Atualizado 23h08 Quarta, 17 de setembro de 2014   |   Política de privacidade   |   Anuncie   |   Quem somos   |  
Logo JBWiki Logo JB Publicar Conteudo


O JBWiki! é um jornal online participativo, quem escreve é você!

Como funciona
1 Se você já tem cadastro, sua matéria é publicada na hora em pendentes
Cadastre-se
2 Se você não tem cadastro e quer enviar uma matéria, ela só é publicada depois de aprovação
Enviar matéria sem cadastro

Posts com vídeos

Tatuagem (Chico Buarque)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Guantanamera (Los Sabandeños)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
O Artista (Trailer Legendado)
Publicado em 28/02/2012 pelo(a) wiki repórter Júlio Ferreira, Recife-PE
Cultura

Extra! Extra! Vírgula, separa sujeito do verbo!

4954 acessos - 11 comentários

Publicado em 18/09/2008 pelo(a) Wiki Repórter fernandofischer, São Paulo - SP



Quem ama, educa. - Foto: Internet

Quem não se lembra de ouvir o professor repetir inúmeras vezes que sujeito e verbo não se separa com vírgula? A resposta é simples: ninguém. Hoje em dia, lembrar de alguma coisa ensinada na escola é raridade. Escrever corretamente, então, mais raridade ainda. Muita gente adota a política conformista do "Deu pra entender? Então tá bom". Essas pessoas só se esquecem do fato de que inteligência e conhecimento não deveriam ser considerados luxo. No Orkut e no MSN pode até ser legal, prático e cool não saber escrever e, por isso, fazer tudo de qualquer jeito usando a tal desculpa conformista. Mas existem horas em que é preciso usar tudo aquilo que aprendemos. O problema é que a maioria das pessoas não aprendeu...

Faço faculdade de Jornalismo e fico abismado com alguns erros que vejo de vez em quando. Esses dias me deparei com um título de um aluno que dizia que o futebol feminino era ‘um dos destaques brasileiro nas olímpiadas’. Imagino que o autor do texto pensou que, se o destaque é um só, usar ‘brasileiro’ no singular seria a melhor opção. Acho até um argumento válido, se fosse apresentado pela minha avó, que só fez até a 8ª série, há 60 anos, tem tanto problema na vida que esqueceu tudo que aprendeu e mesmo assim é mais inteligente - de uma forma especialmente dela, claro - do que muito pós-graduado que eu conheço. Mas de alguém que espera ser jornalista e viver de escrever, é inadmissível. Fazendo uma comparação simplista e sinteticamente falha, mas que pode exemplificar bem o tipo de pensamento errôneo que as pessoas têm nesses casos, se o futebol feminino era um dos destaques brasileiro nas olimpíadas, então a cerveja desce redonda. Erro de concordância é erro básico.

Quando percebo e corrijo esse tipo de erro, atitude corriqueira pra mim, sou chato, fresco, metido e arrogante. Repito: escrever corretamente é luxo. E se corrigir um erro crasso desses é frescura, imagine só reclamar de uma vírgula. Uma coisa tão pequena, tão insignificante. Um ponto com rabo...

"Vírgula não separa sujeito de verbo". Essa frase parece que já virou ditado popular. Observe que eu disse que ninguém lembra do que os professores ensinam, e não do que todo mundo fala o tempo todo. O problema é o papagaismo - decorar, recitar e nem saber o significado do que se está falando.

Há alguns anos, durante a administração daquela prefeita que usa o sobrenome do ex-marido porque é mais chique que o dela, as lotações apresentavam um belo adesivo com o logotipo da SPTrans, da Prefeitura Municipal (pleonasmo maravilhosamente encontrado em várias cidades do nosso belíssimo estado) e uma frase primorosa: "O transporte do idoso, tem a nossa preferência". Assim mesmo, com vírgula separando o sujeito do verbo. Acredito que na hora de elaborar o tal adesivo o pessoal de Comunicação da Prefeitura estava relaxado. Relaxou tanto que acabou gozando e não prestou atenção no que fazia.

No caminho para a casa da minha namorada sempre reparo em uma plaquinha bonitinha, símbolo do que acho interessante chamar de autruísmo obrigatório - por mais contraditório que isso pareça - ou da lei da compensação universal que assombra as empresas atualmente. "A viação Campo Belo e você, preservam este local", diz o aviso. Além de escreverem errado ainda me colocam no meio.

Sou da opinião de que, quando você se propõe a fazer alguma coisa, que faça direito. Como diria um primo meu, "Não sabe dirigir, não ‘direge’!". Se você vai escrever uma plaquinha pra colocar na rua e todo mundo que passa por ali ler, que pelo menos saiba escrever. Se não sabe, procure ao menos se informar pra não fazer besteira.

Esse assunto me veio à cabeça porque, dia desses, reparei nesta propaganda, que vem sendo veiculada há alguns meses, sobre planejamento familiar. Vale lembrar que o filme é do Governo Federal.

http://br.youtube.com/watch?v=YgBn3oRUjyc&

Coitada da pobre senhora. Ela tem que desempenhar o papel de pai e mãe e não lhe sobra tempo para estudar. "Responsabilidade, é coisa pros dois", ela diz. "Respeito, é coisa pros dois", emenda, não contente com um só erro. Como um é pouco, dois é bom e três quase formam uma mão do Lula completa, "Camisinha, é coisa pros dois", completa. O que é coisa pros dois? Responsabilidade, respeito e camisinha. Três sujeitos separados do verbo por vírgula. Será possível que a agência responsável pela campanha não possui um corretor gramatical? Ou será que nosso amado presidente escreveu, ele mesmo, o texto?

Quando contei para algumas pessoas sobre isso, ouvi a clássica resposta que permeia qualquer argumentação sobre vírgulas. Dizem que a vírgula está ali porque a atriz faz uma pausa na fala. Se fosse assim, cada pessoa usaria a vírgula de um jeito. Meu vizinho, gordo e asmático, tascaria vírgula entre cada palavra. Uma amiga da minha mãe que liga aqui de vez em quando e fica três horas no telefone não usaria uma vírgula sequer. Caetano Veloso seria uma vírgula ambulante.

O pior é que, não contentes com esses três erros, o nome da campanha, dito em alto e bom som, ainda termina de assassinar a gramática e violentar a fonética. "Se cuide. Filho não é brincadeira". Filho não, mas nossa língua é. Pronome oblíquo não inicia frase. Próclise, outro erro básico. Ninguém vai sair na rua gritando "Ouve-me, amor de minha vida. Amo-te. Quero-te. Faz-me feliz!". A próclise é comum na linguagem falada. Mas é proibida na norma culta da língua escrita. Se isso foi escrito desse modo de propósito para tentar uma aproximação com o público - o que me soa desnecessário, já que não se trata de uma campanha publicitária pra vender camisinha, filho e nem mulher separada - que mandassem logo um "Se cuida". Eu esperaria até um ’companheiro’ no final. Espero que o investimento em planejamento familiar dê retorno e sobre uma verba pra investir em educação.

Voltando ao assunto principal: "Então nunca se coloca vírgula entre o sujeito e o verbo?", você me perguntaria.

Não perguntaria? Bom, vou falar sobre isso do mesmo jeito. Lembro de uma professora que tive quando era criança pequena lá em Barbacena, que, em um belo dia, me ensinou que existem casos em que a vírgula é aceita. Não é necessária, mas é aceita. Não me lembrava direito dos casos, mas encontrei uma coisa interessante. Vejam lá em cima o nome do livro do japinha batuta que 10 entre 10 professores brasileiros já tiveram que ler pelo menos uma vez na vida.

Pergunta clássica ao verbo para encontramos o sujeito da oração: quem educa? Quem ama, claro. Então o sujeito é "quem ama". Opa! Vírgula entre o sujeito e o verbo detectada. Erro? Não. A vírgula não se faz necessária, mas pode ser usada. A frase poderia ser escrita sem ela e teria o mesmo efeito: "Quem ama educa". Mas optaram por colocar ali uma vírgula, provavelmente por tratar-se de dois verbos em seqüência. Eu não colocaria, mas ela está lá e temos que conviver com ela.

Existem outros casos onde a vírgula é permitida entre o sujeito e o verbo. "Aquelas duas gatinhas pretas com pequenas manchas brancas nas costas que adoram brincar com o novelo de lã roxo em dias frios de inverno e miam sem parar quando alguém lhes tira a ração antes de dormir, morreram". Quem morreu? Aquelas duas gatinhas pretas com pequenas manchas brancas nas costas que adoram brincar com o novelo de lã roxo em dias frios de inverno e miam sem parar quando alguém lhes tira a ração antes de dormir. Sujeito de Itu também permite vírgula. É necessária? Não, mas ajuda. O tamanho do sujeito e a quantidade de verbos nele podem confundir algumas pessoas. É uma questão de bom-senso. Acho que não tenho muito, pois não usaria nesse caso também.

A propósito, o título deste artigo está errado. Mas não estou nem aí, nem o pessoal do Governo Federal sabe escrever, por que eu teria que saber?

Publicado originalmente em http://theovertaker.wordpress.com.



Todos deste(a) repórter

Publicado pelo(a) Wiki Repórter
fernandofischer
São Paulo - SP



Comentários
01
Reporte abuso
Fernando Pestana
Rio de Janeiro 10/01/2012

Olá. Qual GRAMÁTICO diz que isto que você escreveu procede: “Existem outros casos onde a vírgula é permitida entre o sujeito e o verbo. “Aquelas duas gatinhas pretas com pequenas manchas brancas nas costas que adoram brincar com o novelo de lã roxo em dias frios de inverno e miam sem parar quando alguém lhes tira a ração antes de dormir, morreram”.”? Muito obrigado!


 
02
Reporte abuso
Arthur
BH 25/10/2011

Ainda sobre a questão do "Quem ama, educa", creio que há situações que a vírgula é necessária. Por exemplo: "Quem ama, vacina". A vírgula nesse caso tem a função de sinalizar que "vacina" nesse caso é um verbo. Sem ela, a frase ficaria estranha e pareceria incompleta, como: "Quem ama sorvete".


 
03
Reporte abuso
Fernando Fischer
São Paulo 09/02/2011

É verdade, William. Mas parece que não tem como editar. Ainda bem que eu não sou professor. Hehe. Fico feliz por você ter gostado do texto. Muito obrigado pelos elogios. Um abraço.


 
04
Reporte abuso
William Moisés
São Paulo 09/02/2011

Cara, gostei muito do seu texto, procuro sempre escrever formalmente, mesmo em rede sociais, como Orkut e MSN. Algumas dúvidas sempre vem à tona, porém, eu procuro corrigí-las o quanto antes. Fico, digamos que inquieto, quando percebo um erro de português meu, independente do lugar em que o mesmo foi colocado. Dificilmente consigo ler um artigo por completo, porém, este me cativou. Parabéns! Como nosso amigo acima disse: é "altruísmo". De resto, excelente texto!


 
05
Reporte abuso
Ludmilla Gagnor Galvão
Brasília 20/09/2010

Com relação ao título "Quem ama, educa", econtrei pelo menos três autores que abonam o uso da vírgula entre dois verbos contíguos: Maria T. Piacentini, Sacconi e Cláudio Moreno. Pasquali C. Neto discorda desta vírgula, mas admite que ela encontra abrigo em bons autores.


 
06
Reporte abuso
Daniel
Barbacena 06/08/2010

Altruísmo se escreve com l (ele), professor.


 
07
Reporte abuso
Leonardo
Brasília 25/06/2009

Escrever um adjetivo que não concorda com o substantivo não é sinal de falta de inteligência, mas de falta de conhecimento de uma norma de uma língua específica. Ou teríamos que considerar todos os anglófonos como estúpidos? E os japoneses, então, que não flexionam verbos em tempo nem pessoa?


 
08
Reporte abuso
Fernando
São José dos Campos 02/06/2009

"Hoje em dia, lembrar-se de alguma coisa ensinada na escola é raridade". A regência do verbo está errada.


 
09
Reporte abuso
André Gomes Dadá
Valparaiso GO 11/04/2009

Uma graça seu texto? Hora que graça? Eu devo realmente fazer parte da turma dos que deixam essas coisas passarem, até porque acho que temos muitas coisas bem mais importantes para nos preocupar em relação ao governo. Não que a educação não tenha importância. Talvez seja a única forma de mudança. Acho apenas que esse problema não é só do governo todos nos temos que realizar nossa parte. Não só observar os pontos fracos. Esse texto deixa bem clara uma preocupação sua, e bem sua, pois é feito o uso da escrita em seu trabalho e acho interessante que você o execute direito. Agora, é muito feio observar os defeitos dos outros para tirar vantagens disso. Ao invés de agir desta forma, crie algo para que esses menos favorecidos sejam esclarecidos. Observe de onde vem os políticos e perceberá que está falando do povo e eu estou incluído. Não estou querendo defendê-los, estou apenas dizendo que este é um problema social e todos nós precisamos trabalhar juntos para solucionar essa doença. Com certeza, preciso de algumas aulas. Vamos começar?


 
10
Reporte abuso
BrunofChagas
São Paulo 18/09/2008

Até o governo, que deveria servir de exemplo, assassina o pobre português, cada vez pior das pernas. Parafraseando o apelo sensato de um velhinho bondoso, correto, carismático e ético: “Estupra, mas não mata…”. O português.


 
11
Reporte abuso
Maria José Bove
Taquaritinga - SP. 18/09/2008

Uma graça seu texto, muito bem elaborado! Parabéns! Escrevi corretamente? rsssss...


Faça seu comentário - nome e cidade são obrigatórios
 caracteres restantes
Digite o código para validar o formulario

Trocar imagem
Quero ser inserido sempre que este autor inserir um novo post
Quero ser inserido sempre que um comentários for inserido neste post

Se você é um wiki repórter, faça o login e seu comentário será postado imediatamente.
Caso não seja, seu post entrará na lista de moderação de BrasilWiki!
Use a área de comentários de forma responsável.
BrasilWiki! faz o registro do IP (número gerado pelo computador de acesso à internet) de usuários para se proteger de eventuais abusos.
Ao selecionar acompanhar comentários do post ou post do autor, é obrigatório o preenchimento do campo email e não é necessário fazer o comentário.


©1995 - 2014. Brasil Mídia Digital

jb.com.br