a venda de mais passagens do que o número de assentos disponíveis nos voos faz parte do plano elaborado para evitar o caos aéreo neste fim de ano. A Anac, que se reuniu ontem com companhias e representantes do setor, anunciou a obrigação de endossar o bilhete em caso de cancelamento de voo e a contratação de funcionários extras. (Págs. 1 e 27)

Copa: ministro critica aeroportos
O ministro do Esporte, Orlando Silva, se uniu ontem às críticas às condições dos aeroportos brasileiros para a Copa de 2014: "Imagino que a Infraero terá que alterar totalmente a conduta, a atitude e o comportamento sob pena de oferecer constrangimentos ao evento." (Págs. 1 e Caderno Esportes)
O Tombini de Meirelles
A presidente eleita, Dilma Rousseff, caminha para a definição da equipe econômica. Ela decidiu descartar a permanência de Henrique Meirelles à frente do BC. O nome mais forte agora é o do atual diretor de Normas do banco, Alexandre Tombini, que não despertaria temor no mercado. Miriam Belchior deve ir para o Planejamento. (Págs. 1 e 3)

Paulinho é condenado por golpe no FAT
O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho, e a Força Sindical, presidida por ele, foram condenados a devolver R$ 235 mil e a pagar multa de R$ 471 mil, por irregularidades no uso de verbas do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). (Págs. 1 e 9)
Juiz ameaça multar por J. Botânico
Pela segunda vez, o juiz Jose Carlos Zebulum, da 27ª Vara Federal, determinou a reintegração imediata da posse, pela União, de um imóvel em área dentro do parque do Jardim Botânico. Em caso de desobediência, ele fixou uma multa diária de R$ 2 mil. (Págs. 1 e 21)
Anticlímax no México
A 16ª Conferência Mundial do Clima começa dia 29, em Cancún, já sem esperança de alcançar um acordo. (Págs. 1 e Planeta Terra)

Folha de S. Paulo

Governo proíbe o overbooking nos voos de fim de ano
Boa Notícia: A partir de 17 de dezembro, empresas aéreas não vão poder vender assentos acima da capacidade dos aviões

A Anac (Agencia Nacional de Aviação Civil) informou que as companhias aéreas brasileiras estão proibidas de praticar overbooking - vender mais passagens que os assentos disponíveis nos aviões - durante suas operações de Natal e Ano Novo, no período entre 17 de dezembro e 3 de janeiro.

Segundo a presidente da agência, Solange Vieira, as empresas se comprometeram a suspender a prática, sob pena de multa. A Anac tenta evitar que a expansão dos voos domésticos resulte em caos: embarques e desembarques devem somar 14 milhões em dezembro, 12% a mais que em 2009.

A Anac também informou que vai distribuir 120 fiscais pelos principais aeroportos do país. Para especialistas, a punição por overbooking deveria ocorrer todos os dias, e não apenas por um período do ano. (Págs. 1, C1 e C4)

Análise

Prática não é mal em si, mas no país é problema, diz o especialista Cleveland Prates. (Págs. 1 e C4)

Edital do trem-bala ’esquece’ rede elétrica
O edital sobre a viabilidade do trem-bala não previu o custo da construção de linhas de transmissão de energia. O problema deve aumentar em R$ 1 bilhão o valor do projeto, estimado hoje em R$ 33,1 bilhões.

Embora não preveja essa despesa, o edital atribui ao vencedor a responsabilidade da construção do sistema ao vencedor da licitação. O prazo para entregar as propostas vence na próxima segunda-feira, dia 29. (Págs. 1 e B1)
Incerteza sobre BC faz os juros futuros subirem
Juros de contratos que vencem em janeiro de 2013 foram a 12,35%, o maior nível desde junho. Para analistas, isso se deve a incertezas sobre a autonomia do Banco Central na futura gestão Dilma Rousseff. (Págs. 1 e A6)
Foto legenda: Desespero e morte
Cambojanos tentam fugir de ponte no rio Mekong, onde ocorria festa; pânico causado por suposta descarga elétrica deixou ao menos 345 mortos. (Págs. 1 e A15)
Crise e socorro forçam Irlanda a antecipar data das eleições
A crise da Irlanda após o governo aceitar megaempréstimo do FMI e da União Europeia levou o premiê Brian Cowen a se dizer disposto a dissolver o Parlamento e antecipar as eleições marcadas para 2012.

Portugal e Espanha tentam se dissociar da crise irlandesa. O governo português voltou a prometer ações contra o déficit e porta-voz da UE elogiou os "esforços" espanhóis. (Págs. 1 e B3)
RJ atribui onda de arrastões a traficantes emburrados
Pela primeira vez desde o começo da onda de arrastões e incêndios de carros, em setembro, a cúpula da segurança do Rio atribuiu os ataques a uma ação orquestrada pela facção criminosa Comando Vermelho, sem citá-la nominalmente.

O secretário Jose Mariano Beltrame disse que os traficantes estão "emburrados" com as medidas do governo. Ontem, mais três carros foram incendiados. (Págs. 1 e C3)

Carlos Heitor Cony

Ataques são uma nova etapa da guerrilha urbana. (Págs. 1 e A2)
Professores da USP criam curso de graduação pago
Criada por professores da USP, a FIA (Fundação Instituto de Administração) oferecerá a partir de 2011 curso particular de graduação em administração, com mensalidade de R$ 2.200. Alunos e sindicalistas apontam conflito ético; para diretor da FIA, a ação beneficia a universidade pública. (Págs. 1 e C5)
Amorim diz que país que critica iranianos quer aplauso de ONGs (Págs. 1 e A17)
Editoriais
Leia "Paliativo para as férias", sobre medidas da Anac contra o caos aéreo em dezembro; e "Abstenção pró-Irã", acerca da política externa brasileira. (Págs. 1 e A2)

O Estado de S. Paulo

Para evitar caos aéreo, Anac veta overbooking
Companhias não garantem endosso de passagens emitidas por concorrentes em caso de cancelamento

A Agencia Nacional de Aviação Civil (Anac) anunciou a proibição da venda de passagens além da capacidade das companhias (overbooking) e determinou que as empresas endossem bilhetes emitidos por concorrentes, em casos de cancelamento. Ainda se definiu que voos fretados (charter) serão monitorados. Um plano fechado pelo governo com as seis principais empresas aéreas prevê até perda de voos e de fretamentos, e elas serão obrigadas a ter avião reserva para o caso de problemas. Especialistas se dizem céticos quanto à proibição de overbooking. Apesar do compromisso de endosso de bilhetes das concorrentes, a Gol, por exemplo, avisou não ser possível garantir a realocação de todos os passageiros. A Anac estima em ate 95% a ocupação dos voos na segunda quinzena de dezembro. (Págs. 1 e Cidades C1)

Foto legenda: Guerra urbana
No Rio, três carros foram queimados e uma cabine da PM, metralhada. Os ataques são atribuídos à insatisfação de traficantes. (Págs. 1 e Cidades C4)
Dilma busca trégua e verá o papa em 2012
Um encontro entre representante do Vaticano e o chefe de gabinete do presidente Lula, Gilberto Carvalho, definiu ontem que a futura presidente Dilma Rousseff deverá se encontrar com o papa Bento XVI em 2012. Por meio de Carvalho, Dilma enviou carta ao pontífice para estabelecer trégua após as polêmicas da campanha eleitoral. (Págs. 1 e Nacional A4)
Tânia Bulhões é condenada a quatro anos de prisão (Págs. 1 e Economia B13)
Amorim tenta justificar posição do Brasil pró-Irã (Págs. 1 e Internacional A15)
Brasil e mais 6 países vão produzir droga antiaids (Págs. 1 e Vida A18)
Notas & Informações
O que ela diz o PT não pensa

Dilma disse a petistas que "temos de governar para aqueles que nos apoiaram e que não apoiaram". (Págs. 1 e A3)

Correio Braziliense

Investigação do caso Villela entra em xeque
A sequência de equívocos, prisões injustificadas e troca de acusações contaminou a credibilidade da investigação acerca do caso Villela. Os advogados de Adriana, filha do casal assassinado, pediram à Justiça o afastamento da delegada Mabel de Faria, da Coordenação de Crimes contra a Vida (Corvida), por entenderem que lhe falta isenção à frente do inquérito. A Corregedoria da Polícia Civil, por sua vez, abriu procedimento administrativo para verificar a conduta das equipes de Mabel Faria e de Deborah Menezes, titular da 8ª DP e responsável pela prisão do ex-porteiro Leonardo Alves, assassino confesso do crime. Além da querela pública entre as delegadas, a condição de Adriana Villela suscita fortes críticas ao trabalho da polícia. Na avaliação do presidente da OAB/DF, Francisco Caputo, as provas contra a acusada são "vazias". O ex-ministro do TSE Pedro Gordilho, amigo dos Villelas, denuncia em artigo ao Correio a "bizarra insistência" de lançar acusações à filha do casal. (Págs. 1 e 25 a 27)
Meirelles sai, mas antes os juros devem subir
Dilma Rousseff vai trocar o presidente do Banco Central na sua gestão. Alexandre Tombini, diretor de normas da instituição, é o favorito. Taxa Selic pode aumentar em dezembro para conter inflação. (Págs. 1, 2 e 12)
Fim de ano: Com medo do caos aéreo, Anac entra em alerta
A possibilidade de confusão nos aeroportos em dezembro e janeiro fez a Agência Nacional de Aviação Civil anunciar um plano de prevenção. Entre as medidas, está a proibição do overbooking: as empresas não podem vender mais passagens do que a capacidade do avião. (Págs. 1 e 10)

Valor Econômico
Varejo reduz prazos para as vendas de fim de ano
As compras de Natal serão a prazos mais curtos neste ano, especialmente nos segmentos de eletroeletrônicos, linha branca e bens de informática. O Grupo Pão de Açúcar anunciou mudanças na política de crédito para as bandeiras Extra e Ponto Frio, alterações que já respingam na Casas Bahia, operação que ficou subordinada à Nova Globex. Em 2009, o consumidor encontrava planos de até 24 meses na agressiva Casas Bahia. Agora, as vendas de fim de ano no setor serão limitadas a no máximo 19 prestações.
O Carrefour, que durante seu aniversário, em setembro, chegou a parcelar suas vendas em até 30 vezes no cartão próprio, desistiu de levar a promoção até o fim do ano e retomou a política de 15 vezes. (Págs. 1 e C1)
Tensão ronda mudanças na área espacial
A área espacial brasileira atravessa uma fase de incertezas provocada pela perspectiva de mudanças no organograma do setor. O assunto está sendo avaliado pela equipe de transição do governo Dilma Rousseff e prevê a criação de uma agência ou secretaria diretamente vinculada ao Palácio do Planalto para articular o programa aeroespacial, hoje fragmentado.

Os estudos incluem a área nuclear, que também teria agência ou secretaria diretamente vinculada ao Planalto, considerada necessária como órgão de controle, coordenação e formulação política. (Págs. 1, A3 e A4)

’Valor’ lista mil empresas de médio porte
Um levantamento inédito feito pelo Valor Data reúne com exclusividade dados de mil empresas do chamado "middle market", de todas as regiões do país. O ranking, que lista companhias com receita líquida de até R$ 232 milhões, é apresentado em edição especial da revista "Valor Investe", que circula hoje para assinantes. Algumas dessas empresas já atraem a atenção de investidores. Outras estão em busca de alternativas para crescer e cogitam ir ao mercado ou uma associação com fundos especializados. Esses temas serão debatidos também em quatro seminários, o primeiro deles, hoje, em Salvador. (Pág. 1)
Meirelles sai, mas BC não perde status
O presidente do Banco Central no governo de Dilma Rousseff continuará com status de ministro. Henrique Meirelles, atual titular, não foi e nem será convidado a permanecer no cargo. Meirelles pode assumir um ministério ligado à área de infraestrutura, mas isso depende de negociação com o PMDB. O diretor de normas do BC, Alexandre Tombini, é o nome mais forte para substituí-lo no comando do BC.

Essas informações, confirmadas ontem por fontes graduadas da equipe de transição, colocam um ponto final nas cogitações da semana passada sobre o futuro da área econômica no próximo governo. (Págs. 1 e A7)
Petrobras vai deixar o Equador
A Petrobras decidiu que não vai se transformar em uma prestadora de serviços, com a migração dos contratos exigida pelo governo do Equador, e deixará de produzir petróleo no país. A decisão será formalizada hoje na Argentina, em uma reunião da Petrobras Energía (PESA), que controla as operações no Equador. "Seremos indenizados pelas áreas e pelos investimentos não amortizados", disse uma fonte da estatal. A participação de 11,42% no Oleoducto de Crudos Pesados (OCP), que leva óleo da Amazônia equatoriana até a costa do Pacífico, não será vendida, apesar de não ser tida como "bom negócio" na Petrobras. O OCP tem contrato de transporte com a Petroecuador até 2018 e a estatal ficará com a participação, por enquanto. (Págs. 1 e A11)

Providência terá fábrica nos EUA e mais uma no Brasil, diz Freitas (Págs. 1 e B1)

Ajuda à Irlanda não acalma investidores, que veem riscos em alta em Portugal (Págs. 1 e C2)

Medidas para evitar o caos aéreo
Anac, Infraero e empresas aéreas definiram o plano para evitar congestionamentos nos aeroportos neste fim de ano. Entre as medidas estão a proibição do "overbooking" e obrigação do endosso de passagens. (Págs. 1 e B4)

Refrigerantes avançam na AL
Em quatro anos, a América Latina deverá ultrapassar a América do Norte como segundo maior mercado de refrigerantes do mundo, com maior crescimento no Brasil e Peru, hoje abaixo da média da região. (Págs. 1 e B5)
Negócios no Oriente
Maior parceiro comercial do Brasil, a China impõe ao país o desafio de intensificar essa relação, mas sem permitir que a economia brasileira perca seu caráter multilateral e se torne dependente do gigante asiático, diz Roberto Abdenur. (Págs. 1 e Caderno Especial)
AleSat é alvo de concorrentes
Considerada um dos últimos ativos disponíveis no mercado brasileiro de distribuição de combustíveis, a rede AleSat atrai interesse de Ultra e Cosan. (Págs. 1 e B9)
Viracon entra no Brasil
A Viracon, maior fabricante de vidros para construção civil na América do Norte, ingressa no mercado brasileiro com a aquisição da Glassec. O valor do negócio não foi divulgado. (Págs. 1 e B9)
Pinesso colhe algodão no Sudão
O Grupo Pinesso, que planta soja e algodão no Centro-Oeste, inicia em dezembro sua primeira colheita de algodão no Sudão. A produtividade deve se aproximar da alcançada no Brasil, quatro vezes maior que a média sudanesa. (Págs. 1 e B14)
Conservadorismo on-line
Pesquisa mostra que dois em cada cinco investidores utilizam a internet para fazer suas aplicações. Mesmo entre estes, a caderneta de poupança e a opção preferida. As ações aparecem em segundo lugar. (Págs. 1 e D1)
Ideias
Antonio Delfim Netto

Se a política de afrouxamento quantitativo do Fed tem pouco suporte empírico, a de seus detratores não é muito melhor. (Págs. 1 e A2)
Ideias
Raymundo Costa

De uma composição equilibrada do ministério dependerá o sucesso do governo da primeira mulher presidente. (Págs. 1 e A6)

Estado de Minas

Antes que o vexame se repita
Medo de caos nos aeroportos no fim do ano leva a Anac a proibir empresas de vender mais passagens do que o número de assentos nos aviões

Em reunião, ontem, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e representantes das seis maiores companhias de aviação do país descobriram o óbvio: basta respeitar o passageiro para impedir novo apagão aéreo no país. Além de aumentar a fiscalização nos aeroportos e de proibir a venda de passagens acima da capacidade dos aviões, a Anac determinou que as empresas deverão manter aeronaves de reserva e ocupar todas as posições de check-in nos horários de pico. (Págs. 1 e 13)
Meirelles fora: Tombini é o preferido de Dilma para BC
O diretor de Normas do Banco Central, Alexandre Tombini, é o mais cotado para assumir o comando da instituição em lugar de Henrique Meirelles, cuja saída é dada como certa. Corre por fora o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa. (Págs. 1 e 3)
Balança comercial
Brasil importa quase US$ 1 bi todos os dias. (Págs. 1 e 15)
Indústria: Empresários veem perda de competitividade
Reunidos em seminário em BH, empresários e economistas alertam para riscos da desindustrialização do país. Maior preocupação é com a alta carga tributária, legislação trabalhista defasada, infraestrutura e logística precárias. (Págs. 1 e 14)
Foto legenda: A ordem é limpar o nome
Cerca de 4 mil pessoas foram ontem à CDL/BH no primeiro dia da Campanha de Recuperação de Crédito 2010, que garante descontos de até 60% na negociação de débitos com500 empresas. A dívida ainda pode ser parcelada. Até sexta-feira, mais de 35 mil devedores serão atendidos. (Págs. 1 e 16)

Jornal do Commercio (PE)

Ofensiva contra o caos nos aeroportos
Anac anuncia medidas para evitar apagão aéreo no Natal, como a proibição de vendas de passagens além da capacidade (overbooking) e obrigação das empresas de endossar bilhetes emitidos por concorrentes, em caso de cancelamento. (Pág. 1)

Mais uma ação por novo Enem para todos
Defensor público federal vai processar o MEC para tentar replicação da prova para qualquer fera que se sentiu prejudicado por falhas no exame. (Pág. 1)

Zero Hora (RS)

Combate ao crack reduz crimes no RS
Em consequência da repressão ao consumo da pedra, caem também os números de ataques a motoristas, roubos e furtos.

Instituto reforça luta contra a epidemia. (Págs. 1, 4, 5 e Editorial, 16)
Novo aliado: PDT decide participar do governo Tarso
Partido ainda negocia as secretarias que irá ocupar. (Págs. 1 e 6)
Aeroportos: Anac propõe medidas para evitar caos
Overbooking proibido
Endosso de passagens
Aviões reservas para eventuais problemas
Reforço nas equipes
Reativação de terminal em Porto Alegre. (Págs. 1 e 18)

Tom de despedida: Meirelles diz que deixa cargo com Lula
Presidente do BC deu sinais de que não integrará governo Dilma. (Págs. 1 e 22)

Fontes: Radiobras – BrasilWiki!

Reporte abuso COMPARTILHE No Twitter No Facebook

Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
BrasilWiki!
São Paulo - SP



Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2013. Brasil Mídia Digital

jb.com.br